Sábado, 29 de Março de 2014

Secretários dizem "sim"; Ministro diz "não"

TOMAR - Anabela Freitas e Bruno Graça dão boas notícias em relação ao hospital: Governo está a estudar regresso da medicina interna

                       

O Ministério da Saúde revelou abertura para estudar um regresso da medicina interna ao Hospital de Tomar, elevando, ainda, em termos qualitativos, a resposta que é dada pela actual urgência básica. Foram estes os principais e animadores resultados na reunião que Anabela Freitas e Bruno Graça, respectivamente presidente e vereador com o pelouro da saúde, tiveram com o secretário de Estado-adjunto e também com o secretário de Estado do Ministro Paulo Macedo, encontro que decorreu na manhã desta sexta-feira.

Como era do conhecimento público, em cima da mesa estiveram preocupações com os cuidados de saúde primários, paliativos e hospitalares. E, na verdade, pode dizer-se, os responsáveis da autarquia nabantina levaram a lição bem estudada, de tal forma que viram os governantes conceder-lhes razão em alguns dos pontos fulcrais do encontro. Anabela Freitas, numa interpretação que considerou ser pessoal, disse que o Governo poderá admitir que a reestruturação não proporcionou os resultados obtidos: «Pedimos para que fosse feito um estudo dois anos depois da reestruturação que foi levada a cabo e se a mesma tinha correspondido às expectativas. Reiterámos que deveria existir a medicina interna e a urgência nas três unidades hospitalares como forma de sustentabilidade do próprio Centro e fomos agradavelmente surpreendidos pelo facto de o Ministério estar a estudar esta questão. Esta é uma interpretação da nossa parte: aquilo que estavam à espera que acontecesse com a reestruturação não aconteceu. Quanto à urgência, não temos a ideia que será a médico-cirúrgica mas, se calhar, uma figura intermédia. Estão a estudar, também, esta forma». A presidente da Câmara Municipal disse que os secretários de Estado mostraram-se surpreendidos pelo facto de o Hospital de Tomar ter uma unidade de cuidados paliativos que está desequipada e sublinhou quais as metas a concretizar para esta valência: «Estão a estudar uma nova forma de reestruturar os cuidados paliativos de forma a que estes sejam prestados onde estiver o doente, seja em causa ou numa instituição. Não demonstraram ter conhecimento de que aqui tínhamos uma unidade equipada que tinha sido desactivada, sendo substituída por quatro camas de urologia. Ficaram surpreendidos com esta questão». Questionados sobre se estas indicações de regresso das valências poderiam ser promessas de circunstância, tanto Anabela Freitas como Bruno Graça disseram que sentiram da parte dos governantes uma vontade e compreensão de melhorar os cuidados prestados à população: «A ideia com que ficámos é que os secretários de Estado sabiam dos problemas que existiam. Não mostraram grandes conhecimentos nos cuidados paliativos mas, no restante, pareceu-me que iriam dar resposta às diversas questões já sublinhadas e até à situação relativa à fisioterapia».

 

Retirado da página do facebook de

Antonio Mateus Dias 

19/3 às 20:52 

Oitenta por cento dos utilizadores do Serviço Nacional de Saúde (SNS) estão isentos do pagamento de taxas moderadoras, calcula o ministro Paulo Macedo. São cerca de sete milhões os cidadãos que utilizam o SNS e actualmente há 5,5 milhões isentos de taxas, explicou nesta quarta-feira o ministro da Saúde, no Porto, durante um almoço-debate em que traçou um quadro positivo da evolução deste sector que “se tem mostrado resiliente”, apesar da crise económico-financeira.

“Não há disparate maior do que dizer que na Saúde houve cortes cegos”, sustentou Paulo Macedo, contestando as críticas que lhe têm sido feitas, durante a sua intervenção sobre O Futuro do Sistema de Saúde Português, uma iniciativa organizada pelo International Club of Portugal e patrocinada pela consultora Delloite.

