Domingo, 7 de Outubro de 2012

Na semana da Marcha contra o desemprego...

 

 

 

 

publicado por usmt às 16:14
link do post | favorito
Sábado, 6 de Outubro de 2012

in Rádio Hertz

TOMAR – Denúncia da Delegada de Saúde: Há farmácias que estão a vender vacinas da gripe a maiores de 65 anos

A vacina sazonal da gripe passou a estar disponível, desde esta segunda-feira, de forma gratuita nos centros de saúde para todas as pessoas com mais de 65 anos.

A maior agressividade que a gripe registou no ano passado é uma das justificações para o alargamento da disponibilização gratuita da vacina a todos os idosos e não apenas aos dos grupos de risco e aos que recebem o complemento solidário. A Hertz esteve à conversa com Maria dos Anjos Esperança, delegada de Saúde, sobre esta medida, que deixou o alerta... Há farmácias que estão a vender a vacina quando não o deveriam fazer: «Todas as pessoas com idade igual ou superior a 65 anos, doentes crónicos, grávidas com tempo superior a doze semanas, entre outros, podem tomar esta vacina, sem qualquer prescrição médica, nos Centros de Saúde. Agora queria deixar um alerta: tive conhecimento que há farmácias que estão a vender vacinas a pessoas com mais de 65 anos. Mas estas pessoas apenas têm que se dirigir ao local onde têm o médico de família, a um centro, e a vacina será administrada gratuitamente».

2012-10-04 08:18:16
publicado por usmt às 11:58
link do post | favorito
Sexta-feira, 5 de Outubro de 2012

in EXPRESSO de 5.10.2012

Hospitais sem

dinheiro para

medicamentos

mais caros

 

Algumas unidades de saúde

adiam ou interrompem

terapêuticas que não

conseguem pagar. Ministério

está a avaliar a situação

 

No Algarve, um doente está há

mais de dois meses à espera de iniciar

um tratamento, prescrito pelosmédicos

e aprovado por uma comissão

de peritos, que o Hospital

de Faro assume não ter verbas para

pagar. Custa cerca de ¤50 mil

por mês. Não é caso único. “Está a

haver uma grande dificuldade em

adquirir estas terapêuticas, muito

dispendiosas. Os médicos estão

preocupados”, confirma a coordenadora

de um centro nacional para

o tratamento de doenças raras. P16

publicado por usmt às 12:17
link do post | favorito

A CUSMT sempre foi contra as USF tipo C

...

 

 

 

publicado por usmt às 12:11
link do post | favorito

E mais não sei quantos cortes na prestação de cuidados de saúde...

...

publicado por usmt às 12:08
link do post | favorito

Dia 11 de Setembro, no Distrito de Santarém

...

publicado por usmt às 11:58
link do post | favorito
Terça-feira, 2 de Outubro de 2012

Opinião ( sublinhadas as declarações sobre o CHMT)

Luís Campos, presidente do CNQS: «Solução encontrada para os hospitais não foi a ideal»
por Tempo Medicina a Segunda-feira, 1 de Outubro de 2012 às 9:44 ·

«Tem que haver uma concentração do internamento e uma descentralização do ambulatório, ou eventualmente uma duplicação dos serviços básicos, mas nunca este tipo de modelo» de hospital, alertou o presidente do Conselho Nacional para a Qualidade em Saúde. Esta foi uma das muitas reflexões que Luís Campos deixou para a ERS e para a tutela

 

Luís Campos, actual director do serviço de Medicina IV do Centro Hospitalar de Lisboa Ocidental (CHLO) e presidente do Conselho Nacional para a Qualidade em Saúde (CNQS) da Direcção-Geral da Saúde, não foi politicamente correcto na sua intervenção no II Fórum ERS sobre «O Acesso aos Cuidados de Saúde», que decorreu no passado dia 21. «Não temos feito um mau trabalho na equidade e acesso aos cuidados de saúde», mas «subsiste uma ampla margem de melhoria», garantiu o especialista, que assinalou o que não está a correr bem.

