Sexta-feira, 27 de Outubro de 2006

Reunião CUSMT em Riachos

Convida todos os interessados a estarem presentes,

Dia 28 de Outubro, pelas 21 Horas,

 Casa do Povo

 

Debate:

"Cuidado de Saúde em Riachos"

 

O debate promovido pela CUSMT, com o apoio da Junta de Freguesia de Riachos.

publicado por usmt às 19:32
link do post | favorito
|
Quarta-feira, 25 de Outubro de 2006

Genéricos, as vantagens não só económicas.

Por exemplo:

Todos os medicamentos LABESFAL possuem a mesma qualidade, eficácia e segurança dos medicamentos de marca.

 

A chegada dos genéricos incentiva a pesquisa de desenvolvimento de novos produtos.

 

Motiva as empresas de investigação a lançar novas terapêuticas para acompanhar o mercado em termos competitivos.

 

Estes são alguns dos argumentos para que opte por

“Genérico quando há genéricos”

 

Perguntas e Repostas sobre Genéricos
Ver em ANEXO
publicado por usmt às 19:42
link do post | favorito
|
Sexta-feira, 13 de Outubro de 2006

Alcaravela admite privatização de mais sectores hospitalares no Médio Tejo

O presidente do conselho de administração do Centro Hospitalar do Médio Tejo, Silvino Alcaravela, disse na terça-feira, dia 3 de Outubro, na Assembleia da República, que a reestruturação prevista ainda não está validada pelo Ministério e confirmou que "existe a perspectiva" de novas privatizações de serviços nos hospitais do Centro Hospitalar do Médio Tejo.

Estas alterações dizem respeito nomeadamente ao Laser Oftalmológico e à Reabilitação, para além da Tomografia Axial Computorizada que já funciona dentro desse regime na unidade de Abrantes.

Por outro lado, Alcaravela escusou-se a precisar se as recolhas e análises para laboratório continuarão a funcionar normalmente no hospital de Torres Novas, após entrar em vigor como Serviço de Urgência Básica (SUB) no início de 2007 e com a centralização da urgência médico-cirúrgica em Abrantes, mas admitiu que aquele sector continua a trabalhar abaixo da capacidade instalada.

O responsável prestava declarações, na terça-feira, dia 3 de Outubro, na Assembleia da República onde foi ouvido pela comissão parlamentar de Saúde, no âmbito da reestruturação em curso dos três hospitais que compõem aquele centro e abrangem onze concelhos da região.

Confrontado pela deputada Helena Pinto com o facto de os estudos que sustentam este projecto não serem do conhecimento público, o administrador comprometeu-se a fazer oportunamente a sua divulgação e voltou a prometer que nenhuma das medidas será tomada sem prévia consulta aos órgãos autárquicos dos concelhos envolvidos.

Outra das questões em aberto prende-se com a rede de transportes intra-hospitalares de que depende a eficácia do atendimento de doentes nos três unidades do Médio Tejo. Silvino Alcaravela informou a comissão da Assembleia de que o concurso aberto pela sua administração foi anulado e que estão a decorrer negociações com os bombeiros da região com vista a assegurar esse serviço. Uma das condições é que as ambulâncias consigam chegar aos utentes dentro dos trinta minutos após a sua solicitação.

Quanto aos transportes nas deslocações espontâneas da iniciativa dos cidadãos, segundo Alcaravela deverão ser assegurados pela Comunidade Urbana.

A presença de Silvino Alcaravela no parlamento aconteceu no seguimento de uma proposta nesse sentido apresentada pelo deputado do Bloco de Esquerda (BE), João Semedo, no dia 20 de Junho. 

"Está em curso uma reestruturação do Centro Hospitalar do Médio Tejo, instituição que integra os hospitais de Abrantes, Tomar e Torres Novas. Segundo os seus responsáveis, este processo procura estabelecer uma adequada articulação entre aqueles hospitais, através de um melhor aproveitamento dos recursos e meios disponíveis em cada uma daquelas unidades" – argumentava o deputado do BE no documento que prosseguia: "Não se duvida da complexidade do problema, tanto mais que na origem da construção daquelas unidades estão sucessivos erros de planeamento quanto à missão, programação e dimensão de cada uma delas. É um processo que se arrasta, multiplicando-se as indefinições quanto ao modelo de funcionamento do Centro Hospitalar e ao papel a desempenhar por cada um daqueles três hospitais, nomeadamente, quanto às especialidades a manter, desactivar ou criar em cada um deles; ao número, natureza, valências e localização dos serviços de urgência; ao sistema de circulação e transporte dos doentes; e, também, quanto à sua articulação com a rede dos centros de saúde".

