Domingo, 25 de Janeiro de 2015

À atenção do MS, do Governo e da sua maioria parlamentar

urg tn.jpg

 

publicado por usmt às 11:55
link do post | favorito
|
Sábado, 24 de Janeiro de 2015

Vamos recolher milhares de assinaturas??!!!

aa capa abrantes.jpg

aa capa tomar.jpg

aa capa tn.jpg

 

publicado por usmt às 18:34
link do post | favorito
|

Convites

A CUSMT vai reunir com a Comissão Política do PSD de Torres Novas, a pedido desta estrutura partidária local, em data a anunciar, para debater a prestação de cuidados de saúde no Concelho de Torres Novas.

 

+++++++++++++++++++++

audição saude.jpg

 

publicado por usmt às 18:29
link do post | favorito
|
Segunda-feira, 19 de Janeiro de 2015

Alargamento de horários nos CSP

gripe medio tejo1.jpg

 

publicado por usmt às 20:20
link do post | favorito
|
Segunda-feira, 12 de Janeiro de 2015

MÉDIO TEJO: Documento Conferência(s) de imprensa sobre a prestação de cuidados de saúde

AS POPULAÇÕES PRECISAM E MERECEM

CUIDADOS DE SAÚDE DE PROXIMIDADE E QUALIDADE

 

Há quem tente empurrar as pessoas para a passividade e a conformação. Mas apesar de alguns até já terem perdido a capacidade de indignação, sabemos do significado humano, social e político da nossa actividade. É preferível que as decisões sejam tomadas pela pressão democrática da luta das populações do que depois de dramas humanos que trazem sempre mais sofrimento.

 

A Comissão de Utentes da Saúde do Médio Tejo e as Comissões de Utentes dos Serviços Públicos dos Concelhos de Abrantes, Tomar e Torres Novas reuniram, na passada semana em Abrantes, Torres Novas e Tomar, com o objectivo de analisar a prestação de cuidados de saúde na Região do Médio Tejo e definir as iniciativas públicas e institucionais que levem a uma alteração de rumo.

 

As sucessivas reestruturações falhadas do CHMT e dos ACES (hoje só Médio Tejo) transformaram qualquer necessidade de saúde numa “dor de cabeça” para as populações.

 

+++++++++++++++++++++++++

 

Protestam os utentes e familiares pelas demoras e pelo corrupio constante entre as urgências básicas de Tomar e Torres Novas e a urgência médico-cirúrgica de Abrantes, tendo de percorrer dezenas e dezenas de quilómetros. (Nenhuma das urgências do CHMT tem condições físicas para concentrar as outras duas). Além da urgência, pela sua importância social e clínica, outros serviços não deveriam ter sido concentrados como a Medicina Interna, Cirurgia e Pediatria.

 

Protestam os profissionais por serem poucos e não terem condições de funcionamento. Protestam as corporações de bombeiros pelo demasiado tempo de espera, o que põe em causa muitas vezes o 2º. Serviço.

 

Infelizmente esta situação não é exclusiva do Médio Tejo. Problemas com as urgências sucedem um pouco por todo o País. Tememos que a situação se agrave em caso de confirmação do surto gripal.

 

Dois constrangimentos de raiz contribuem para os recorrentes problemas na urgência do CHMT: a concentração da urgência médico-cirúrgica e o crónico subfinanciamento dos hospitais. Ambas as questões são da responsabilidade do Ministério da Saúde.

 

 

Muitas vezes temos feito referências à falta de recursos humanos nos hospitais e centros de saúde. Os responsáveis governamentais assobiam para o lado. Perante escândalos públicos (como no Amadora-Sintra), logo o Ministério da Saúde se apressou a autorizar a contratação de médicos e ordenar o alargamento de horários nos Centros de Saúde. Como sucede por esse País fora, o recurso a empresas de prestação de serviços médicos é uma forma precária de resolver o problema. (O que está a suceder com a prestação das empresas fornecedoras de serviços médicos aos hospitais e centros de saúde é apenas um pequeno exemplo do que aconteceria aos utentes com a municipalização e privatização da prestação de cuidados de saúde.) Os hospitais deveriam ter pessoal suficiente para cobrir as necessidades e não dedicar-se a tapar buracos em ocasiões de maior aperto. Recusamos soluções precárias, mas infelizmente o sector da saúde no Médio Tejo deixou de ser atractivo para os profissionais médicos.

 

O Governo, em “modo eleitoral” e face à recusa generalizada de utentes e autarcas, retardou a aplicação da Portaria 82/2014. Mas continuamos a recear que mais tarde ou mais cedo tenhamos de fazer frente a encerramentos dos serviços de algumas especialidades.

