Sexta-feira, 30 de Setembro de 2011

Humor sobre as taxas moderadoras sobre consultas com os utentes ausentes

Image

in JMF

publicado por usmt às 20:11
link do post | favorito
|

Isenções nas taxas moderadoras

Saúde

Taxas moderadoras: Quem está isento

por Lusa<input ... >

Taxas moderadoras: Quem está isento

O diploma hoje aprovado em Conselho de Ministros que revê as categorias de isenção das taxas moderadoras no acesso aos cuidados de saúde distingue entre quem está ou não isento diretamente.

Assim, de acordo com um documento do Ministério da Saúde, estão isentos diretamente do pagamento de todas as taxas moderadoras:

- Utentes em situação de comprovada insuficiência económica;

- Grávidas e parturientes;

- Crianças até aos 12 anos, inclusive;

- Utentes com grau de incapacidade igual ou superior a 60%;

- Doentes transplantados de órgãos;

- Deficientes das Forças Armadas.

Nos cuidados primários (centros de saúde) estão ainda isentos:

- Dadores benévolos de sangue;

- Dadores de órgãos;

- Bombeiros e militares.

Estão ainda previstas isenções para doentes crónicos, mas nas prestações ou atos de saúde associadas à condição da doença. Nestes casos, é ao médico que cabe definir o âmbito da doença.

publicado por usmt às 19:59
link do post | favorito
|

Pela reabertura da Extensão de Saúde da Louriceira: vão ser recolhidas assinaturas entre a população

AUTARQUIAS

ASSEMBLEIA DE FREGUESIA
Realizou-se hoje a Assembleia de Freguesia, a partir das 21h, que no ponto 1 apresentou por parte da Junta um saldo positivo de 14.738.49 euros. 
Entretanto a Presidente da Assembleia leu a cópia de um requerimento do PCP na Assembleia da República cujo teor já tinha sido publicado em Louriceira.Oline.
No ponto 2 foi discutido o encerramento da Extensão de Saúde da Louriceira com o Presidente da Junta a informar ter participado numa reunião com o responsável do Agrupamento dos Centros de Saúde, Dr. Pedro Marques, tendo este informado que a Extensão encerrou por não ter condições de funcionamento, o que terá sido contrariado pelos presidentes da Câmara e da Junta que defenderam a sua reabertura com argumentos valiosos. Em face disso  o Dr. Pedro Marques terá enviado uma carta ao Ministério da Saúde com as argumentações a ele apresentadas.
Apesar disso o Presidente da Junta disse "não ser fácil a reabertura da Extensão mas devemos ser firmes e mostrar a nossa indignação, sem entrarmos em politiquices"adiantando que se "espera fazer um protocolo entre as autarquias e o ACES para o transporte de doentes às consultas no Posto Médico de Alcanena".

publicado por usmt às 19:26
link do post | favorito
|

in Rádio Cidade de Tomar

Administração do CHMT recebe Comissão de Utentes e diz que estrutura pode ser sustentável

 

Foi o Dr. Silva Torres que nos recebeu e que no final admitiu que o Conselho de Administração do Centro Hospitalar do Médio tejo «tem falado muito pouco com a Comissão de Utentes» começou por dizer Manuel José Soares. Não há boas nem más notícias porque a realidade de hoje pode ser alterada por qualquer factor externo.

 

.

 

.

Uma das garantias dadas nesta reunião é a de que hoje não há qualquer alteração decidida no que diz respeito a concentração de urgências ou outras valências, esclareceu o representante dos utentes que adiantou também que o Dr.Silva Torres reconheceu que o Conselho de Administração «não conseguiu fazer o Plano Estratégico».
Foram abordados problemas pontuais como o caso da aposentação da profissional em ginecologia e obsterícia que não foi substituída e que por isso as mulheres que tinham consultas na unidade de Tiomar deixaram de as ter tendo sido assegurado que o Conselho de Administração tem tentado resolver este problema mas que ainda não há solução, «porque não tem sido fácil».
Aos representantes dos utentes foi também afirmado que estão a ser afinados alguns canais de forma a dar resposta ás requisições de meios complementares de diagnóstico por parte dos cuidados de saúde primários e que, por fim, o Dr.Silva Torres disse ter consciência que o Centro Hospitalar do Médio Tejo é sustentável. Assim sendo como se justifica o «buraco de 45 milhões» de euros que ainda há dias foi notícia, uma questão que não foi respondida porque também não foi questionada dados os muitos assuntos que seria importante abordar mas que em uma hora e meia de reunião seria naturalmente impossível, explicou Manuel José Soares da Comissão de Utentes da Saúde, satisfeito por o elemento do Conselho de Administração ter assumido posições que até agora não tinham sido assumidas. «Mais vale tarde do que nunca» disse Manuel José Soares.
 