Lembrando que “cortar na despesa pública não é necessariamente mau”, deu o exemplo das “rendas excessivas”, nomeadamente no sector do medicamento, que têm vindo a diminuir de forma acentuada. Em resultado disso, notou, actualmente “o preço da saúde está mais baixo para as pessoas com menos recursos”.

Paulo Macedo voltou a afirmar que acredita no futuro do SNS, desde que se continue a fazer “reformas ambiciosas”. Citou, a propósito, o responsável pelo Serviço Nacional de Saúde inglês (NHS), David Nicholson, que recentemente afirmou que o NHS é “insustentável” e que “só passará a ser sustentável” se forem feitas reformas, incluindo “concentração de serviços”.

Se é isso que se pretende fazer em Portugal, porque não avançou então ainda na reforma da rede hospitalar, perguntaram-lhe à saída os jornalistas. Os hospitais vão entregar “um plano estratégico” e em breve haverá legislação, disse Macedo, que não deixou de acentuar que já foram dados vários passos neste sentido. Além dos cuidados psiquiátricos, há "uma intenção clara relativamente às maternidades” e foram criados novos centros hospitalares e unidades locais de saúde que hoje têm “outra massa crítica”, sintetizou.

Questionado sobre a recente polémica em torno do despacho que visa aumentar o número de colonoscopias (exames que permitem diagnosticar o cancro colo-rectal) – a Ordem dos Médicos e a Associação de Luta contra o Cancro do Intestino consideram que a forma de sedação proposta é inadequada e defendem que devem ser os anestesistas e não os gastrenterologistas a assegurá-la –, desvalorizou a questão. "Este é um despacho adicional e foi pedido à Direcção-Geral da Saúde que emita orientações sobre “a forma de melhorar a maneira de adicionalmente financiarmos esse tipo de exames”, explicou. Macedo acrescentou que vários hospitais públicos da região de Lisboa, onde as listas de espera são preocupantes, já disseram ter capacidade de resposta para assegurar produção adicional ,de forma a resolver "casos pendentes”.

À entrada do hotel, o ministro foi recebido por cerca de 30 pessoas que gritavam “assassino”, pediam a realização de eleições e empunhavam cartazes que diziam “Governo rua”, segundo descreveu a agência Lusa. Álvaro Agostinho, do Sindicato da Função Pública do Norte e trabalhador do Centro Hospitalar de Gaia/Espinho, esclareceu que estava a manifestar-se “por causa dos direitos e da falta de saúde que os portugueses têm actualmente”. “Peço ao senhor ministro que deixe as pessoas trabalhar com qualidade (…) nos serviços de saúde”, reclamou.

publicado por usmt às 18:49
link do post | favorito
|
Sexta-feira, 28 de Março de 2014

A CUSMT estará presente!

Dia 5 de Abril, em SANTARÉM

publicado por usmt às 12:03
link do post | favorito
|
Quinta-feira, 27 de Março de 2014

No Dia Nacional do dador de Sangue

CHUC apela à dádiva no Dia Nacional do Sangue

08 doacao sangue

O apelo à dádiva marca o Dia Nacional do Dador de Sangue assinalado hoje pelo Serviço de Sangue e de Medicina Transfusional (SSMT) do CHUC.

E porque não há sangue sem dadores, o dia de hoje vai ser dedicado a todos os que marcarem presença no serviço do CHUC para darem sangue. Uma ação que envolve, também, os estudantes da ESEC, na campanha colheita de sangue móvel.

 

...........................

 

Há quem queira dar sangue e não possa por passar fome

«Situação está a fazer baixar o número de dádivas», alerta o presidente da Federação das Associações de Dadores de Sangue

Por:                                                                                                  tvi24                                                                                                                                                                                       / MM                                                            |   2014-03-27 15:42                        
                            