 

Apesar do anúncio do aumento de capital no CHMT, tem de se resolver o problema de fundo: acabar com o subfinanciamento crónico das unidades de saúde.

 

Os dramas sociais que ficam a descoberto nestas épocas de crise. A comprová-lo está o número de internamentos com origem nas urgências, o aumento do número de óbitos nas vagas de frio e calor, a pressão para altas antecipadas perante a necessidade de camas. Neste cenário, a política de saúde tem sido desinvestir em recursos humanos, concentrar serviços e reduzir o número de camas.  

 

++++++++++++++++++++++++++++

 

Os responsáveis governamentais e do ACES “Médio Tejo” afirmam não haver intenção de encerrar qualquer unidade de saúde, mas com o prolongar de situações em que não há médico e/ou lá está só ocasionalmente fica-se com a ideia de que aposta na degradação dos serviços e na possível aceitação pelas populações da rotina de procurar outras alternativas para justificar o encerramento das unidades de saúde em causa. Sobre a possibilidade de o Médio Tejo vir a ter Unidades Móveis de Saúde, ninguém consegue dar uma resposta.

 

O Agrupamento de Centros de Saúde (ACES) do Médio Tejo, no distrito de Santarém, tem 29.500 utentes sem médico de família, uma situação que só ficaria resolvida com a colocação de 16 médicos. A diretora executiva do ACES do Médio Tejo, Sofia Theriaga, revelou à agência Lusa que tem cerca de 29.500 utentes sem médico de família, de um total de 228.000 utentes pertencentes a 11 concelhos, sendo os casos de Abrantes (12.000 utentes a descoberto), Ourém (8.100), Torres Novas (6.300), Sardoal (2.000) e Ferreira do Zêzere (1.100) "os mais complicados". O Ministério da Saúde para “resolver” o problema abriu um concurso nacional para a colocação de 70 médico, MAS SÓ UM (1) para o ACES “Médio Tejo”.

 

Mas as populações e as estruturas de utentes não se resignam. Por exemplo, na Freguesia do Pedrógão e em Casais de Igreja (Freguesia de Assentis), no Concelho de Torres Novas, já foram recolhidas mais de 500 assinaturas em defesa da colocação de médicos nas respectivas unidades de saúde. Também em Freguesias do Concelho de Abrantes vão ser recolhidas assinaturas para exigir médico nas Extensões de Saúde. Na Freguesia da Sabacheira, perante o anúncio de uma manifestação da população, logo os responsáveis apareceram a prometer médico durante dois dias por semana.

 

++++++++++++++++++++++

 

As comissões de utentes decidiram:

 

  1. Lançar um ABAIXO-ASSINADO, para dar a possibilidade a dezenas de milhares de cidadãos do Médio Tejo de reafirmarem a exigência de uma nova organização dos serviços de saúde que deverá passar pela valorização dos Cuidados Saúde Primários (Centros e Extensões de Saúde) e a sua articulação com os cuidados hospitalares prestados pelos hospitais do CHMT, (em Abrantes, Tomar e Torres Novas), que devem ter serviços de urgência, medicina interna, cirurgia e pediatria e, desenvolver as outras valências.
  2.  Pedir com carácter de urgência reuniões à Comunidade Intermunicipal de Médio Tejo e às autarquias, com o objectivo de envolver os autarcas na defesa de cuidados de saúde que respondam às necessidades das populações. 
  3. Estabelecer contactos com as estruturas representativas dos profissionais de saúde com o objectivo de estudar formas de acção comuns que tenham em vista ultrapassar os constrangimentos existentes fruto da aplicação de erradas políticas de recursos humanos. 
  4. Solicitar reuniões à Direcção do ACES “Médio Tejo” e ao Conselho de Administração do CHMT para apresentar as propostas concretas para uma organização dos cuidados de saúde que permitam respeitar os interesses das populações, poupar recursos e ter ganhos em saúde. 
  5. As estruturas de utentes manifestaram, ainda, a disponibilidade para organizar e calendarizar acções públicas, como reuniões com as populações, vigílias, concentrações e outros protestos que sejam factores de pressão junto do Governo, deputados e responsáveis das unidades de saúde com o objectivo claro de serem corrigidos os problemas actuais e de promover uma organização baseada no princípio de cuidados de saúde de proximidade e qualidade.                               
publicado por usmt às 21:04
link do post | favorito
|
Quinta-feira, 8 de Janeiro de 2015

MÉDIO TEJO: Conferência(s) de imprensa sobre a prestação de cuidados de saúde

zzz conv ci.jpg

 

publicado por usmt às 19:14
link do post | favorito
|
Quarta-feira, 7 de Janeiro de 2015

