Terça-feira, 31 de Julho de 2012

in Diário Digital

Quase  42% dos portugueses sem dinheiro para cuidados de saúde

Quase 42% (41,8%) dos portugueses admitem que o orçamento familiar já não é suficiente para pagar todas as despesas de saúde necessárias, revela um estudo sobre a saúde em Portugal hoje divulgado pelo Público.

No entanto, acima da preocupação com o preço das taxas moderadoras ou dos medicamentos está a qualidade dos cuidados prestados pelo Serviço Nacional de Saúde (SNS), revela o estudo.

As conclusões do relatório mostram que a maioria dos inquiridos (65,5%) ainda recorre ao SNS, seguindo-se os seguros privados (22,5%) e a ADSE (22,1%). No entanto, o grande peso da utilização dos serviços públicos não parece estar a ser suficiente para cobrir as despesas de saúde, com 35,8% dos inquiridos a admitir que, nos últimos seis meses, deixaram de comprar medicamentos prescritos pelo médico por motivos financeiros.

Aliás, no seio da OCDE, Portugal encontra-se já entre os países onde a despesa privada mais pesa na saúde e onde a despesa com medicamentos tem maior proporção.

À questão relativa às maiores preocupações em relação à saúde, numa escala de zero a 10, os inquiridos deram 8,72 pontos ao «receio de perde de qualidade no SNS»; 8,2 pontos ao preço dos medicamentos; 7,9 ao preço das taxas moderadoras e das consultas no sector privado e 4,83 ao faltar ao trabalho para ir a consultas. Quando confrontados com as áreas onde cortariam para poder manter o investimento na saúde, as obras públicas e a defesa foram os sectores escolhidos, por oposição à educação e à segurança social.

Já numa escala de zero a 20, no que diz respeito à confiança nos profissionais de saúde e instituições, os enfermeiros foram os que recolheram mais pontos (14,13), seguidos pelos farmacêuticos (13,76) e pelos médicos (13,57). Menos credibilidade têm os centros de saúde (10,61), os laboratórios farmacêuticos (10,54) e o sector social (9,64).

No campo dos medicamentos, 69,1% preferem os fármacos genéricos. Dos 30,9% que optam pelos medicamentos de marca, 62,5% dizem que é por terem maior confiança e 50,5% por terem expectativa de maior eficácia.

O estudo – feito pela Cegedim em parceria com a Netsonda – decorreu entre 2 e 10 de Maio de 2012 e recorreu ao painel online da Netsonda, constituído por mais de 100 mil participantes, registados voluntariamente desde o ano 2000.

A amostra para o estudo foi definida como indivíduos de ambos os sexos com 18 ou mais anos de idade, de todo o território nacional tendo sido realizadas 1051 entrevistas validadas, o que corresponde a uma margem de erro de 3% para um intervalo de confiança de 95%.

publicado por usmt às 14:15
link do post | favorito
|

in Rádio Hertz

MÉDIO TEJO - Tratamento da Diabetes no CHMT «ao melhor nível do que se faz no país»

O cordenador do Programa Nacional de Prevenção e Controlo da Diabetes, José Manuel Boavida, visitou o Hospital de Dia de Diabetes do CHMT, na Unidade de Tomar, no dia 24 de Julho. A reunião decorreu noAuditório do "Nossa Senhora da Graça", onde o especialista foi recebido pelo Diretor Clínico, pela Direção do Departamento da Área Médica e pela Diretora do Serviço de Medicina Interna e Cordenadora do Hospital de Dia de Diabetes, Cristina Gonçalves.

 