O presidente da Federação das Associações de Dadores de Sangue (FAS) denunciou, esta quinta-feira,  que «há gente com fome que quer mas não consegue dar sangue, porque tem as hemoglobinas em baixo, por não comer o que devia».
O alerta foi dado por Joaquim Moreira Alves, durante a cerimónia que assinala o Dia Nacional do Dador de Sangue, que juntou dezenas de dadores no Parque da Saúde, em Lisboa.
Na sua intervenção, Joaquim Moreira Alves, presidente da FAS, revelou-se preocupado com as consequências da fome na saúde de alguns dadores que, ao serem confrontados durante o exame médico com os níveis baixos de hemoglobina, não podem doar sangue.
«Esta situação está a fazer baixar o número de dádivas», disse.
O presidente do Instituto Português do Sangue e da Transplantação (IPST), Helder Trindade, disse não ter conhecimento de casos de dadores com fome nas brigadas de recolha de sangue. «É natural que a situação social que se vive, e não estou a falar de fome, faça parte das razões que levam os dadores a não fazer mais dádivas», declarou.
Helder Trindade afirmou que o IPST tem vindo a observar uma hemoglobina baixa em dadores, sobretudo em mulheres, mas escusou-se a relacioná-la com a fome.
Confrontado com a denúncia do presidente da FAS, o secretário de Estado e Adjunto da Saúde disse não ter a certeza de que exista uma perda de dadores assim tão grande, devido a anemias carenciais.
«O importante é que as pessoas a quem é identificada esta situação sejam encaminhadas para os serviços médicos para que se descubram os problemas que causam a baixa hemoglobina», disse Fernando Leal da Costa, que também participou na cerimónia do Dia Nacional do Dador de Sangue.
O presidente da Federação Portuguesa de Dadores Benévolos de Sangue (FEPODABES), Alberto Mota, ressalvou que, apesar das «grandes dificuldades que muitos dadores atravessam, estes continuam a fazer as suas dádivas». «Os dadores de sangue deviam ter mais direitos», afirmou, defendendo medidas para os mais novos serem atraídos para a dádiva.
Este é, aliás, o tema da próxima campanha do IPST: «A primeira vez é sempre memorável».
Trata-se de um apelo às camadas mais jovens, através de mensagens que visam cativar estas faixas etárias para o importante que é dar sangue e como é inesquecível a primeira vez que um dador o faz.
«Impossível não querer repetir» é outra das mensagens que faz parte da campanha que em breve estará nas televisões, rádios, Internet e imprensa.
De acordo com o presidente do IPSS, nos primeiros dois meses deste ano registou-se uma descida de 11 por cento dos dadores, em relação ao período homólogo de 2013, e uma diminuição de nove por cento nas colheitas.
O secretário de Estado e Adjunto da Saúde anunciou ainda que, dentro de uma ou duas semanas, estará pronto o seguro para os dadores de sangue, uma reclamação dos dadores com mais de vinte anos.
Este seguro pretende garantir ao dador de sangue, ou candidato a dador, o direito a ser indemnizado pelos danos resultantes da dádiva de sangue ou de acidentes que eventualmente sofram no trajeto de ida e regresso para o local de colheita.

publicado por usmt às 17:43
link do post | favorito
|

Mais cortes no financiamento dos cuidados de saúde.

Cómico se não fosse trágico      

1. Mais cortes a eito. Novos cortes na Saúde serão conhecidos até ao final do mês de Abril, com a apresentação do Documento de Estratégia Orçamental (DEO).
O ministro da Saúde ainda não sabe quanto lhe vai tocar no esforço de redução de despesa pública no próximo ano, mas, à semelhança do que aconteceu nos anos anteriores, voltou a defender uma diferenciação positiva do sector da saúde. link
2. Afinal o problema em Portugal não é a falta de medicamentos, mas o consumo excessivo dos mesmos. O alerta foi deixado esta manhã, no Parlamento, pelo ministro da Saúde, Paulo Macedo, em resposta às críticas da oposição. link
......
Mais parecem excertos do "Inimigo Público
publicado por usmt às 17:37
link do post | favorito
|
Sexta-feira, 14 de Março de 2014