 

«Não sabemos resultados» das reformas

Sobre as ameaças e oportunidades para melhorar este panorama, o responsável não tem dúvidas: «Primeiro, é preciso conhecer, de facto, o impacte das reformas na equidade e no acesso. Fazemos muitas mudanças, ULS, Aces, USF, PPP, reforma das Urgências, dos cuidados primários, dos cuidados continuados, mas, na maior parte delas, não sabemos que resultados tiveram.» E para Luís Campos, «temos que saber, porque este não conhecimento é uma forma de desperdício». E detalhou: «As ULS, que são das experiências mais extraordinárias que há a nível internacional de integração de cuidados com nova forma de financiamento... Não sabemos quais os seus resultados.» Em relação às redes, «de Urgência, hospitalares, etc., cada grupo, cada comissão fez a sua rede independentemente das outras e, neste momento, é um emaranhado: Aces que têm vários hospitais, hospitais que têm vários Aces. Porquê? Às vezes porque os secretários de Estado não falavam um com o outro…», apontou o director do serviço de Medicina IV do CHLO.

 

Dúvidas na concentração de hospitais

Uma outra ameaça referida por Luís Campos prende-se com a concentração dos hospitais. Recordando que os hospitais sofreram mudanças importantíssimas — em 1970 tínhamos 634 hospitais e em 2011 temos 53, dos quais 21 são centros hospitalares —, o responsável lembrou também que, apesar dos benefícios, «é preciso ter cuidado com as concentrações». «Nos últimos anos houve a febre da criação de centros Hospitalares. Não havia nenhum estudo (a Entidade Reguladora da Saúde fez um, mas não comparou o antes com o depois) e, genericamente, parece que os resultados são positivos.» No entanto, considerou o presidente do CNQS, «não fiz nenhum estudo, mas sei de um modelo que não faz nenhum bem ao acesso dos doentes, que é o do Centro Hospitalar do Médio-Tejo».«Reparem que o Hospital de Abrantes tem Urgência geral, Urgência obstétrica, Ortopedia, Cirurgia geral, mas a Urgência pediátrica, a Pediatria, a Cardiologia, a Nefrologia, a Pneumologia e a Medicina Interna estão só no Hospital de Torres Novas. Depois, outras especialidades como Psiquiatria, Urologia, Oftalmologia e ORL estão no Hospital de Tomar», apontou, chamando a atenção a audiência. Ou seja, «o doente velhinho, de 70 anos, incapacitado e já com dificuldade em orientar-se num hospital, para obter os cuidados hospitalares tem que percorrer estes hospitais todos», concluiu Luís Campos.Mas há outro modelo sobre o qual o especialista tem «alguma discordância»: a concentração das Urgências na ARS do Norte. «Foi metida cada especialidade em cada hospital — a Gastrenterologia no Centro Hospitalar do Porto, a Urologia no Hospital de S. João, a cardiotorácica no Centro Hospitalar de Vila Nova de Gaia, alternado com o Hospital de S. João. O doente politraumatizado que entre e precise das várias intervenções tem que adivinhar se as coisas se conjugam para as suas necessidades», criticou. Por isso, defende Luís Campos, «tem que haver uma concentração do internamento e uma descentralização do ambulatório, ou eventualmente uma duplicação dos serviços básicos, mas nunca este tipo de modelo.»

 

Trabalho em rede é a solução para os hospitais

O director do serviço de Medicina IV do CHLO não tem dúvidas: «a solução encontrada para os hospitais não foi a ideal.» «Fecharam-se as Urgências, passaram a consultas não programadas entregues aos cuidados primários. Entregou-se o internamento aos cuidados continuados. Manteve-se o ambulatório no hospital. Mas tem que haver redes. Os médicos têm que sair dos hospitais distritais, centrais e irem aos centros de saúde e aos hospitais de proximidade prestar cuidados diferenciados», alertou o especialista. Como tal, advoga a necessidade de «aliar a concentração para permitir equipes, a diferenciação e volume com a prestação de cuidados diferenciados, também na proximidade». E, para Luís Campos, «os hospitais de proximidade são uma forma de o fazer».Além disso, esta é também a oportunidade para «promover formas de integração de cuidados de saúde e apoio social (nesse momento somos nós nos hospitais que temos que resolver os problemas sociais dos doentes)».O médico defende também uma «utilização mais racional dos serviços de saúde — e há formas de o fazer», bem como uma prestação de contas regular e transparente. A este propósito, contou, «para esta apresentação fui buscar dados ao SIGIC e os últimos eram de 2010. Já os dados da Consulta a Tempo e Horas não estão lá!».Finalmente, precisamos de «um modelo de governação clínica que junte os hospitais, os centros de saúde, a Direcção-Geral da Saúde, o Departamento de Qualidade. Que junte as comissões de gestão de risco e as comissões de qualidade. Esta estrutura de governação não existe», desabafou.«Temos que desafiar as ortodoxias!», considera Luís Campos. E «há que partir do princípio de pensar que podemos fazer isto de uma forma completamente diferente». «Se nós pensarmos que o hospital não serve só para tratar doentes, podemos pensar que o hospital pode ter um restaurante gourmet, uma escola de formação, o serviço de fisiatria ser um ginásio para os funcionários… ter uma creche nos hospitais», deixou alguns exemplos. E depois, «temos uma grande ilha de oportunidades perdidas», disse apontando para um slide que mostrava o Arquipélago da Madeira e dos Açores.