O cordenador do Programa Nacional de Prevenção e Controlo da Diabetes, José Manuel Boavida, visitou o Hospital de Dia de Diabetes do CHMT, na Unidade de Tomar, no dia 24 de Julho. A reunião decorreu noAuditório do "Nossa Senhora da Graça", onde o especialista foi recebido pelo Diretor Clínico, pela Direção do Departamento da Área Médica e pela Diretora do Serviço de Medicina Interna e Cordenadora do Hospital de Dia de Diabetes, Cristina Gonçalves. Estiveram presentes na reunião cerca de 30 profissionais (médicos, enfermeiros, dietista, assistente social), envolvidos no tratamento da pessoa com diabetes. José Manuel Boavida visitou demoradamente as instalações do Hospital de Dia de Diabetes, tomou conhecimento da actividade desenvolvida, afirmando que o Hospital de Dia «está ao nível do que melhor se faz no país», garantindo que, no que se refere à educação do doente que vem pela primeira vez à consulta e nos cuidados aos pés, «o trabalho desenvolvido em Tomar só tem paralelo em dois centros de referência» (APDP - Associação Protetora dos Diabéticos de Portugal e Hospital de S. João, respetivamente). Manifestou também o seu «apreço» pela iniciativa das médicas da Consulta de Tomar que asseguram, em regime de voluntariado, atendimento telefónico aos utentes da sua consulta, todos os dias, entre as 9h00 e as 19h00. Realçou ainda que «há aspectos do trabalho desenvolvido que são inovadores a nível mundial». Foi considerada «indispensável a existência duma estreita ligação dos cuidados hospitalares com os Cuidados Primários», havendo propostas concretas nesse domínio por parte do Conselho deAdministração doCHMTque irão ser postas em prática. Foi ainda decidida uma nova reunião com o cordenador do Programa Nacional de Prevenção e Controlo da Diabetes, José Manuel Boavida, no próximo mês de outubro.

 

2012-07-29 13:59:20

publicado por usmt às 14:09
link do post | favorito
|

in Rede Regional

Comunidade do Zêzere defende agrupamento em Constância      
 
 

< a href="http://sociallist.org/submit.php?type=1&lang=en&url=http%3A%2F%2Fwww.rederegional.com%2Findex.php%2Fhealth%2F2809.html&title=Comunidade+do+Z%C3%AAzere+defende+agrupamento+em+Const%C3%A2ncia" target="_blank" title="Bookmark this Website"><img src="http://sociallist.org//buttons/en160x24.gif" border="0" width="160" height="24" alt="Bookmark" /></

O conselho da comunidade do Agrupamento de Centros de Saúde (ACES) do Zêzere defende que, a avançar-se com a criação do ACES Médio Tejo (resultante da fusão entre este agrupamento e o vizinho Serra D’Aire), a sua sede deverá localizar-se em Constância.

Esta posição foi tomada na última reunião deste organismo, realizada na semana passada, e sustenta-se no facto deste concelho ter uma localização privilegiada em relação à área geográfica que será abrangida pelo futuro ACES Médio Tejo, e pelas acessibilidades rodoviárias de que dispõe, nomeadamente a A23 e a proximidade à A13.

Através de um comunicado, o conselho da comunidade diz ainda ser urgente a criação de uma Unidade de Saúde Local para fazer uma articulação eficaz entre os cuidados de saúde primários e o Centro Hospitalar Médio Tejo.

Esta teria que ser, segundo o mesmo documento, “uma estrutura funcional que permita articular todos os recursos e equipamentos existentes nos diferentes concelhos do Médio Tejo, quer ao nível dos cuidados de saúde primários quer dos cuidados hospitalares”

O conselho exige ainda que “seja dada uma resposta urgente ao projecto apresentado pelos municípios do Médio Tejo para a criação de Unidades Móveis de Saúde”, que já leva mais de um ano de atraso, e sem resposta por parte do governo.

Estas unidades “seriam uma preciosa ferramenta para diminuir os constrangimentos que se sentem” os concelhos desta área, onde a “falta de médicos e de outros profissionais tem determinado o encerramento de centros e extensões de saúde, existindo neste momento um número significativo de utentes com graves dificuldades no acesso aos cuidados primários de saúde”.

publicado por usmt às 14:03
link do post | favorito
|
Domingo, 29 de Julho de 2012

Concordamos!

...

publicado por usmt às 19:23
link do post | favorito
|
Sábado, 28 de Julho de 2012

Saiba onde pode dar sangue

A partir desta semana é mais fácil saber onde se processam as recolhas de sangue

 

 

http://darsangue.pt/é o novo site lançado esta semana pelo Instituto Português do Sangue que permite aos dadores saberem os locais e horários das recolhas de sangue em todo o país. Ficamos a saber quais os centros de recolha a funcionar e onde se encontram as brigadas móveis bem como os respetivos horários. Por exemplo no distrito de Santarém estão a funcionar os centros de recolha dos hospitais de Abrantes, Tomar e Torres Novas apenas durante a manhã. Uma brigada móvel do IPS está nesta terça-feira, dia 24, na Escola de Tropas Paraquedistas em Tancos, no concelho de Vila Nova da Barquinha.

http://darsangue.pt/

(in Templário)

publicado por usmt às 17:43
link do post | favorito
|
Sexta-feira, 27 de Julho de 2012

A crise económica e social está a potenciar os episódios de doença.