in SAÚDE SA

Utentes sem médico de família      

Aumentou 24% desde 2006
Revelação é feita por auditoria do Tribunal de Contas.
O número de utentes sem médico de família aumentou 24 por cento desde 2006, altura em que começaram a surgir as Unidades de Saúde Familiar (USF), revela uma auditoria do Tribunal de Contas (TC).
"O grande objetivo da reforma [dos cuidados de saúde primários], que era o de atribuir um médico de família a cada utente inscrito numa unidade funcional, não foi ainda atingido", lê-se no relatório de uma auditoria do TdC ao desempenho das unidades funcionais da rede de cuidados de saúde primários, a que a Lusa teve acesso. Segundo o TC, o número de utentes inscritos sem médico de família atingiu, em dezembro de 2012, os 1.657.526. link
Sobre esta notícia o TC, cautelosamente,  fez o seguinte esclarecimento no seu site: link
Tendo em conta informações vindas a público sobre um relatório de auditoria às Unidades de Saúde Familiar o Tribunal de Contas esclarece que:
 1º Não existe qualquer relatório de auditoria aprovado pelo Tribunal de Contas sobre essa matéria.
 2º Os relatórios de auditoria do TC são aprovados por um colégio de juízes, tendo em conta o principio do contraditório das partes interessadas.
 3º O documento a que se alude na Comunicação Social é um relato dos auditores, cuja redação final terá que ter, sempre, em conta as alegações das partes interessadas e por isso se alerta para o facto de as conclusões poderem vir a ser diversas das agora anunciadas pela comunicação social. 7 de março de 2014.
....
Paulo Macedo vai ter tempo para alinhavar as desculpas do costume sobre mais este objectivo falhado.
publicado por usmt às 17:05
link do post | favorito
|
Terça-feira, 11 de Março de 2014

Documento das Conferências de Imprensa de 11.3.2014

CONFERÊNCIAS DE IMPRENSA

11 de MARÇO de 2014 (terça), 18,30 horas

ABRANTES, TOMAR e TORRES NOVAS

 

 

PELA NOSSA SAÚDE, RESPEITEM AS POPULAÇÕES

DO MÉDIO TEJO

E A SUA DIGNIDADE!

 

 

A vida provou que as sucessivas “reorganizações” do Centro Hospitalar do Médio Tejo e do ACES Médio Tejo (antes “Zêzere” e “Aire”), nos últimos dois anos trouxeram mais sofrimento e ansiedade a cada vez mais pessoas na Região. Piorou o acesso aos cuidados de saúde, a concentração de serviços não correspondeu a mais qualidade, as distâncias que doentes e familiares têm de percorrer implicam mais sofrimento físico e mais despesas.

 

Manifestamos a nossa preocupação com os cuidados de saúde prestados na região, reclamando por novas medidas e melhores respostas aos utentes. São necessários cuidados de saúde mais próximos e de mais qualidade no Médio Tejo. Em termos gerais, precisamos de: URGÊNCIA, MEDICINA INTERNA, PEDIATRIA e AMBULATÓRIO nos três hospitais (Abrantes, Tomar e T. Novas); MAIS MÉDICOS NOS CENTROS DE SAÚDE; MANTER A MATERNIDADE NO MÉDIO TEJO; FARMÁCIAS NOS MEIOS RURAIS; ARTICULAÇÃO ENTRE OS DIVERSOS NÍVEIS DE PRESTAÇÃO DE CUIDADOS; e, CUIDADOS DE SAÚDE DE PROXIMIDADE E QUALIDADE!

 

++++++++++++++++++++++++++++++++++++++

 

Nas nossas preocupações e nas nossas propostas estamos acompanhados por cada vez mais cidadãos, autarcas e responsáveis das unidades de saúde. Mas enquanto há unanimidade nas preocupações, já na atribuição das responsabilidades pela situação e na forma de resolver os problemas há divergências e silêncio por parte de alguns. Para a CUSMT continua a ser válida a proposta de organização dos cuidados de saúde nos princípios do SNS – Serviço Nacional de Saúde -, geral, universal, público, eficiente, eficaz e tendencialmente gratuito.