 

Portugueses usam mal os serviços de Urgência

Para o médico Luís Campos, «os portugueses genericamente utilizam mal os serviços de saúde. Usam demasiado as Urgências, como lojas de conveniência (40% são triados como não urgentes ou pouco urgentes), e existe um recurso directo excessivo às sub-especialidades (quando «dói a barriga» vai-se a um gastrenterologista)». Além disso, «pressionam muito os médicos para fazerem exames. Ninguém fica curado sem fazer uma TAC ou ressonância e a realidade é que temos 1,3 vezes mais TAC por milhão de habitantes do que a média dos 25 países da OCDE», afirmou.Com o aumento das taxas moderadoras seria de esperar que o acesso às Urgências mudasse. E, como constatou, no primeiro semestre de 2012 houve, de facto, uma diminuição importante de 10,2% na ocorrência às Urgências hospitalares (essencialmente os verdes e os azuis). No entanto, «também não aumentaram as consultas nos CSP, diminuíram 1,7%. E isso tem ser observado!», alertou Luís Campos.Outro factor preocupante, retirado de um estudo feito sobre o serviço de Urgência do Hospital de S. Francisco Xavier, em 1800 doentes considerados high users — que vão mais de 4 vezes à Urgência, e que consumiram mais de 10 mil episódios, em 2004 – foi que, desses doentes, «70% são pessoas com doenças crónicas e que estão a ser tratadas de uma forma aguda nas Urgências», salientou o presidente do CNQS.

 

Diferenças entre instituições não são conhecidas

Luís Campos considera que a falta de dados sobre a variabilidade nos estudos feitos entre instituições é uma grande lacuna. A percentagem de consultas de prioridade normal com demora média superior ao TMRG (150 dias) demonstra que «há uma extrema variabilidade entre instituições (instituições que ultrapassam em média 60% e outras que em que de facto todas conseguem responder)», sublinhou. Ou seja, «a variabilidade é de facto um dado muito importante para nos alertar para problemas de qualidade em determinados sítios». Uma outra fonte muito importante são «os registos das sociedades, que nunca tratam o problema da variabilidade. Todos os estudos tratam médias e medianas, mas nunca mostram a variabilidade por instituição», referiu. Exemplificando, referiu que a Sociedade Portuguesa de Cardiologia, a pedido do CNQS, fez o tratamento no registo nacional de síndromes coronários agudos em 2011. «Vejam a variabilidade que existem entre os vários centros que tratam enfarte de miocárdio», disse olhando para as assimetrias no mapa. Outra assimetria referida, «toda a gente sabe», é o facto de «Lisboa e Vale do Tejo ter uma deficiência de camas de cuidados continuados (57% em lista de espera em 30 de Julho de 2012)». Por outro lado, «estranhamente, ou talvez não, somos o terceiro país da OCDE que coloca mais doentes em hemodiálise. Porque será?», perguntou de forma retórica.