João Semedo acrescentava que em todo este processo tem havido falta de informação, com os responsáveis hospitalares a dizerem que estão a aguardar decisões superiores.

"Neste contexto, é natural que cresçam, entre a população, sentimentos de insegurança e intranquilidade quanto ao futuro do Centro Hospitalar, ambiente que explica as múltiplas movimentações de utentes daqueles concelhos em defesa do acesso e da qualidade dos serviços públicos" – disse ainda o deputado do BE que concluiu por requerer a audição pela comissão parlamentar de Saúde dos presidentes Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo e do conselho de administração do Centro Hospitalar, Silvino Alcaravela.

O responsável da ARS acabou por não ir ao parlamento na terça-feira da semana passada.

Joaquim Lopes

Fonte: Jornal Torrejano

publicado por usmt às 20:21
link do post | favorito
|
Segunda-feira, 9 de Outubro de 2006

Nova organização dos Serviços de Saúde em debate

A Comissão de Utentes da Saúde do Médio Tejo aproveitando o período de discussão pública das novas directrizes para a organização do Serviço de Urgências, decidiu criar um grupo de trabalho para contactar técnicos e outras entidades para, até ao final de Outubro, apresentar uma opinião técnica e socialmente sustentável.

 

Numa primeira análise, constata-se: que os cidadãos portugueses são tratados discriminatoriamente (urbanos, rurais e rurais sem acesso a urgências – 10% da população); que muitas das urgências hospitalares são desqualificadas; que não existem garantias de funcionamento eficientes de meios de transporte de doentes agudos; que não há articulação entre as Unidades Hospitalares e Centros de Saúde.

 

Pela importância do tema a Comissão de Utentes, decidiu enviar um apelo/desafio aos Presidentes de Câmara e Assembleias Municipais para que debatam e enviem opiniões sobre esta problemática ver em: ANEXO.    

 

publicado por usmt às 23:04
link do post | favorito
|
Sábado, 7 de Outubro de 2006

Ribeira Branca mobilizada contra a falta de médico

Tal como as freguesias de Pedrógão, Meia Via e Riachos, no concelho de Torres Novas, Ribeira Branca também não tem médico de família. E, como aconteceu há duas semanas em Pedrógão, no passado sábado os ribeirenses mobilizaram-se para a reunião promovida pela comissão de utentes da saúde do Médio Tejo, com o intuito de debater uma situação que começa a ser preocupante.

Cerca de 150 pessoas acorreram ao salão da junta de freguesia, uma pequena multidão atendendo a que a Ribeira é uma pequena freguesia em termos demográficos. Mas os problemas são idênticos a qualquer população sem cuidados de saúde primários, por falta de médico na extensão de saúde de Ribeira Branca. A população idosa é a mais queixosa, devido à dificuldade de transportes, dado que os ribeirenses estão a ser obrigados a penosas deslocações ao Centro de Saúde de Torres Novas, onde muitas vezes acabam por não ser atendidos.

E a incompreensão das pessoas é tanto maior na medida em que está na sua memória a luta que foi preciso levar a cabo, há muitos anos, para serem servidas por médico na aldeia, vendo-se confrontadas com uma conquista que está a ser retirada.

De entre as intervenções dos ribeirenses presentes na reunião, coube a Luís de Sousa Formiga sintetizar o estado de espírito popular: "É com muita mágoa que, passados cerca de 25 anos, nos seja retirada uma conquista que nos custou tanto a alcançar. Lamento que, depois de termos criado todas as condições para termos direito à saúde, as nossas condições de vida estejam a agravar-se" – disse Luís Formiga, que terminou com um apelo: "Não desarmem, não desistam de lutar. Enquanto houver duas pessoas dispostas a lutar, são sempre mais que uma".

Presente na reunião esteve Manuel José Soares, da comissão de utentes de saúde do Médio Tejo, que caracterizou a situação deficitária que se vive no concelho em termos de cuidados primários de saúde e chamou mais uma vez a atenção para o futuro do hospital de Torres Novas. Na sua intervenção, este dirigente da comissão chamou a atenção para a eventual desqualificação da urgência do Hospital Rainha Santa Isabel, no âmbito de um processo de reestruturação das urgências hospitalares do país (ver texto nesta página).

Entretanto, estava marcada para a passada terça-feira mais uma reunião aberta à população, desta vez em Meia Via, que se confronta com o problema vivido pelas freguesias de Pedrógão e Ribeira Branca, estando aprazada idêntica iniciativa para Riachos, em data a anunciar pela comissão de utentes.