 

Estamos preocupados com os tempos de espera no serviço de urgências do CHMT, fruto da má organização (concentração) das urgências e da descoordenação com os cuidados primários, que nuns locais encerraram os serviços e noutros não têm horários compatíveis com a actividade da população. A maior parte dos centros de saúde não tem médicos em número suficiente para dar resposta aos utentes em termos de cuidados de saúde de proximidade. As urgências básicas de Torres Novas e Tomar não respondem às necessidades dos utentes e o seu envio para a urgência de Abrantes, não raras vezes, agrava as suas condições clínicas e as logísticas de uma unidade hospitalar que vê a procura aumentar também pela falta de muitos médicos de família (p.e. nos Concelhos de Abrantes e Sardoal).

 

 

Os sucessivos relatos das dificuldades de internamento (perderam-se mais de 20% das camas), ganham aspectos dramáticos com as distâncias e custos a suportar (combustíveis, portagens, ausência de transportes públicos) por familiares e utentes que são encaminhados para um serviço a dezenas de quilómetros e que, na falta de capacidade de internamento, é dada alta a meio da noite. A porta de entrada no CHMT, não é a porta de saída. Acresce a esta situação a “pressão” para antecipar as “altas”, quer em situações terminais quer em utentes a precisar de cuidados continuados.

 

 

O encerramento do internamento em Medicina Interna e ausência de Pediatria, na unidade hospitalar de Tomar veio afectar, para além da população local, também a dos concelhos de Ourém, Ferreira do Zêzere e Alvaiázere. A transferência de Torres Novas para Abrantes do internamento em Medicina Interna, afecta as populações dos Concelhos de Alcanena e Entroncamento. Em Abrantes, com a dramática falta de médicos de família (que se estende ao Concelho do Sardoal), a concentração de alguns serviços e a transferência de outros baixou a qualidade e aumentou os tempos de espera.

 

A maternidade do CHMT, instalada em Abrantes, deve ser defendida a todo o custo. Apesar do decréscimo do número de partos, a sua importância social e regional é razão para que se lute pela sua valorização. Já em Novembro de 2011, na primeira reunião com o actual Conselho de Administração do CHMT levantamos duas questões prementes para a prestação de cuidados de saúde no Médio Tejo, a articulação entre cuidados de saúde (hospitalares, primários e continuados) e a necessidade de dinamizar a procura dos serviços de maternidade no hospital de Abrantes. Ao que consta pouco ou nada foi feito nestas áreas. Os maus resultados alcançados provam que as nossas propostas foram e são oportunas.

 

Estamos preocupados com os testemunhos de permanência de longas listas de espera para cirurgias e consultas. Estamos preocupados com as políticas de destruição do SNS, promovidas pelo Governo e seguidas localmente pelos gestores das unidades de saúde, que constituem um entrave a actos de gestão corrente de importância vital para os doentes, como sejam a aquisição de medicamentos, a contratação de meios complementares de diagnóstico ou mesmo a gestão de stock’s de material hospitalar.

 

+++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++

 

Quando se pretende ganhos em saúde, tem de se investir em saúde pública e nos cuidados primários. E, infelizmente, é principalmente neste patamar que há as maiores carências em termos de médicos, enfermeiros e outros profissionais.

 

Algumas questões de saúde pública são deveras preocupantes, como os rácios de suicídios, do recrudescimento da toxicodependência, má nutrição em algumas faixas da população, a existência de amianto em ambiente escolar (e hospitalar?) … O encerramento de Extensões de Saúde, a “perspectiva” real de mais encerrarem (nem as prometidas Unidades Móveis de Saúde existem), a dificuldade no transporte de doentes (mesmo em alguns casos de urgência), agravam as dúvidas dos utentes perante os Serviços de Saúde.

 

Ao não contratar enfermeiros (necessário concretizar o “enfermeiro de família”), ao não dar condições a médicos reformados para continuar a trabalhar nos Centros de Saúde, ao não despachar os requerimentos dos médicos que querem passar às 40 horas, ao colocar obstáculos às autarquias que oferecem incentivos à instalação de médicos, ao impor restrições orçamentais (que afectam p.e. os MCDT), o Ministério da Saúde está objectivamente a contribuir para o sofrimento das populações e a “abrir portas” aos grupos privados na saúde.  