 

Texto: Teresa Mendes

Foto: Ivo Godinho

www.tempomedicina.com

 

Luís Campos advoga a necessidade de «aliar a concentração para permitir equipas, a diferenciação e volume com a prestação de cuidados diferenciados, também na proximidade». E, para o presidente do CNQS, «os hospitais de proximidade são uma forma de o fazer»
publicado por usmt às 20:03
link do post | favorito

in O Mirante

Acesso à saúde de utentes de Ourém prejudicado por “operação de cosmética”

 

Os utentes do concelho de Ourém vão continuar a ter que se deslocar aos hospitais do Médio Tejo - apesar do Hospital de Leiria estar mais próximo – porque o Ministério da Saúde paga 7.5 milhões de euros por ano ao Centro Hospitalar do Médio Tejo (CHMT) relativos aos utentes deste concelho. Se os oureenses passassem a ser atendidos no Hospital de Leiria, o CHMT deixaria de receber essa quantia que é fundamental para o manter viável.

O presidente da Câmara de Ourém, Paulo Fonseca (PS), explicou na última sessão da assembleia municipal que o concelho está a ser “prejudicado” por uma “operação de cosmética” do Governo. O autarca deu conta aos eleitos do que se passou na reunião que teve com o secretário de Estado da Saúde e onde também esteve presente a presidente da assembleia municipal, Deolinda Simões (PSD). Paulo Fonseca diz que o governante deu razão às pretensões dos oureenses que reclamam há mais de um ano por melhores condições no acesso aos cuidados de saúde.

Segundo o autarca, o secretário de Estado da Saúde prometeu que “em breve” o Centro de Saúde de Ourém vai voltar a estar aberto até à meia-noite. Também foi dada a garantia que a unidade de urgência básica do Hospital de Tomar vai reabrir dando uma capacidade de resposta permanente. Terá sido ainda garantido que o concelho de Ourém será dotado de uma Unidade de Saúde Móvel, que se deslocará com um médico às freguesias que não têm centros de saúde. Cardiologia, pediatria, medicina interna e gereatria são algumas das especialidades que o Centro de Saúde de Ourém vai passar a disponibilizar aos utentes.

 

Contratos de enfermeiros não foram renovados

Durante a sessão da assembleia municipal, que se realizou na sexta-feira, 28 de Setembro, a presidente daquele órgão, Deolinda Simões, teve conhecimento que os contratos com os enfermeiros dos centros de saúde do concelho de Ourém, que terminavam naquele dia, não foram renovados. Uma situação que vem prejudicar ainda mais o funcionamento dos centros de saúde do concelho e mereceu a preocupação de todos os eleitos municipais sobretudo dos presidentes de junta de freguesia.

 

 

publicado por usmt às 19:57
link do post | favorito

De cedência em cedência até à destruição do SNS!! Lamentável.

Factos que dispensam comentários

Uma sequência descendente que fala por si e explica muita coisa
2012 - governo PSD-CDS
manchete de hoje doCM
2009- governo PS /Ana Jorge
2006 - governo PS/Correia de Campos
DN de 22 agosto 2006
publicado por usmt às 19:52
link do post | favorito

Actividade do SNS

...

publicado por usmt às 19:51
link do post | favorito

.USMT:Quer nos Conhecer?

  • O que somos
  • Oque fazemos
  • O que defendemos
  • .Vamos criar a Associação de Defesa dos Utentes da Saúde

  • Saber Mais
  • .Leia, Subscreva e Divulgue a Petição ao Senhor Ministro da Saúde Sobre as Novas Taxas Moderadoras Para Internamentos e Cirurgias

  • Petição Movimento de Utentes da Saúde
  • .USMT Mail:

    usaudemt@hotmail.com

    .Abaixo-Assinado

  • Queremos Médicos na Meia Via, Ribeira e Pedrógão
  • .pesquisar

     

    .Jornais Regionais On-Line

  • O Templário
  • Cidade de Tomar
  • O Mirante
  • O Ribatejo
  • Torrejano
  • Almonda
  • O Riachense
  • Entroncamento On-Line
  • Notícias de Fátima
  • .Organizações & Comições

  • MUSS
  • Movimento Utentes Saúde
  • OMS
  • .Posts Recentes

    . Pela reabertura das Exten...

    . 31 maio - DIA MUNDIAL SEM...

    . 26 maio - DIA MUNDIAL ESC...

    . 18 maio - DIA MUNDIAL VAC...

    . Sobre os recursos humanos...

    . T NOVAS, 15 maio - Recolh...

    . A intervenção das populaç...

    . 22 maio - DIA MUNDIAL CON...

    . 19 maio - REUNIÃO DA COMI...

    . 17 maio - DIA MUNDIAL HIP...