Sobre os problemas nas urgências

MAU FUNCIONAMENTO DAS URGÊNCIAS DO CENTRO HOSPITALAR MÉDIO TEJO Coloca em causa a dignidade (e por vezes a vida) de quem a elas recorre

 
hospital1.jpg
Todos os dias nos chegam informações sobre o deficiente serviço que é prestado nas urgências das unidades hospitalares do Centro Hospitalar do Médio Tejo. Disso também têm feito eco a comunicação social local e regional. Esta segunda, nas três urgências utentes que chegam às sete horas de espera, com todos os constrangimentos que isso implica em termos clínicos, familiares e até nas condições de alimentação que têm de fazer no local.
 
Não estão só em causa os tempos de espera para os atendimentos, em alguns casos está em causa a qualidade dos serviços prestados e o sofrimento a que são sujeitos alguns utentes que se deslocam às urgências.
 
Dois constrangimentos de raiz contribuem para os recorrentes problemas na urgência do CHMT: a concentração da urgência médico-cirúrgica e o crónico subfinanciamento dos hospitais. Ambas as questões são da responsabilidade do Ministério da Saúde.
 
Protestam os utentes e familiares pelas demoras e pelo corrupio constante entre as urgências básicas de Tomar e Torres Novas e a urgência médico-cirúrgica de Abrantes, tendo de percorrer dezenas e dezenas de quilómetros.
 
Protestam os profissionais por serem poucos e não terem condições de funcionamento.
 
Protestam as corporações de bombeiros pelo demasiado tempo de espera, o que põe em causa muitas vezes o 2º. Serviço.
 
Infelizmente esta situação não é exclusiva do Médio Tejo. Problemas com as urgências sucedem um pouco por todo o País. Tememos que a situação se agrave em caso de confirmação do surto gripal.
 
Urge resolver os problemas de funcionamento das urgências em defesa da dignidade e vida humanas.
 
                                               A Comissão de Utentes da Saúde
                                                               do Médio Tejo
 
Médio Tejo, 5.jan.2014
publicado por usmt às 19:33
link do post | favorito
|
Domingo, 4 de Janeiro de 2015

Vêm de longe os problemas com a falta de recursos humanos no SNS.

in SAÚDE SA

SNS, sinais de ruptura

«Contratações de emergência , médicos pagos acima da lei, e a receber mais de 500 euros por turno de doze horas e a abertura noturna de centros de saúde foram medidas extraordinárias tomadas esta semana para evitar que se repetisse o caos do Natal na Urgência do Hospital Amadora Sintra, onde doentes esperaram mais de 24 horas. Tudo para responder a uma enchente que, afinal, não existiu. Nem ali, nem na maioria dos hospitais do país.

Os dados obtidos pelo Expresso junto de várias unidades hospitalares mostram que houve menos doentes a recorrer à Urgência nesta época festiva em comparação com o mesmo período do ano passado. No Amadora-Sintra, onde o tempo de espera atingiu recordes, houve mesmo uma diminuição de 18% na Consoada e de 16% no dia de Natal. Ao todo, foram atendidas 483 pessoas nos dois dias, menos 100 do que em 2013.

O problema não foi, portanto, provocado pelo excesso de doentes mas pela falta de médicos. Naqueles dias, deveriam estar a trabalhar cinco médicos na linha da frente e só dois compareceram. Entre os faltosos, dois entregaram atestado por doença e um, em prestação de serviços, não apareceu nem justificou a ausência. Os cortes de 20% no pagamento do trabalho fora do horário normal desmotivaram os médicos, que deixaram de achar compensador estarem de banco em vez de ficarem em casa.

São cada vez mais os clínicos que pedem dispensa da Urgência noturna, logo que completam os 50 anos, e de todo o trabalho no atendimento urgente cinco anos mais tarde. A benesse é antiga, mas até existirem cortes nos pagamentos eram menos os profissionais a aproveitá-la. “Esta faculdade, associada à faixa etária média dos médicos, implica que um número significativo — mais de 50% no momento atual — possa deixar de realizar trabalho naquelas instituições, o que tem um forte impacto nos serviços de saúde”, reconhece a ACSS.

No Amadora-Sintra, por exemplo, a diretora da Urgência é a primeira a admitir que não há capacidade de resposta. “Fomos perdendo profissionais ao longo do tempo, uns porque emigraram, outros porque deixaram de trabalhar na Urgência e não foram substituídos. Com falta de pessoal, não conseguimos lidar com picos de afluência”, lamenta Teresa Branco.

