Sábado, 10 de Agosto de 2013

in EXPRESSO

Saúde atrasa 31 novos medicamentos

Fármacos não chegam aos  hospitais públicos por "contenção de encargos". 

       

Vera Lúcia  Arreigoso
8:00 Sábado, 10 de agosto de 2013             Última  atualização há 24 minutos         

O Ministério da Saúde tem 31 novos fármacos à espera 'na  gaveta' por razões orçamentais. Para tratar asma, hipertensão, epilepsia ou  diabetes, estas moléculas já têm visto técnico e económico para serem utilizadas  de forma generalizada, mas continuam sem chegar aos hospitais públicos "por  contenção de encargos com medicamentos", justificou ao Expresso a equipa do  ministro Paulo Macedo.

A lista de 31 novas moléculas 'cativas' é revelada na mesma  semana em que gerou polémica a decisão dos três IPO de não dispensar um novo  medicamento para o cancro da próstata metastizado. A abiraterona ainda está em  processo de avaliação para comparticipação do Estado e os responsáveis garantem  não ter suporte legal para utilizar o remédio, à venda por 3528 euros a  caixa.

Ler mais: http://expresso.sapo.pt/saude-atrasa-31-novos-medicamentos=f825335#ixzz2bY9r7Dsy

publicado por usmt às 08:43
link do post | favorito
Sexta-feira, 9 de Agosto de 2013

E logo no dia em que o Governo afirma entregar 10 hospitais às misericórdias!

Saúde: Privados alvo de mais de 3 mil reclamações
Share0

9 de Agosto, 2013
As entidades de saúde privadas e sociais foram alvo de mais de três mil reclamações, só no primeiro semestre deste ano, tendo acumulado mais de 7.500 queixas em 2012, segundo um relatório da Entidade Reguladora da Saúde (ERS).

O "Relatório de Reclamações do Sector Privado e Social relativo ao primeiro semestre de 2013" revela que, nos primeiros seis meses deste ano, foram apresentadas 3.790 queixas contra os serviços de saúde privados, ainda assim menos do que as 4.030 apresentadas no mesmo período do ano anterior.

O relatório mostra uma descida no número de reclamações apresentadas no setor privado e social desde 2011, invertendo a tendência crescente que se verificava desde 2006.

Assim, em 2011, a ERS contabilizou um total de 8.399 queixas, número de caiu para 7.503 em 2012.

Por região de Saúde, Lisboa e Vale do Tejo lidera o número de reclamações, com 60,2% do total (2.280), seguida pela região do Norte, ainda assim com menos de metade das queixas (1.127).

Quanto à natureza do prestador de serviços de saúde, é principalmente no setor privado que se verificam as situações de descontentamento, uma vez que o setor social apenas reúne 7,5% do total das reclamações (283).

O sector privado é responsável por 91,7% das queixas, totalizando 3.476.

A qualidade da assistência administrativa (965 reclamações), a qualidade da assistência de cuidados de saúde (766) e os tempos de espera superiores a uma hora (741) são os principais motivos de reclamação.

Desagregando por prestador, o relatório mostra que no setor privado é a qualidade da assistência administrativa que gera mais queixas, ao passo que no setor social é a qualidade da assistência de cuidados de saúde.

A ERS arquivou no primeiro semestre deste ano 2.097 reclamações, a grande maioria por a situação não ser "susceptível de outra actuação que não a já garantida".

 

(in O Sol)

publicado por usmt às 18:19
link do post | favorito
Quinta-feira, 8 de Agosto de 2013

OPINIÃO de Jorge Pires

Racionamento do acesso aos cuidados de saúde
Uma política criminosa

A propósito da polémica em torno dos medicamentos que os três institutos de Oncologia alegamente recusam adquirir para o tratamento de alguns dos seus doentes, mas ao que parece não estão autorizados a fazê-lo por serem medicamentos não homologados, importa chamar a atenção para o facto de que, neste como noutros casos semelhantes (a não realização de exames de diagnóstico e tratamentos por razões financeiras), as decisões que deverão ser de natureza clínica estão a ser fortemente influenciadas pelas orientações do Ministério da Saúde de racionar - e não racionalizar, como diz o Ministro da Saúde - e pelos cortes insustentáveis que quase paralisam os serviços.

LUSA

 

Image 13778

 

Nestes casos, como o que foi noticiado, sempre que se trate de medicamentos autorizados, é fundamental que as decisões sejam tomadas com ponderação (não se pode dizer nem nunca, nem sempre) e na base de critérios clínicos decididos em grupo nos respectivos hospitais e não administrativamente pelo Ministério da Saúde. A verdade é que em situações semelhantes existem pressões enormes por parte das estruturas do Ministério no sentido de reduzir custos, mesmo que daí possam resultar problemas graves para os utentes. Não é por acaso que a ARS/Norte escolheu como um dos indicadores para a avaliação do desempenho assistencial dos centros de saúde, a proporção de idosos com 75 ou mais anos que tomam regularmente mais de cinco medicamentos, num claro apelo ao racionamento.

Acontece que apesar de todos estes problemas e da gravidade da situação, alguma comunicação social tem vindo a dar cobertura ao desenvolvimento de uma campanha que procura por um lado fazer crer que a política de saúde deste Governo tem como grande objectivo tornar sustentável o Serviço Nacional de Saúde (SNS) e, por outro, que tem sido possível a este Governo fazer mais e melhor com menos dinheiro. Pura mentira.