Foi o Dr. Silva Torres que nos recebeu e que no final admitiu que o Conselho de Administração do Centro Hospitalar do Médio tejo «tem falado muito pouco com a Comissão de Utentes» Foi o Dr. Silva Torres que nos recebeu e que no final admitiu que o Conselho de Administração do Centro Hospitalar do Médio tejo «tem falado muito poucomeçou por dizer Manuel José Soares. Não há boas nem más notícias porque a realidade de hoje pode ser alterada por q

publicado por usmt às 16:46
link do post | favorito
|

MAÇÃO protesta contra a diminuição de horário no Atendimento Complementar

MAÇÃO - Câmara Municipal reclama decisão do ACES Zêzere

Na sequência da recente decisão tomada pela Direcção do Agrupamento de Centros de Saúde Médio Tejo II - Zêzere sobre o novo horário de funcionamento dos Serviços de Atendimento Complementar do Centro de Saúde de Mação - das 14h às 18h de segunda a sexta-feira (mantendo o horário de fim-de-semana e feriados: 10h às 20h) - a Câmara Municipal de Mação vem manifestar o seu desagrado pela forma repentina como serviços e população foram informados, tendo sido indicado no dia 26 de Setembro para entrar em vigor este sábado, 01 de Outubro de 2011.

Esta nova directiva apanhou de surpresa os utentes do Centro de Saúde e população em geral e terá, naturalmente, implicações nos cuidados primários de saúde, pois passarão a ter apenas 4h diárias para Atendimento Complementar e saem, por conseguinte, prejudicados em 10 horas semanais relativamente ao horário antigo - 14h às 20h (dias úteis) -, que deixará de vigorar no dia 01 de Outubro. Como é óbvio, se as horas agora retiradas do horário de Atendimento Complementar não forem devidamente compensadas em tempo de serviço efectivo por parte do pessoal médico, estamos, objectivamente, perante um claro prejuízo para as populações, com o qual não podemos compactuar. A Câmara Municipal de Mação tem uma confiança ilimitada em todos os profissionais de saúde que prestam serviço neste Concelho, razão pela qual confia que esta alteração, a exemplo de outras ocorridas ao longo dos anos, não constitua um obstáculo à prestação dos cuidados de saúde aos nossos Munícipes. A Câmara Municipal de Mação irá acompanhar esta questão com toda a atenção e preocupação que a situação requer para que os interesses dos Munícipes sejam salvaguardados, sendo que, como foi transmitido pessoalmente ao Sr. Director Executivo do ACES Zêzere, não deixará de defender intransigentemente os mesmos, caso se venham a verificar situações que configurem um claro e objectivo prejuízo da qualidade de vida dos Munícipes Maçaenses.

 

publicado por usmt às 16:38
link do post | favorito
|

Diz a Entidade Reguladora da Saúde

ERS diz que situação da saúde no país exige 'redobrada atenção'
 
Share0
 
 
30 de Setembro, 2011
O presidente da Entidade Reguladora da Saúde (ERS) afirma que a situação do país exige «redobrada atenção» à equidade no acesso aos cuidados de saúde, mas também à qualidade e eficiência dos serviços.

«A ERS foi criada num contexto político em que se sentiu a necessidade de regulação para prevenir as consequências, eventualmente nocivas, da introdução de mecanismos tipo mercado na prestação do serviço público da saúde», especialmente no acesso dos cidadãos aos cuidados de saúde, mas também à qualidade dos serviços, diz Jorge Simões em entrevista à Lusa nas vésperas do seu primeiro aniversário como presidente da entidade, que se assinala no sábado.

Para Jorge Simões, actualmente a regulação é ainda mais necessária: «além dos aspectos relacionados com a supervisão da intervenção de estabelecimentos públicos, privados e sociais com medidas diversas no campo da contracção de despesa, especialmente da despesa pública, há aspectos de equidade, de acesso aos cuidados de saúde, mas também aspectos de qualidade e eficiência em relação aos quais é necessário ter uma redobrada atenção».