Face ao prognóstico de uma nova rutura nas Urgências durante a passagem de ano, o ministro da Saúde não teve outro remédio senão autorizar o que até aqui tentou evitar: novas contratações e pagamentos acima da tabela. Quem ficou na escala do fim do ano recebeu mais por hora extra e no caso dos três ‘tarefeiros’ o valor chegou ao dobro do quevalor chegou ao dobro do que está na lei. No total, os turnos de 12 horas que fizeram valeram-lhes 540 euros. E mesmo assim foi muito difícil encontrar quem se dispusesse a ir trabalhar — o Hospital Amadora-Sintra teve autorização para contratar dez médicos à tarefa (e mais sete para o quadro) mas até ao último dia do ano só três tinham aceitado.

Para evitar que novas situações de rutura ocorressem na passagem do ano, o Ministério da Saúde anunciou penalizações para os prestadores de serviços faltosos e prometeu repor os cortes no pagamento do trabalho extra. O ‘tratamento’ surtiu efeito.»

Expresso 03.01.15

PCP – “Política criminosa" : A utilização de "soluções precárias" como "a contratação de serviços a empresas", advertindo que "o caos verificado nas urgências de diversos hospitais" põe em causa "o direito à saúde" e "é consequência das políticas restritivas que têm vindo a ser implementadas".link

José Manuel  Silva: “Caos nas Urgências”: O Ministério da Saúde reduziu o horário de abertura dos Centros de Saúde, asfixia os hospitais até à falência técnica (para depois fazer umas flores a atribuir ‘reforços’ financeiros), só sob pressão permite a contratação direta de médicos para as urgências, obriga à contratação através de empresas que não têm médicos e que impõe preços tão baixos que ninguém aceita a imensa carga de trabalho e o enorme risco de uma urgência pelo preço/hora de uma empregada doméstica, etc. A culpa do caos nas urgências e do desnecessário sofrimento dos doentes é do Ministério da Saúde. link

....

O balanço da política deste ministro está por fazer.  Para já, o que fica da sua acção, além do cumprimento zeloso dos  cortes a eito impostos pela troika e da montanha de medidas de cariz administrativista, à boa maneira amanuense, resume-se ao  improviso e definhar acelerado do serviço público de saúde em abono dos investimentos privados .

publicado por usmt às 13:15
link do post | favorito
|

FERREIRA ZÊZERE: mais utentes com médico de família

TOMAR – Unidade de Saúde Familiar de Santa Maria alargou funções a pólo colocado em Ferreira do Zêzere

A Unidade de Saúde Familiar de Santa Maria, de Tomar, alargou o seu âmbito a um pólo em Ferreira do Zêzere. Há registo para o reforço da equipa e da capacidade assistencial, sendo que este alargamento permite a cerca de 3500 utentes ferreirenses já terem médico de família. Esta medida foi apoiada pelo Agrupamento de Centros de Saúde do Médio Tejo e mereceu a aprovação da Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo.

 

Entretanto, em Tomar, a Unidade de Saúde Familiar de Santa Maria conseguiu inscrever todos os utentes que o haviam requerido, ou seja, não há ninguém em lista a aguardar pela atribuição de médico de família. Numa nota enviada para a redacção da Hertz, António Branco, coordenador da USF, refere que há a previsão de os serviços aceitarem até duzentos novos inscritos até 31 de Março deste novo ano. Desta forma, os interessados podem efectuar o respectivo pedido no edifício da Nabância, em Tomar. Como a preferência dos utentes é obrigatoriamente respeitada, o pedido para um determinado médico poderá conduzir a uma espera para que haja vagas nesse profissional. Se indicar mais do que uma opção (ou não manifestar preferência) o pedido pode ser satisfeito com maior prontidão.

 

publicado por usmt às 13:13
link do post | favorito
|
Sábado, 3 de Janeiro de 2015

Cenas do “mercado” (injusto e imoral) de trabalho.

chmt grupo8.png 

No CHMT nos últimos anos a vigilância e segurança tem sido assegurada pelos trabalhadores do GRUPO 8. Agora, foi entregue à empresa GIS. Desconhecemos os méritos e deméritos (funcionais e financeiros) das empresas em causa, mas não deixamos de registar que 30 trabalhadores foram para o desemprego. Ah, foram substituídos por outros! Em que condições?

 

chmt gis.png

 

publicado por usmt às 13:59
link do post | favorito
|

.USMT:Quer nos Conhecer?