Fonte: Jornal Torrejano

publicado por usmt às 19:35
link do post | favorito
|
Quinta-feira, 5 de Outubro de 2006

Reúnião CUSMT em Torres Novas

Convidam-se todos os Membros e Aderentes à Associação, para reunião da
Comissão de Utentes da Saúde do Médio Tejo, que vai decorrer no próximo dia
6 de Outubro, no Lote 4 R/C da Avenida 8 de Julho, em Torres Novas às 21,00
horas
, com a seguinte ordem de trabalhos:

    1 - Balanço das reuniões c/ a população em: Pedrógão, Ribeira, Meia Via
e Entroncamento

    2 - Encontro Nacional das Comissões de Utentes, que vai decorrer no
Entroncamento

    3 - Associação de Utentes da Saúde do Médio Tejo
publicado por usmt às 14:02
link do post | favorito
|

Relatório: Reunião da CUSMT no Entroncamento

 A mesa estava composta por Manuel Soares, José Paixão, Dr. Manuel Ligeiro, representantes da CUSMT e Dr. Mora Leitão, Presidente da Assembleia Municipal Entroncamento.

 

Abrindo a reunião, Manuel Soares começou por explicar que, a CUSMT nasceu em Março de 2003. A Comissão tem um raio da acção que abrange toda a população servida pelo Centro Hospitalar do Médio Tejo. Foram já realizadas diversas acções abrangentes de toda a área, nomeadamente a organização de um Abaixo-Assinado pela manutenção das Urgências Pediátricas nos três hospitais do Médio Tejo. A Comissão considera que com a publicação da Lei 44/2005, foram criadas a condições para a criação da Associação dos Utentes da Saúde do Médio Tejo.

 

Assim como, os médicos e os enfermeiros têm as suas associações, que têm como finalidade defender e lutar pelos seus interesses, também a CUSMT pensa que os utentes devem organizar-se em associações. Pois os utentes são os principais interessados num sistema de saúde tendencialmente gratuito e universal.  

Assim a Comissão propõe em transformar-se em associação que englobe todos os 15 concelhos que o Centro Hospitalar do Médio Tejo abrange, nos quais apoia e incentiva a criação de núcleos locais, onde se discutam algumas questões relacionadas com os cuidados de saúde.

 

Segundo Manuel Ligeiro, “os hospitais do Médio Tejo têm muitas potencialidades, existem equipamentos de primeira linha, do mais moderno que existe, mas estes não estão a ser utilizados de maneira mais rentável, por exemplo: o Hospital e Tomar, na especialidade de Medicina Física e de Reabilitação, pode-se tornar num hospital de primeira linha, tão bom ou melhor que o “famoso” Centro de Alcoitão.

Com uma Centralização de Serviços Equilibrada é possível, em algumas especialidades, evoluir para serviços de Excelência! São exemplos: Oftalmologia, Cardiologia, Hemodiálise.

 

O Centro tem capacidade para executar Meios Complementares de Diagnóstico para os Centros de Saúde. Um protocolo nesse sentido poderia rendibilizar o equipamento instalado no Centro e ser uma fonte financiamento alternativa.

É importante que seja estudada uma utilização alternativa para as camas não necessárias (para cuidados continuados e/ou referenciados).

 

Porque as necessidades existem e não estão satisfeitas, é urgente que sejam tomadas as medidas para que o potencial do Centro Hospitalar (Instalações, Equipamentos e Recursos Humanos) sejam efectivamente posto em uso e ao serviço dos que dele precisam!

 

 Os membros da CUSMT frisaram ainda que o problema do Centro Hospitalar, é que muitas vezes existe falta de profissionais para dar rentabilidade ao equipamento. 

 

O que a CUSMT defende para o Centro Hospitalar do Médio Tejo são questões de bom senso e do consenso, posição sensata e valorizada pelos órgãos de comunicação sociais nos vários concelhos, onde têm reunido. Em suma, o lema é “O melhor em termos de saúde para a população”.

 

Durante o debate com a plateia, José Paixão rematou, dizendo “ a constituição consagra um serviço de saúde tendencialmente gratuito e universal, mas, segundo afirmações recentes do actual Ministro da Saúde, a Saúde gratuita pode acabar”.