 

+++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++

 

Estar doente e precisar de cuidados de saúde, já é fonte suficiente de sofrimento. Infelizmente esse sofrimento é agravado pela ausência de serviços de saúde em muitos locais ou pela sua transferência para bem longe (p.e. as farmácias que saem das aldeias para os meios urbanos), como se as famílias não estivessem já a ser castigadas com a redução de salários, de pensões e outras prestações sociais. 

 

Os portugueses produzem suficiente riqueza e as tecnologias da saúde avançaram tanto, que não se compreende que por falta de financiamento e má organização se ponha em causa a dignidade e, em alguns casos, a vida dos cidadãos.

 

Estamos certos de que as nossas propostas para além de serem viáveis e sustentáveis são as que respondem às necessidades das populações em matéria de cuidados de saúde. De uma forma persistente e quotidiana procuramos que as entidades responsáveis concretizem as nossas propostas. Para lhes dar legitimidade e sentido de reivindicação humana, social e política, vamos lançar um

 

ABAIXO ASSINADO como forma de as populações poderem expressar de forma clara e objectiva o apoio às propostas apresentadas. De hoje a 23 de Abril, por muitas localidades e em centenas de locais irão ser recolhidas dezenas de milhares de assinaturas.

 

E promover uma

 

VIGILIA/CONCENTRAÇÃO de Comissões de Utentes da Saúde, no dia 11 de Abril, entre as 19,30 horas e as 22,30 horas, para fazer o balanço da iniciativa de recolha de assinaturas e dar conta dos problemas e avanços na prestação de cuidados de saúde no Médio Tejo.

 

Consideramos a saúde o bem mais importante do ser humano, por isso não desistiremos de ter na nossa região cuidados de saúde de proximidade e qualidade!

 

 

 

                                                                                  A Comissão de Utentes da Saúde do Médio Tejo

 

 

Médio Tejo, 11.3.2014

publicado por usmt às 21:01
link do post | favorito
|
Domingo, 9 de Março de 2014

Sobre o transporte entre os hospitais do CHMT

Extinção de carreiras de autocarros entre os hospitais do Médio Tejo preocupa PCP

O deputado da CDU pelo distrito de Santarém questionou hoje a Presidente da Assembleia da República a propósito da eventual extinção de carreiras de autocarros entre os hospitais do Centro Hospitalar do Médio Tejo (Abrantes, Tomar e Torres Novas).

Na missiva dirigida a Assunção Esteves, a que a agência Lusa teve acesso, o deputado António Filipe referiu que a "reorganização do Centro Hospitalar do Médio Tejo implicou graves prejuízos para as populações", nomeadamente com a concentração de serviços, tendo lembrado que "para minorar estes graves inconvenientes foram criadas carreiras de autocarros", ligando os hospitais que integram o Centro Hospitalar.

"A reorganização e concentração de serviços, como aconteceu com a urgência médico-cirúrgica em Abrantes e o consequente encerramento de valências, levou a que os utentes tenham de se deslocar entre os hospitais de Torres Novas, Abrantes e Tomar para serem atendidos, com os incómodos, as despesas e os eventuais danos para a saúde daí decorrentes", apontou o deputado comunista.

António Filipe observa que, "para minorar estes graves inconvenientes, foram criadas carreiras de autocarros ligando os hospitais que integram o Centro Hospitalar", mas que "o que sucede, porém, é que estão anúncios afixados nos autocarros dando conta da sua extinção no final do mês de março".

"A extinção destas carreiras, a confirmar-se, será mais um golpe nos direitos das populações e o acesso aos serviços hospitalares ficará ainda mais dificultado, com as consequências daí decorrentes", advoga.

Na missiva, António Filipe pergunta ao Governo, através do Ministério da Saúde e da Secretaria de Estado das Infraestruturas, Transportes e Comunicações, "se têm conhecimento do propósito de extinguir as carreiras de autocarros que fazem a ligação entre os hospitais do Centro Hospitalar do Médio Tejo e que medidas tenciona tomar para evitar que esse grave atentado aos direitos das populações seja concretizado".