Sobre os cortes anunciados para o sector e as eventuais implicações que poderão ter para os utentes, Jorge Simões afirmou que «a contracção da despesa pública faz-se sempre à custa de qualquer coisa. Pode fazer-se à custa do desperdício, e aí é que as qualidades dos decisores políticos estão à prova, no sentido de identificar o desperdício».

Mas, alerta, «se não houver um apuramento técnico muito adequado, muito concreto em relação aos mais diversos temas, naturalmente que pode haver os riscos dos cortes, além de cortarem o desperdício, cortarem nalguns aspectos que são essenciais no acesso dos cidadãos aos cuidados de saúde, concretamente ao Serviço Nacional de Saúde (SNS)».

Por isso, argumenta, «é que a ERS contribuiu no passado e contribui agora de uma forma mais redobrada para a elaboração de estudos técnicos, visando, permitindo ou colaborando no sentido de uma boa decisão política».

Nesse sentido, aponta dois estudos que a ERS está a realizar a pedido do ministro da Saúde, Paulo Macedo: a Carta Hospitalar, que vai mapear a oferta pública dos serviços de saúde, e uma análise sobre a sustentabilidade financeira do SNS, que será entregue hoje.

Relativamente à Carta Hospitalar, Jorge Simões explica que vai referenciar todos os serviços hospitalares de maneira a que «o decisor político possa decidir aquilo que é mais adequado do ponto de vista do acesso efectivo e necessário dos cidadãos aos cuidados de saúde, mas tendo em consideração também a necessidade de melhorar a eficiência».

Jorge Simões lembra que «o país mudou» e a Entidade Reguladora da Saúde tem de acompanhar a mudança que ocorreu no país no último ano. «A ERS deve olhar para o sistema de saúde de uma maneira muito compreensiva e não pode estar fechada numa torre de marfim».

E, garante, a intervenção da ERS será sempre «independente e isenta» e analisará «todas as situações que possam pôr em causa o acesso dos cidadãos a cuidados de saúde nos termos legais».

Todas as situações têm que «ser vistas caso a caso no sentido de tentar identificar quais são as consequências que daí advêm de cada uma das medidas e se elas ferem ou não aspectos centrais, nalguns casos até constitucionais, do acesso dos cidadãos aos cuidados de saúde».

Lusa/SOL

publicado por usmt às 16:06
link do post | favorito
|
Quinta-feira, 29 de Setembro de 2011

Até sexta, na unidade de Torres Novas, do CHMT

...

publicado por usmt às 08:27
link do post | favorito
|
Quarta-feira, 28 de Setembro de 2011

O Sr. Presidente da Comunidade Intermunicipal revela andar muito mal informado ao afirmar p. e. que "...Não oiço ninguém falar... no encerramento das extensões de saúde!

ACTUALIDADE - Ideia de terminar com urgências no Nossa Senhora da Graça e em Torres Novas saiu… de Tomar. Quem o diz é António Rodrigues

António Rodrigues, presidente da Câmara Municipal de Torres Novas, afirmou à Hertz que a ideia de acabar com parte das urgências em dois dos três hospitais do Centro Hospitalar do Médio Tejo partiu, precisamente, de alguém ligado... a Tomar. O autarca torrejano disse mesmo que, nesta altura, seria melhor não levantar muitas ondas relativamente ao assunto. Aliás, enquanto presidente da Comunidade Intermunicipal do Médio Tejo, António Rodrigues afirma que não é obrigatória a tomada de qualquer posição, pois considera que tal não leva a lado algum.

 

Ainda assim, ficou a garantia de que já foi solicitada uma audiência ao Ministro da Saúde, apesar de ter ficado a convicção de que as urgências não irão ser encerradas: «É por estas e por outras que, por vezes, acontece aquilo que não queremos que aconteça... Houve efectivamente alguém que se lembrou de dizer, e foi alguém de Tomar, que uma parte das urgências deveria acabar no próximo ano. A administração já desmentiu mas o Governo ainda não abriu a boca em relação a isto. Toda esta movimentação política nas Assembleias, nas rádios, vai ao encontro dos desejos de quem decide. Estamos a colocar-nos a jeito... Em minha opinião, nesta fase do campeonato, o silêncio seria de ouro. Mas as pessoas sentem necessidade de falar... Fica-lhes bem. Enquanto presidente da Comunidade Intermunicipal não fiz e nem vou fazer qualquer proposta para tomadas de posição quando entendo que isso não leva a lado algum. Agora, se me perguntar se andamos atentos... É claro que andamos! Já pediu audiência ao Ministro da Saúde? Já pedi, sim senhor! Mas este alarido só prejudica os interesses do Médio Tejo e os hospitais de Torres Novas e Tomar. Não oiço ninguém falar sobre algo que é tão preocupante e até já há decisões... Estou a falar no encerramento das extensões de saúde! Somos todos afectados! Aqui, convinha haver uma estratégia articulada para minimizar o impacto destas decisões. Estamos, assim, perante duas totalmente distintas mas ambas preocupantes... Distintas porquê? No caso das urgências, o cenário foi negado pela administração do Centro Hospitalar, pelo que não há qualquer sentido nessas notícias. No outro caso sim, há ordens do Governo para encerrar extensões de saúde».