    .Arquivos

    . Maio 2021

    . Abril 2021

    . Março 2021

    . Fevereiro 2021

    . Janeiro 2021

    . Dezembro 2020

    . Novembro 2020

    . Outubro 2020

    . Setembro 2020

    . Agosto 2020

    . Julho 2020

    . Junho 2020

    . Maio 2020

    . Abril 2020

    . Março 2020

    . Fevereiro 2020

    . Janeiro 2020

    . Dezembro 2019

    . Novembro 2019

    . Outubro 2019

    . Setembro 2019

    . Agosto 2019

    . Julho 2019

    . Junho 2019

    . Maio 2019

    . Abril 2019

    . Março 2019

    . Fevereiro 2019

    . Janeiro 2019

    . Dezembro 2018

    . Novembro 2018

    . Outubro 2018

    . Setembro 2018

    . Agosto 2018

    . Julho 2018

    . Junho 2018

    . Maio 2018

    . Abril 2018

    . Março 2018

    . Fevereiro 2018

    . Janeiro 2018

    . Dezembro 2017

    . Novembro 2017

    . Outubro 2017

    . Setembro 2017

    . Agosto 2017

    . Julho 2017

    . Junho 2017

    . Maio 2017

    . Abril 2017

    . Março 2017

    . Fevereiro 2017

    . Janeiro 2017

    . Dezembro 2016

    . Novembro 2016

    . Outubro 2016

    . Setembro 2016

    . Agosto 2016

    . Julho 2016

    . Junho 2016

    . Maio 2016

    . Abril 2016

    . Março 2016

    . Fevereiro 2016

    . Janeiro 2016

    . Dezembro 2015

    . Novembro 2015

    . Outubro 2015

    . Setembro 2015

    . Agosto 2015

    . Julho 2015

    . Junho 2015

    . Maio 2015

    . Abril 2015

    . Março 2015

    . Fevereiro 2015

    . Janeiro 2015

    . Dezembro 2014

    . Novembro 2014

    . Outubro 2014

    . Setembro 2014

    . Agosto 2014

    . Julho 2014

    . Junho 2014

    . Maio 2014

    . Abril 2014

    . Março 2014

    . Fevereiro 2014

    . Janeiro 2014

    . Dezembro 2013

    . Novembro 2013

    . Outubro 2013

    . Setembro 2013

    . Agosto 2013

    . Julho 2013

    . Junho 2013

    . Maio 2013

    . Abril 2013

    . Março 2013

    . Fevereiro 2013

    . Janeiro 2013

    . Dezembro 2012

    . Novembro 2012

    . Outubro 2012

    . Setembro 2012

    . Agosto 2012

    . Julho 2012

    . Junho 2012

    . Maio 2012

    . Abril 2012

    . Março 2012

    . Fevereiro 2012

    . Janeiro 2012

    . Dezembro 2011

    . Novembro 2011

    . Outubro 2011

    . Setembro 2011

    . Agosto 2011

    . Julho 2011

    . Junho 2011

    . Maio 2011

    . Abril 2011

    . Março 2011

    . Fevereiro 2011

    . Janeiro 2011

    . Dezembro 2010

    . Novembro 2010

    . Outubro 2010

    . Setembro 2010

    . Agosto 2010

    . Julho 2010

    . Junho 2010

    . Maio 2010

    . Abril 2010

    . Março 2010

    . Fevereiro 2010

    . Janeiro 2010

    . Dezembro 2009

    . Novembro 2009

    . Outubro 2009

    . Setembro 2009

    . Agosto 2009

    . Julho 2009

    . Junho 2009

    . Abril 2009

    . Fevereiro 2009

    . Janeiro 2009

    . Dezembro 2008

    . Novembro 2008

    . Outubro 2008

    . Setembro 2008

    . Agosto 2008

    . Julho 2008

    . Junho 2008

    . Maio 2008

    . Abril 2008

    . Março 2008

    . Fevereiro 2008

    . Janeiro 2008

    . Dezembro 2007

    . Outubro 2007

    . Setembro 2007

    . Agosto 2007

    . Julho 2007

    . Maio 2007

    . Abril 2007

    . Março 2007

    . Fevereiro 2007

    . Janeiro 2007

    . Dezembro 2006

    . Novembro 2006

    . Outubro 2006

    blogs SAPO

    .subscrever feeds