(in DiárioDigital)

publicado por usmt às 16:14
link do post | favorito
|
Sábado, 8 de Março de 2014

8 de Março

Comemora-se hoje!

publicado por usmt às 09:12
link do post | favorito
|
Terça-feira, 4 de Março de 2014

A 11 de Março

COMISSÃO DE UTENTES DA SAÚDE do MÉDIO TEJO

 

Avenida 8 de Julho, lote 4 r/c  -  2350-724 TORRES NOVAS

Tel/Fax: 249 822 883  Email: usaudemt@gmail.com   Blog: http://usmt.blogs.sapo.pt

Face: https://www.facebook.com/cusmt.mediotejo

_______________________________________________________________________________________

Membro do MUSP (Movimento de Utentes dos Serviços Públicos)

_______________________________________________________________________________________

 

CONFERÊNCIAS DE IMPRENSA

11 de MARÇO de 2014 (terça), 18,30 horas

 

FRENTE AOS HOSPITAIS DO CHMT

DE

ABRANTES, TOMAR e TORRES NOVAS

 

 

PELA NOSSA SAÚDE, RESPEITEM AS POPULAÇÕES DO MÉDIO TEJO

E A SUA DIGNIDADE!

 

 

A vida provou que as sucessivas “reorganizações” do Centro Hospitalar do Médio Tejo e do ACES Médio Tejo (antes “Zêzere” e “Aire”), nos últimos dois anos trouxeram mais sofrimento e ansiedade a cada vez mais pessoas na Região. Piorou o acesso aos cuidados de saúde, a concentração de serviços não correspondeu a mais qualidade, as distâncias que doentes e familiares têm de percorrer implicam mais sofrimento físico e mais despesas.

 

Estamos todos preocupados com os tempos de espera no serviço de urgências do CHMT, fruto da má organização das urgências e da descoordenação com os cuidados primários, que nuns locais encerraram os serviços e noutros não têm horários compatíveis com a actividade da população. A maior parte dos centros de saúde não tem médicos em número suficiente para dar resposta aos utentes em termos de cuidados de saúde de proximidade.

 

Estamos preocupados com os sucessivos relatos das dificuldades para chegar a cuidados de saúde, das distâncias e custos a suportar por quem é encaminhado para um serviço a dezenas de quilómetros e que, na falta de capacidade de internamento, é dada alta a meio da noite.

 

Estamos preocupados com os testemunhos de permanência de longas listas de espera para cirurgias e consultas. Estamos preocupados com as políticas de destruição do SNS, promovidas pelo Governo e seguidas localmente pelos gestores das unidades de saúde, que constituem um entrave a actos de gestão corrente de importância vital para os doentes, como sejam a aquisição de medicamentos, a contratação de meios complementares de diagnóstico ou mesmo a gestão de stock’s de material hospitalar.

 

A CUSMT convoca Conferências de Imprensa para o dia 11 de Março, às 18,30 horas, frente aos três hospitais do CHMT, (Abrantes, Tomar e Torres Novas) para denunciar o que está mal e propôr soluções concretas que respeitem as necessidades das populações em cuidados de saúde. Serão tornadas públicas iniciativas de apoio às propostas apresentadas que envolverão dezenas de milhares de cidadãos. dar a conhecer, em concreto, as acções a desenvolver pelas estruturas de utentes, outras organizações sociais e políticas e pela população.

 

 

                                                                                  A Comissão de Utentes da Saúde do Médio Tejo

 

 

Médio Tejo, 3.3.2014

publicado por usmt às 20:27
link do post | favorito
|

.USMT:Quer nos Conhecer?

  • O que somos
  • Oque fazemos
  • O que defendemos
  • .Vamos criar a Associação de Defesa dos Utentes da Saúde

  • Saber Mais
  • .Leia, Subscreva e Divulgue a Petição ao Senhor Ministro da Saúde Sobre as Novas Taxas Moderadoras Para Internamentos e Cirurgias

  • Petição Movimento de Utentes da Saúde
  • .USMT Mail:

    usaudemt@hotmail.com

    .Abaixo-Assinado

  • Queremos Médicos na Meia Via, Ribeira e Pedrógão
  • .pesquisar

     

    .Jornais Regionais On-Line

  • O Templário
  • Cidade de Tomar
  • O Mirante
  • O Ribatejo
  • Torrejano
  • Almonda
  • O Riachense
  • Entroncamento On-Line
  • Notícias de Fátima
  • .Organizações & Comições

  • MUSS
  • Movimento Utentes Saúde
  • OMS
  • .Posts Recentes

    . Sobre as farmácias de ser...