 

publicado por usmt às 18:24
link do post | favorito
|
Terça-feira, 27 de Setembro de 2011

Estudo de opinião: 91,2%, defendem mais verbas para a saúde

Ministério da Saúde

34,7% acusam "má gestão dos dinheiros públicos"

por Lusa<input ... >Hoje<input ... >

34,7% acusam "má gestão dos dinheiros públicos"

Mais de um terço dos portugueses inquiridos num estudo considera que o Ministério da Saúde (MS) faz "uma má gestão dos dinheiros públicos", enquanto 20% aceita a ideia de um Serviço Nacional de Saúde (SNS) pago e não universal.

O barómetro "Os Portugueses e a Saúde", cujos resultados são divulgados hoje em Lisboa, refere que, face aos resultados do último semestre de 2010, os portugueses permanecem "muito críticos relativamente à gestão que o MS faz dos dinheiros públicos", com 34,7% a apontar mesmo uma "má gestão".

Por outro lado, indica, existe "uma franja significativa da população portuguesa (cerca de 20%) que aceita a ideia de um SNS pago e não universal" e 38,6% tem a noção que, num futuro próximo, o Estado não poderá continuar a garantir a todos os cidadãos o acesso a novos medicamentos.

A maioria dos inquiridos (54,9%) defende que cada português deverá pagar os medicamentos novos de acordo com os seus rendimento, como forma de o Estado continuar a poder garantir o acesso a novos fármacos, enquanto 20,8% sugerem a redistribuição de verbas do Orçamento do Estado, canalizando mais verbas para a saúde.

Dos diversos sectores avaliados, a saúde é aquele em que os portugueses consideram que deveria existir maior investimento, com 91,2% a defender esta medida.

"A maioria dos portugueses considera que deve gastar-se mais em saúde e aumentar o orçamento alocado ao sector, mas isto é exactamente o contrário das actuais intenções do Ministério da Saúde", afirmou à agência Lusa Paulo Moreira, da Escola Nacional de Saúde Pública, que irá apresentar os resultados do estudo desenvolvido pela Spirituc-Investigação Aplicada, a Guess What PR e o Grupo Havas Media.

Para 72,7% dos inquiridos, os médicos continuam a ser a sua principal fonte de informação sobre a saúde.

"O facto de os portugueses manterem o médico como a sua maior fonte de informação levanta algumas questões, nomeadamente se o médico proporciona o contexto de educação em saúde nos encontros que tem com os cidadãos. Se assim não for então temos uma generalidade em que os cidadãos têm poucas alternativas de melhoraram o seu conhecimento sobre saúde", salienta Paulo Moreira.

A Internet já é utilizada por perto de 30% dos portugueses, que utilizam esta ferramenta para procurar informações relacionadas com a sintomatologia de uma doença.

É a população mais jovem, activa, com níveis de instrução mais elevados e residente na região de Lisboa e Vale do Tejo e Sul que recorre, de forma mais frequente à internet.

O barómetro analisou também a relação dos portugueses com a indústria farmacêutica e concluiu que 55% projectam "conotações negativas relativamente ao papel dos laboratórios". Apesar dessa "imagem pouco favorável, a realidade é que os portugueses parecem reconhecer aos laboratórios farmacêuticos uma importância central em diversas questões chave do sector da saúde".