  • O que somos
  • Oque fazemos
  • O que defendemos
  • .Vamos criar a Associação de Defesa dos Utentes da Saúde

  • Saber Mais
  • .Leia, Subscreva e Divulgue a Petição ao Senhor Ministro da Saúde Sobre as Novas Taxas Moderadoras Para Internamentos e Cirurgias

  • Petição Movimento de Utentes da Saúde
  • .USMT Mail:

    usaudemt@hotmail.com

    .Abaixo-Assinado

  • Queremos Médicos na Meia Via, Ribeira e Pedrógão
  • .pesquisar

     

    .Jornais Regionais On-Line

  • O Templário
  • Cidade de Tomar
  • O Mirante
  • O Ribatejo
  • Torrejano
  • Almonda
  • O Riachense
  • Entroncamento On-Line
  • Notícias de Fátima
  • .Organizações & Comições

  • MUSS
  • Movimento Utentes Saúde
  • OMS
  • .Posts Recentes

    . SEC MUSP SANTARÉM: preocu...

    . TOMAR: É preciso melhorar...

    . ORÇAMENTO 2018: exigência...

    . 12 de Outubro, Reunião da...

    . Vacine-se contra a gripe!

    . MÉDIO TEJO: Comissão Uten...

    . 1 OUTUBRO - DIA NACIONAL ...

    . 30 SETEMBRO - DIA MUNDAIL...

    . ALCANENA: iniciativa cont...

    . MÉDIO TEJO: vão chegar no...

    .Arquivos

    . Outubro 2017

    . Setembro 2017

    . Agosto 2017

    . Julho 2017

    . Junho 2017

    . Maio 2017

    . Abril 2017

    . Março 2017

    . Fevereiro 2017

    . Janeiro 2017

    . Dezembro 2016

    . Novembro 2016

    . Outubro 2016

    . Setembro 2016

    . Agosto 2016

    . Julho 2016

    . Junho 2016

    . Maio 2016

    . Abril 2016

    . Março 2016

    . Fevereiro 2016

    . Janeiro 2016

    . Dezembro 2015

    . Novembro 2015

    . Outubro 2015

    . Setembro 2015

    . Agosto 2015

    . Julho 2015

    . Junho 2015

    . Maio 2015

    . Abril 2015

    . Março 2015

    . Fevereiro 2015

    . Janeiro 2015

    . Dezembro 2014

    . Novembro 2014

    . Outubro 2014

    . Setembro 2014

    . Agosto 2014

    . Julho 2014

    . Junho 2014

    . Maio 2014

    . Abril 2014

    . Março 2014

    . Fevereiro 2014

    . Janeiro 2014

    . Dezembro 2013

    . Novembro 2013

    . Outubro 2013

    . Setembro 2013

    . Agosto 2013

    . Julho 2013

    . Junho 2013

    . Maio 2013

    . Abril 2013

    . Março 2013

    . Fevereiro 2013

    . Janeiro 2013

    . Dezembro 2012

    . Novembro 2012

    . Outubro 2012

    . Setembro 2012

    . Agosto 2012

    . Julho 2012

    . Junho 2012

    . Maio 2012

    . Abril 2012

    . Março 2012

    . Fevereiro 2012

    . Janeiro 2012

    . Dezembro 2011

    . Novembro 2011

    . Outubro 2011

    . Setembro 2011

    . Agosto 2011

    . Julho 2011

    . Junho 2011

    . Maio 2011

    . Abril 2011

    . Março 2011

    . Fevereiro 2011

    . Janeiro 2011

    . Dezembro 2010

    . Novembro 2010

    . Outubro 2010

    . Setembro 2010

    . Agosto 2010

    . Julho 2010

    . Junho 2010

    . Maio 2010

    . Abril 2010

    . Março 2010

    . Fevereiro 2010

    . Janeiro 2010

    . Dezembro 2009

    . Novembro 2009

    . Outubro 2009

    . Setembro 2009

    . Agosto 2009

    . Julho 2009

    . Junho 2009

    . Abril 2009

    . Fevereiro 2009

    . Janeiro 2009

    . Dezembro 2008

    . Novembro 2008

    . Outubro 2008

    . Setembro 2008

    . Agosto 2008

    . Julho 2008

    . Junho 2008

    . Maio 2008

    . Abril 2008

    . Março 2008

    . Fevereiro 2008

    . Janeiro 2008

    . Dezembro 2007

    . Outubro 2007

    . Setembro 2007

    . Agosto 2007

    . Julho 2007

    . Maio 2007

    . Abril 2007

    . Março 2007

    . Fevereiro 2007

    . Janeiro 2007

    . Dezembro 2006

    . Novembro 2006

    . Outubro 2006

    blogs SAPO

    .subscrever feeds