Saúde

27 Jul 2012,    00:26h (in Mirante)

 

Tem aparecido mais gente com sintomas depressivos nos hospitais do Médio Tejo

  

 

A falta de dinheiro cria ansiedade nas pessoas. O problema está quando a ansiedade começa a degenerar em coisas mais graves como a depressão ou a tentativa de suicídio. E isto já se está a sentir na área do Centro Hospitalar do Médio Tejo, que começa a registar enchentes no serviço de psiquiatria, como admite a responsável desta especialidade, Luísa Delgado. Na área do Hospital de Santarém não tem havido grandes oscilações, tirando o inexplicável aumento de tentativas de suicídio que passaram pela psiquiatria no primeiro trimestre de 2011 e que foram de 21, quando no mesmo período de 2010 eram oito e nos primeiros três meses deste ano estava nos sete casos.

 

Parece haver duas realidades. Uma a norte, outra a sul do distrito. No Médio Tejo a médica psiquiátrica Luísa Delgado diz que têm aparecido na psiquiatria do centro hospitalar mais pessoas com sintomas depressivos. O movimento no serviço de que é responsável permite fazer um diagnóstico. "Diz a experiência que as crises têm um grande impacto na saúde e na saúde mental em particular". E a prática mostra que o país e os serviços de saúde não foram preparados para responder a um aumento do número de casos que são atirados para os hospitais. A taxa de ocupação ao nível dos internamentos psiquiátricos no centro Hospitalar do Médio Tejo costumava estar nos 80 por cento. Mas nos últimos tempos tem estado quase sempre cheio, o que tem obrigado a uma grande ginástica para que existam camas disponíveis para quando é preciso. "Não somos um país preparado em termos sociais e de saúde comunitária para fazer face a situações" decorrentes da crise, refere Luísa Delgado, que defende que já devia de haver um plano nacional no sentido de os serviços de psiquiatria dos hospitais se reorganizarem para responderem ao agravamento das doenças atendendo por causa da degradação das condições sociais.

 

Para a directora da psiquiatria do Hospital de Santarém quando há uma situação de stress na vida das pessoas a depressão ou outros problemas que levam à necessidade de acompanhamento profissional não surgem de imediato. Paula Pinheiro refere que em situações de dificuldades as pessoas concentram-se na sua sobrevivência e em ultrapassar os problemas, mais do que pensar logo em suicídio, por exemplo. Numa fase inicial o que existe é uma "perturbação de adaptação", que tem uma sintomatologia de ansiedade. Só mais tarde é que pode surgir a depressão.

 

A explicação para que neste momento no Hospital de Santarém não exista uma alteração no volume de doentes acompanhados psiquiatricamente pode estar no facto de ainda se estar no início em termos do desenvolvimento de doenças do foro psíquico. Ou seja, está-se ainda na fase de perturbação de adaptação". Em Vila Franca de Xira os casos psiquiátricos são enviados para Lisboa, pelo que não há para já uma noção da evolução dos problemas psíquicos.

publicado por usmt às 14:35
link do post | favorito
|

Hospital de Tomar: está bem, mas e a urgência fecha? E quando voltam a medicina interna e a pediatria?

MÉDIO TEJO – CHMT promove sessões de terapia familiar a partir de setembro

Por iniciativa do Serviço Social do Centro Hospitalar do Médio Tejo e da assistente social Ana Teresa Santos, iniciam-se em Setembro, no Serviço de Psiquiatria, Sessões de Terapia Familiar.

 

Numa nota enviada para a redacção da Hertz, a administração do CHMT traça os objectivos desta iniciativa, ou seja, «trabalhar as problemáticas familiares de uma forma mais sistemática», sendo que se «conjugam duas dinâmicas complementares, protagonizadas por Luísa Delgado, Directora do Serviço de Psiquiatria, e Ana Teresa Santos. Nesse sentido, o Conselho de Administração do Centro Hospitalar considera ser «mais um passo de notória qualidade, resultante da reorganização iniciada em Janeiro de 2012». As Sessões de Terapia Familiar irão decorrer na Unidade de Tomar, junto ao Serviço de Psiquiatria, e terão como objectivo, no curto prazo, a satisfação das necessidades identificadas no próprio Serviço. Posteriormente, está nos projectos das responsáveis o alargamento dos destinatários desta importante Valência.