    . CUSMT: balanço reunião co...

    . MÉDIO TEJO: Melhorar as u...

    . Com o calor todos os cuid...

    . Hospital privado é acusad...

    . Concretizar a colocação d...

    . Opinião

    . 27 de Julho, reunião da C...

    . MÉDIO TEJO: Secretariado ...

    . MÉDIO TEJO: balanço da re...

    .Arquivos

    . Agosto 2017

    . Julho 2017

    . Junho 2017

    . Maio 2017

    . Abril 2017

    . Março 2017

    . Fevereiro 2017

    . Janeiro 2017

    . Dezembro 2016

    . Novembro 2016

    . Outubro 2016

    . Setembro 2016

    . Agosto 2016

    . Julho 2016

    . Junho 2016

    . Maio 2016

    . Abril 2016

    . Março 2016

    . Fevereiro 2016

    . Janeiro 2016

    . Dezembro 2015

    . Novembro 2015

    . Outubro 2015

    . Setembro 2015

    . Agosto 2015

    . Julho 2015

    . Junho 2015

    . Maio 2015

    . Abril 2015

    . Março 2015

    . Fevereiro 2015

    . Janeiro 2015

    . Dezembro 2014

    . Novembro 2014

    . Outubro 2014

    . Setembro 2014

    . Agosto 2014

    . Julho 2014

    . Junho 2014

    . Maio 2014

    . Abril 2014

    . Março 2014

    . Fevereiro 2014

    . Janeiro 2014

    . Dezembro 2013

    . Novembro 2013

    . Outubro 2013

    . Setembro 2013

    . Agosto 2013

    . Julho 2013

    . Junho 2013

    . Maio 2013

    . Abril 2013

    . Março 2013

    . Fevereiro 2013

    . Janeiro 2013

    . Dezembro 2012

    . Novembro 2012

    . Outubro 2012

    . Setembro 2012

    . Agosto 2012

    . Julho 2012

    . Junho 2012

    . Maio 2012

    . Abril 2012

    . Março 2012

    . Fevereiro 2012

    . Janeiro 2012

    . Dezembro 2011

    . Novembro 2011

    . Outubro 2011

    . Setembro 2011

    . Agosto 2011

    . Julho 2011

    . Junho 2011

    . Maio 2011

    . Abril 2011

    . Março 2011

    . Fevereiro 2011

    . Janeiro 2011

    . Dezembro 2010

    . Novembro 2010

    . Outubro 2010

    . Setembro 2010

    . Agosto 2010

    . Julho 2010

    . Junho 2010

    . Maio 2010

    . Abril 2010

    . Março 2010

    . Fevereiro 2010

    . Janeiro 2010

    . Dezembro 2009

    . Novembro 2009

    . Outubro 2009

    . Setembro 2009

    . Agosto 2009

    . Julho 2009

    . Junho 2009

    . Abril 2009

    . Fevereiro 2009

    . Janeiro 2009

    . Dezembro 2008

    . Novembro 2008

    . Outubro 2008

    . Setembro 2008

    . Agosto 2008

    . Julho 2008

    . Junho 2008

    . Maio 2008

    . Abril 2008

    . Março 2008

    . Fevereiro 2008

    . Janeiro 2008

    . Dezembro 2007

    . Outubro 2007

    . Setembro 2007

    . Agosto 2007

    . Julho 2007

    . Maio 2007

    . Abril 2007

    . Março 2007

    . Fevereiro 2007

    . Janeiro 2007

    . Dezembro 2006

    . Novembro 2006

    . Outubro 2006

    blogs SAPO

    .subscrever feeds