O estudo, que decorreu em Julho, envolveu a população portuguesa com mais de 18 anos, residente no Continente, tendo sido a amostra de 645 questionários, que foram realizados telefonicamente. O intervalo de confiança é de 95% para uma margem de erro de cerca de 4,0%.

publicado por usmt às 13:30
link do post | favorito
|

TORRES NOVAS: Moção aprovada por unanimidade na Assembleia Municipal

ASSEMBLEIA MUNICIPAL DE 26 DE SETEMBRO DE 2011

Período Antes da Ordem do Dia

 

MOÇÃO

CONTRA A DEGRADAÇÃO DO ACESSO AOS CUIDADOS DE SAÚDE

 

Na última sessão desta Assembleia a bancada da CDU defendeu que, embora pequenas, se verificavam algumas melhorias na área da saúde.

 

Estas melhorias baseavam-se essencialmente na colocação de mais médicos no ACES  Serra de Aire.

 

Porém, foram contratados médicos que não podem exercer medicina em Portugal.! Um bom exemplo de desperdício de recursos!

 

Hoje, há razões acrescidas para que o acesso aos cuidados de saúde no Médio Tejo volte a estar destaque.

 

A primeira razão diz, directamente, respeito à saúde em si. A saúde é um bem tão precioso que merece estar sob vigilância constante. É obrigação de todos mantê-la e melhorá-la!

 

Outro conjunto de razões diz respeito à evolução do acesso aos cuidados.

Tem-se vindo a constatar que o acesso à prestação dos cuidados de saúde está mais dificultado, e, com tendência a piorar, em razão das medidas do governo central e das entidades locais para cumprimento das medidas impostas pela troika.

 

Cidadãos sem médico de família são cada vez mais, atingindo no nosso concelho neste momento mais de 14.500 utentes.

 

As medidas de restrição de celebração de contratos de prestação de serviços e os cortes nos custos com pessoal, determinados recentemente pelo governo contribuirão para agravar a situação.

 

Perspectiva-se o encerramento das extensões de saúde com menos de 1500 utentes. Esta intenção vai criar ainda mais dificuldades e obstáculos aos cidadãos do nosso concelho, pois deixará mais utentes desprotegidos e sem alternativas credíveis!

 

A concentração dos exames de diagnóstico nos hospitais, embora positiva para o SNS, obriga a mais e maiores deslocações com o consequente aumento dos custos para os utentes.

Alvitra-se a possibilidade do encerramento das urgências (ou parte das urgências) dos hospitais de Tomar e Torres Novas. As suas consequências agravam, e de que maneira, o acesso aos cuidados urgentes.

 

Diversas entidades apontam a existência de má gestão do Centro Hospitalar e de um “buraco” de milhões de euros, mas os responsáveis continuam nos seus lugares mesmo depois de os mandatos já terem terminado há um ano!

 

O valor das taxas moderadoras vai ser aumentado, o que irá complicar ainda mais a já precária situação financeira dos cidadãos que são obrigados a recorrer aos cuidados de saúde. É mais um obstáculo para o cidadão ver reconhecido o seu direito à saúde.

 

As portagens da A23 e, pelos vistos também no IC3, constituem mais um grande obstáculo nesse caminho.

 

Os medicamentos estão menos acessíveis, os transportes de doentes mais difíceis.

 

A lista de obstáculos que um cidadão doente precisa de passar para ter acesso aos cuidados de que necessita, é tão grande, que, certamente, este chegará ao fim muito cansado!.

 

Esta Assembleia, que representa os cidadãos do concelho de Torres Novas, não pode ficar indiferente a esta situação, por isso

 

A CDU propõe a aprovação da seguinte MOÇÃO:

 

1)   A Assembleia Municipal manifesta a sua preocupação pela acelerada degradação das condições de acesso aos cuidados de saúde por parte dos cidadãos do concelho e pela demora na resolução dos graves problemas que afectam o funcionamento das unidades de saúde do Médio Tejo;

2)   A Assembleia Municipal manifesta a sua oposição a todas as medidas que contribuam para dificultar a concretização prática do direito à saúde por parte dos cidadãos;

3)   A Assembleia Municipal manifesta publicamente o seu apoio à luta da população do concelho por um melhor acesso aos cuidados de saúde a que têm direito.

 

Os eleitos da CDU

publicado por usmt às 13:28
link do post | favorito
|

.USMT:Quer nos Conhecer?