 

2012-07-27 13:10:04 (Rádio Hertz)

publicado por usmt às 14:32
link do post | favorito
|
Quinta-feira, 26 de Julho de 2012

in O Mirante

Encontrar delegados de saúde é quase como descobrir uma agulha num palheiro

 

Já faz parte da história o tempo em que existia um delegado de saúde em cada concelho. Hoje encontrar um médico de saúde pública no distrito de Santarém é quase como descobrir uma agulha num palheiro. Existem nove médicos a exercer a autoridade do Estado em matéria de saúde no distrito de Santarém. Mas em breve podem ser só oito, porque um já está em condições de se reformar. Com o aumento do trabalho, porque estes profissionais passaram a ser responsáveis pela verificação das situações de isenção de taxas moderadoras na saúde por motivos de doença, praticamente só há tempo para acompanhar as situações urgentes e de grande risco para as populações.

Em situação mais confortável estão dois concelhos do distrito de Lisboa que fazem fronteira com o de Santarém, com um total de cinco profissionais. Em Vila Franca de Xira existem quatro para uma população de 136 mil habitantes e em Azambuja um para 21 mil habitantes. Quase tantos como os que existem para aquele que é o terceiro maior distrito do país, o de Santarém com uma população de mais de 460 mil habitantes e uma área de 6 747 quilómetros quadrados. Há zonas como no agrupamento de centros de saúde da Lezíria (Alpiarça, Benavente, Coruche, Salvaterra de Magos, Chamusca e Almeirim) onde os dois profissionais ao serviço pouco mais podem fazer que controlar as águas de consumo público e as vacinações.

As juntas médicas para avaliação das incapacidades (deficiências) e para atribuição das isenções de taxas moderadoras na saúde estão atrasadíssimas. E muitas só se fazem com a ajuda de médicos vindos de Alcobaça ou Caldas da Rainha.

publicado por usmt às 19:02
link do post | favorito
|
Terça-feira, 24 de Julho de 2012

Os dados oficiais confirmam: em Junho os utentes pagaram mais 9,39% pelos medicamentos

VER AQUI

 

http://www.infarmed.pt/portal/page/portal/INFARMED/MONITORIZACAO_DO_MERCADO/OBSERVATORIO/ANALISE_MENSAL_MERCADO/MEDICAMENTOS_AMBULATORIO_2/2012/Rel-MAmbul-201206-Net.pdf

 

Análise do Mercado de Medicamentos, em Ambulatório – Junho 2012

 

publicado por usmt às 20:39
link do post | favorito
|

ONCOLOGIA: «o que se está passar nesta área é perverso e perigoso»

E depois de uma entrevista destas...





... segue-se o silêncio ?

O Público de hoje  inclui uma importante entrevista (sem link) com Vítor Veloso, Presidente do núcleo do Norte da Liga Portuguesa contra o Cancro cujo título no jornal, bem como o destaque inicial dado à sua afirmação de que «o que se está passar nesta área é perverso e perigoso», já fornece uma indicação precisa sobre o sentido geral das suas declarações.

Entre muitas outras, a entrevista inclui afirmações como a de que «a nível da acessibilidade há muitos problemas.As pessoas não têm dinheiro para pagar os transportes. Uma senhora contava-me que gastava todo o dinheiro que o Estado dá só no táxi da sua casa até ao transporte público que precisava  de apanhar até ao Porto. Isso é dramático. O governo  fixa a isenção na base do  mínimo mas, para as pessoas,  que têm rendimentos um pouco acima disso e que não estão isentas é muito difícil de aguentar. São muitas consultas e tratamentos.» Acrescenta também que «uma espera de um ano num serviço hospitalar de urologia para uma consulta,existindo já a suspeita de um diagnóstico de cancro na próstata não é aceitável».

Face a isto e muito mais que é dito na entrevista, por estranho que pareça, não fico à espera de esclarecimentos de burocratas instalados no Ministério da Saúde nem do contabilista-mor que detém a pasta. Acho sim que uma entrevista com este conteúdo por alguém que ocupa um lugar responsável na Liga Portuguesa contra o Cancro devia abrir um vivo debate público sobre esta matéria e que os oncologistas que prestam serviço no SNS, antes de chegar Agosto, nos viessem dar também o seu testemunho.

(in O Tempo das Cerejas 2)

publicado por usmt às 20:29
link do post | favorito
|

.USMT:Quer nos Conhecer?