Quanto às Unidades de Saúde Familiar (USF) que estão a ser implementadas em alguns Centros de Saúde, a CUSMT, considera-as positivas, mas pensa que da forma como estão a ser criadas, por acto voluntário dos profissionais de saúde e sem uma lei clara e objectiva que as suporte irão criar alguns problemas no correcto funcionamento dos Centros de Saúde. Como não há perspectivas de que todos os utentes tenham acesso às Unidades de Saúde familiar, os que ficarem de fora, e serão a grande maioria, encontrarão mais dificuldades no acesso aos cuidados de saúde primários e a ter médico de família, o que representará haver utentes de 1ª e de 2ª.

 

 

publicado por usmt às 00:06
link do post | favorito
|
Segunda-feira, 2 de Outubro de 2006

Próximas Reuniões da CUSMT

As próximas reuniões da Comissão de Utentes do Médio Tejo, para sondar as opiniões sobre o estado actual da prestação de cuidados de saúde, realiza-se às 21 horas, nas seguintes localidade e datas: 2 de Outubro – Entroncamento, na Sede JFS João Batista; 3 de Outubro – Meia Mia, na Sociedade Euterpe Meiaviense.      

publicado por usmt às 20:01
link do post | favorito
|
Domingo, 1 de Outubro de 2006

Tomar: Apenas 150 utentes nas listas de espera

Utentes sem médico de família no Centro de Saúde de Tomar (CST) passaram de dois mil para cerca de 988. No entanto, e segundo o director do Centro de Saúde, Urbano Figueiredo, este número inclui diversos tipos de utentes, por exemplo aqueles que não requisitam médico de família por opção, mas estão inscritos no CST, ou os utentes que raramente vão ao médico.

Segundo o mesmo responsável, e tendo em conta os que já requisitaram médico de família, encontram-se em lista de espera apenas 150 utentes. O método utilizado para reduzir o número de utentes sem clínico assistente consistiu na distribuição dos dois mil utentes pelos médicos que integram o quadro do Centro de Saúde, incluindo os da unidade de Marmelais, cujo projecto de constituição de uma Unidade de Saúde Familiar (USF) encontra-se em fase de avaliação, começando a funcionar em breve. Os utentes foram também distribuídos pela USF de Santa Maria. Neste momento está a ser feita nova distribuição de utentes, em especial as crianças, grávidas, diabéticos, entre outros. A maior parte dos utentes do Dr. Caniço, que se aposentou, também já foi distribuída pelos diversos médicos. No total estão inscritos no Centro de Saúde de Tomar 47.720 utentes, número que ultrapassa a população de Tomar, mas para o qual há uma razão, pois um número destes utentes, cerca de dois mil, são referidos como “pontuais”, ou seja, trata-se de população flutuante, pessoas que vão passando pela cidade e que se inscrevem no CST, indo depois embora. No total, são cerca de 43 mil os utentes com médico de família. Actualmente o Centro de Saúde tem 25 médicos distribuídos por 22 extensões.

Por vezes, o número de utentes sem médico de família inclui casos registados em mais do que um centro de saúde ou, eventualmente, cidadãos que já faleceram mas continuam a figurar nos ficheiros. Neste sentido, é necessário que os centros de saúde façam uma limpeza dos ficheiros de modo a detectar estes casos, o que, segundo Urbano Figueiredo, acontece no Centro de Saúde de Tomar, onde são feitos periodicamente telefonemas a fim de averiguar a situação do utente. Questionado acerca do funcionamento do Serviço de Apoio Médico (SAM), que entrou em funcionamento também no final do ano passado, referiu o director que este programa informático tem permitido a passagem de receitas, registos clínicos, guias de transporte de doentes, entre outros, sem recorrer ao tradicional suporte de papel. Através deste programa, as “baixas” seguem directamente para a Segurança Social, com duplicados para o patrão e utente. Se no Centro de Saúde de Tomar a situação é menos preocupante, pois o número de utentes sem médico de família reduziu bastante, a nível nacional este problema agravou-se de 2004 para 2005, segundo as estatísticas do Centro de Saúde de Tomar Apenas 150 utentes em lista de espera Desde o final de 2005 até agora o número de movimento assistencial nos centros de saúde referentes ao ano passado, divulgadas pelo Instituto de Gestão Financeira e Informática (IGIF). Constata-se assim que, actualmente, mais de um milhão de pessoas (1.130.623) não terá médico de família.

A nível do distrito de Santarém, são cerca de 48 mil as pessoas sem médico de família, um problema que tende a agravar-se com a falta de médicos, em especial nas zonas do interior do País.

publicado por usmt às 23:03
link do post | favorito
|

.USMT:Quer nos Conhecer?