  • O que somos
  • Oque fazemos
  • O que defendemos
  • .Vamos criar a Associação de Defesa dos Utentes da Saúde

  • Saber Mais
  • .Leia, Subscreva e Divulgue a Petição ao Senhor Ministro da Saúde Sobre as Novas Taxas Moderadoras Para Internamentos e Cirurgias

  • Petição Movimento de Utentes da Saúde
  • .USMT Mail:

    usaudemt@hotmail.com

    .Abaixo-Assinado

  • Queremos Médicos na Meia Via, Ribeira e Pedrógão
  • .pesquisar

     

    .Jornais Regionais On-Line

  • O Templário
  • Cidade de Tomar
  • O Mirante
  • O Ribatejo
  • Torrejano
  • Almonda
  • O Riachense
  • Entroncamento On-Line
  • Notícias de Fátima
  • .Organizações & Comições

  • MUSS
  • Movimento Utentes Saúde
  • OMS
  • .Posts Recentes

    . SEC MUSP SANTARÉM: preocu...

    . TOMAR: É preciso melhorar...

    . ORÇAMENTO 2018: exigência...

    . 12 de Outubro, Reunião da...

    . Vacine-se contra a gripe!

    . MÉDIO TEJO: Comissão Uten...

    . 1 OUTUBRO - DIA NACIONAL ...

    . 30 SETEMBRO - DIA MUNDAIL...

    . ALCANENA: iniciativa cont...

    . MÉDIO TEJO: vão chegar no...

    .Arquivos

    . Outubro 2017

    . Setembro 2017

    . Agosto 2017

    . Julho 2017

    . Junho 2017

    . Maio 2017

    . Abril 2017

    . Março 2017

    . Fevereiro 2017

    . Janeiro 2017

    . Dezembro 2016

    . Novembro 2016

    . Outubro 2016

    . Setembro 2016

    . Agosto 2016

    . Julho 2016

    . Junho 2016

    . Maio 2016

    . Abril 2016

    . Março 2016

    . Fevereiro 2016

    . Janeiro 2016

    . Dezembro 2015

    . Novembro 2015

    . Outubro 2015

    . Setembro 2015

    . Agosto 2015

    . Julho 2015

    . Junho 2015

    . Maio 2015

    . Abril 2015

    . Março 2015

    . Fevereiro 2015

    . Janeiro 2015

    . Dezembro 2014

    . Novembro 2014

    . Outubro 2014

    . Setembro 2014

    . Agosto 2014

    . Julho 2014

    . Junho 2014

    . Maio 2014

    . Abril 2014

    . Março 2014

    . Fevereiro 2014

    . Janeiro 2014

    . Dezembro 2013

    . Novembro 2013

    . Outubro 2013

    . Setembro 2013

    . Agosto 2013

    . Julho 2013

    . Junho 2013

    . Maio 2013

    . Abril 2013

    . Março 2013

    . Fevereiro 2013

    . Janeiro 2013

    . Dezembro 2012

    . Novembro 2012

    . Outubro 2012

    . Setembro 2012

    . Agosto 2012

    . Julho 2012

    . Junho 2012

    . Maio 2012

    . Abril 2012

    . Março 2012

    . Fevereiro 2012

    . Janeiro 2012

    . Dezembro 2011

    . Novembro 2011

    . Outubro 2011

    . Setembro 2011

    . Agosto 2011

    . Julho 2011

    . Junho 2011

    . Maio 2011

    . Abril 2011

    . Março 2011

    . Fevereiro 2011

    . Janeiro 2011

    . Dezembro 2010

    . Novembro 2010

    . Outubro 2010

    . Setembro 2010

    . Agosto 2010

    . Julho 2010

    . Junho 2010

    . Maio 2010

    . Abril 2010

    . Março 2010

    . Fevereiro 2010

    . Janeiro 2010

    . Dezembro 2009

    . Novembro 2009

    . Outubro 2009

    . Setembro 2009

    . Agosto 2009

    . Julho 2009

    . Junho 2009

    . Abril 2009

    . Fevereiro 2009

    . Janeiro 2009

    . Dezembro 2008

    . Novembro 2008

    . Outubro 2008

    . Setembro 2008

    . Agosto 2008

    . Julho 2008

    . Junho 2008

    . Maio 2008

    . Abril 2008

    . Março 2008

    . Fevereiro 2008

    . Janeiro 2008

    . Dezembro 2007

    . Outubro 2007

    . Setembro 2007

    . Agosto 2007

    . Julho 2007

    . Maio 2007

    . Abril 2007

    . Março 2007

    . Fevereiro 2007

    . Janeiro 2007

    . Dezembro 2006

    . Novembro 2006

    . Outubro 2006

    blogs SAPO

    .subscrever feeds