  • O que somos
  • Oque fazemos
  • O que defendemos
  • .Vamos criar a Associação de Defesa dos Utentes da Saúde

  • Saber Mais
  • .Leia, Subscreva e Divulgue a Petição ao Senhor Ministro da Saúde Sobre as Novas Taxas Moderadoras Para Internamentos e Cirurgias

  • Petição Movimento de Utentes da Saúde
  • .USMT Mail:

    usaudemt@hotmail.com

    .Abaixo-Assinado

  • Queremos Médicos na Meia Via, Ribeira e Pedrógão
  • .pesquisar

     

    .Jornais Regionais On-Line

  • O Templário
  • Cidade de Tomar
  • O Mirante
  • O Ribatejo
  • Torrejano
  • Almonda
  • O Riachense
  • Entroncamento On-Line
  • Notícias de Fátima
  • .Organizações & Comições

  • MUSS
  • Movimento Utentes Saúde
  • OMS
  • .Posts Recentes

    . Sobre o CHMT

    . Intervir por uma sociedad...

    . Em Janeiro, em Abrantes

    . Comissão de Utentes reune...

    . Pela sua saúde!

    . 1 Dezembro, Dia Mundial c...

    . Sobre o INFARMED (opinião...

    . Sobre as urgências no Méd...

    . A nova Direcção Nacional ...

    . 13º. EN - Declaração "Pel...

    .Arquivos

    . Dezembro 2017

    . Novembro 2017

    . Outubro 2017

    . Setembro 2017

    . Agosto 2017

    . Julho 2017

    . Junho 2017

    . Maio 2017

    . Abril 2017

    . Março 2017

    . Fevereiro 2017

    . Janeiro 2017

    . Dezembro 2016

    . Novembro 2016

    . Outubro 2016

    . Setembro 2016

    . Agosto 2016

    . Julho 2016

    . Junho 2016

    . Maio 2016

    . Abril 2016

    . Março 2016

    . Fevereiro 2016

    . Janeiro 2016

    . Dezembro 2015

    . Novembro 2015

    . Outubro 2015

    . Setembro 2015

    . Agosto 2015

    . Julho 2015

    . Junho 2015

    . Maio 2015

    . Abril 2015

    . Março 2015

    . Fevereiro 2015

    . Janeiro 2015

    . Dezembro 2014

    . Novembro 2014

    . Outubro 2014

    . Setembro 2014

    . Agosto 2014

    . Julho 2014

    . Junho 2014

    . Maio 2014

    . Abril 2014

    . Março 2014

    . Fevereiro 2014

    . Janeiro 2014

    . Dezembro 2013

    . Novembro 2013

    . Outubro 2013

    . Setembro 2013

    . Agosto 2013

    . Julho 2013

    . Junho 2013

    . Maio 2013

    . Abril 2013

    . Março 2013

    . Fevereiro 2013

    . Janeiro 2013

    . Dezembro 2012

    . Novembro 2012

    . Outubro 2012

    . Setembro 2012

    . Agosto 2012

    . Julho 2012

    . Junho 2012

    . Maio 2012

    . Abril 2012

    . Março 2012

    . Fevereiro 2012

    . Janeiro 2012

    . Dezembro 2011

    . Novembro 2011

    . Outubro 2011

    . Setembro 2011

    . Agosto 2011

    . Julho 2011

    . Junho 2011

    . Maio 2011

    . Abril 2011

    . Março 2011

    . Fevereiro 2011

    . Janeiro 2011

    . Dezembro 2010

    . Novembro 2010

    . Outubro 2010

    . Setembro 2010

    . Agosto 2010

    . Julho 2010

    . Junho 2010

    . Maio 2010

    . Abril 2010

    . Março 2010

    . Fevereiro 2010

    . Janeiro 2010

    . Dezembro 2009

    . Novembro 2009

    . Outubro 2009

    . Setembro 2009

    . Agosto 2009

    . Julho 2009

    . Junho 2009

    . Abril 2009

    . Fevereiro 2009

    . Janeiro 2009

    . Dezembro 2008

    . Novembro 2008

    . Outubro 2008

    . Setembro 2008

    . Agosto 2008

    . Julho 2008

    . Junho 2008

    . Maio 2008

    . Abril 2008

    . Março 2008

    . Fevereiro 2008

    . Janeiro 2008

    . Dezembro 2007

    . Outubro 2007

    . Setembro 2007

    . Agosto 2007

    . Julho 2007

    . Maio 2007

    . Abril 2007

    . Março 2007

    . Fevereiro 2007

    . Janeiro 2007

    . Dezembro 2006

    . Novembro 2006

    . Outubro 2006

    blogs SAPO

    .subscrever feeds