  • O que somos
  • Oque fazemos
  • O que defendemos
  • .Vamos criar a Associação de Defesa dos Utentes da Saúde

  • Saber Mais
  • .Leia, Subscreva e Divulgue a Petição ao Senhor Ministro da Saúde Sobre as Novas Taxas Moderadoras Para Internamentos e Cirurgias

  • Petição Movimento de Utentes da Saúde
  • .USMT Mail:

    usaudemt@hotmail.com

    .Abaixo-Assinado

  • Queremos Médicos na Meia Via, Ribeira e Pedrógão
  • .pesquisar

     

    .Jornais Regionais On-Line

  • O Templário
  • Cidade de Tomar
  • O Mirante
  • O Ribatejo
  • Torrejano
  • Almonda
  • O Riachense
  • Entroncamento On-Line
  • Notícias de Fátima
  • .Organizações & Comições

  • MUSS
  • Movimento Utentes Saúde
  • OMS
  • .Posts Recentes

    . CUSMT: balanço reunião co...

    . MÉDIO TEJO: Melhorar as u...

    . Com o calor todos os cuid...

    . Hospital privado é acusad...

    . Concretizar a colocação d...

    . Opinião

    . 27 de Julho, reunião da C...

    . MÉDIO TEJO: Secretariado ...

    . MÉDIO TEJO: balanço da re...

    . MÉDIO TEJO: preparar reun...

    .Arquivos

    . Agosto 2017

    . Julho 2017

    . Junho 2017

    . Maio 2017

    . Abril 2017

    . Março 2017

    . Fevereiro 2017

    . Janeiro 2017

    . Dezembro 2016

    . Novembro 2016

    . Outubro 2016

    . Setembro 2016

    . Agosto 2016

    . Julho 2016

    . Junho 2016

    . Maio 2016

    . Abril 2016

    . Março 2016

    . Fevereiro 2016

    . Janeiro 2016

    . Dezembro 2015

    . Novembro 2015

    . Outubro 2015

    . Setembro 2015

    . Agosto 2015

    . Julho 2015

    . Junho 2015

    . Maio 2015

    . Abril 2015

    . Março 2015

    . Fevereiro 2015

    . Janeiro 2015

    . Dezembro 2014

    . Novembro 2014

    . Outubro 2014

    . Setembro 2014

    . Agosto 2014

    . Julho 2014

    . Junho 2014

    . Maio 2014

    . Abril 2014

    . Março 2014

    . Fevereiro 2014

    . Janeiro 2014

    . Dezembro 2013

    . Novembro 2013

    . Outubro 2013

    . Setembro 2013

    . Agosto 2013

    . Julho 2013

    . Junho 2013

    . Maio 2013

    . Abril 2013

    . Março 2013

    . Fevereiro 2013

    . Janeiro 2013

    . Dezembro 2012

    . Novembro 2012

    . Outubro 2012

    . Setembro 2012

    . Agosto 2012

    . Julho 2012

    . Junho 2012

    . Maio 2012

    . Abril 2012

    . Março 2012

    . Fevereiro 2012

    . Janeiro 2012

    . Dezembro 2011

    . Novembro 2011

    . Outubro 2011

    . Setembro 2011

    . Agosto 2011

    . Julho 2011

    . Junho 2011

    . Maio 2011

    . Abril 2011

    . Março 2011

    . Fevereiro 2011

    . Janeiro 2011

    . Dezembro 2010

    . Novembro 2010

    . Outubro 2010

    . Setembro 2010

    . Agosto 2010

    . Julho 2010

    . Junho 2010

    . Maio 2010

    . Abril 2010

    . Março 2010

    . Fevereiro 2010

    . Janeiro 2010

    . Dezembro 2009

    . Novembro 2009

    . Outubro 2009

    . Setembro 2009

    . Agosto 2009

    . Julho 2009

    . Junho 2009

    . Abril 2009

    . Fevereiro 2009

    . Janeiro 2009

    . Dezembro 2008

    . Novembro 2008

    . Outubro 2008

    . Setembro 2008

    . Agosto 2008

    . Julho 2008

    . Junho 2008

    . Maio 2008

    . Abril 2008

    . Março 2008

    . Fevereiro 2008

    . Janeiro 2008

    . Dezembro 2007

    . Outubro 2007

    . Setembro 2007

    . Agosto 2007

    . Julho 2007

    . Maio 2007

    . Abril 2007

    . Março 2007

    . Fevereiro 2007

    . Janeiro 2007

    . Dezembro 2006

    . Novembro 2006

    . Outubro 2006

    blogs SAPO

    .subscrever feeds