Tão mentira como quando querem fazer crer que em Portugal o SNS não é sustentável devido à relação entre a despesa pública excessiva com a saúde e a riqueza criada no País, afirmação amplamente desmentida quando comparada com a situação de outros países da UE e OCDE, esta última chegando mesmo a classificar Portugal entre aqueles onde há maior eficácia no investimento público em saúde. O que procuram com essa mentira é ocultar a natureza da política de saúde do actual Governo e os seus verdadeiros objectivos e, por outro, criar entre o povo português o ambiente favorável a novos cortes no financiamento do Serviço Nacional de Saúde que o Governo e a maioria parlamentar que o sustenta se preparam para decidir no âmbito da «Reforma Estrutural do Estado» e depois incluir no Orçamento do Estado para 2014.

Negócio de alguns ou direito de todos?

A situação que se vive hoje neste sector e a sua previsível evolução no curto prazo não pode, nem deve, ser avaliada desligada da ofensiva mais geral sustentada politicamente nos «compromissos» inscritos no pacto de agressão e na situação económica do País, mas sobretudo na política de direita que tem vindo a ser concretizada pelo Governo do PSD/CDS-PP, política que em muitos momentos contou com o PS para a sua concretização ou apoio. A matriz ideológica da opção deste Governo não engana. O objectivo é criar em Portugal um «Sistema Nacional de Saúde» a duas velocidades: um serviço público desvalorizado e sem meios, para os mais pobres (o «Plano de prestações garantidas» como está consagrado no programa do Governo) e a entrega à prestação privada de cuidados de saúde para os que possam pagar, nomeadamente através da proliferação de seguros de saúde, que hoje já são mais de dois milhões e das Parcerias Público-Privada.

Para os defensores do «Estado mínimo na saúde», o Estado deve abandonar a sua função de prestador de cuidados e ficar apenas com a regulação e o financiamento. Para os grandes grupos privados na saúde, o Estado deve assumir os custos, e as empresas que estes grupos possuem, os lucros. Foi esta a lógica que levou ao surgimento das PPP na saúde que, como se ficou a conhecer recentemente, vão custar ao Estado mais seis mil milhões de euros. Para o grande capital, a saúde hoje é entendida como uma grande oportunidade de negócio. Tal como disse Isabel Vaz, Presidente do BES/Saúde, «melhor só o negócio das armas».

A única solução capaz de impedir que situações de racionamento no acesso dos doentes aos exames de diagnóstico e aos tratamentos de que necessitam continuem a pôr em causa a qualidade de vida de milhões de portugueses (e até a própria vida a muitos deles) é, através da luta de massas, criar as condições que conduzam à demissão do Governo, à dissolução da Assembleia da República e à marcação de eleições antecipadas, condição necessária para que se abra caminho à construção de uma política alternativa, patriótica e de esquerda, que consagra a existência de um Serviço Nacional de Saúde universal, geral e gratuito.

publicado por usmt às 19:31
link do post | favorito
Terça-feira, 6 de Agosto de 2013

Vila de Rei, o Primeiro Ministro e o CHMT

Vila de Rei: Passos Coelho recebe chave de ouro
22/07/2013, 17:12
 
 

..... O primeiro-ministro garantiu ainda que o Governo vai tentar resolver a situação do encaminhamento dos utentes vilarregenses para a Unidade Local de Saúde de Castelo Branco.

 

O município reclama que os habitantes possam ser atendidos no Centro Hospitalar do Médio Tejo, em Abrantes, que fica mais perto do que o hospital de Castelo Branco.

publicado por usmt às 20:17
link do post | favorito
Domingo, 4 de Agosto de 2013

Uma notícia antiga com comentários de hoje.

Ministro da Saúde admite que SNS pode acabar
sicnoticias.sapo.pt
O Ministro da Saúde admitiu hoje que o Serviço Nacional de Saúde (SNS) pode acabar. Paulo Macedo diz que só com cortes orçamentais é que a sobrevivência é possível.

 
Gosto · · · há 8 horas ·
  • Fernanda MendesAndam a gozar, andam.
  • Maria Helena CarvalhoNão admira, quando os casos são problemáticos ou exigem cuidados extremamente específicos e dispendiosos, ou... algo corre mal, às vezes por incúria, erro humano, falta de meios, envia-se o doente para o SNS. Os privados ficam com a carne do lombo, o SNS com a carcaça.
  • Manuel Tavares... por isso Maria Helena os seguros de saúde  tipo Medis ficarão mais caros se o sns desaparecer ... se calhar essa é a única razão pela qual ainda não desapareceu ....
    há 8 horas através de telemóvel · Gosto · 1
  • Maria Helena CarvalhoClaro. Mesmo assim, os seguros fazem avaliação prévia do segurado e, em caso de certas patologias, recusam, embora invocando outras razões.
  • Laura RochaOrdinários do pior!
  • Rui NobreEstes até a mãe vendem!
  • Armando PiresE quando chegar a "uma certa idade", o seguro não é renovado. E se por exemplo (vade retro) tiver o segurado uma doença oncológica, vai ver a que porta o mandam bater.
publicado por usmt às 11:25
link do post | favorito
Sábado, 3 de Agosto de 2013

437 vagas para médicos, mas para o CHMT...

O CHMT só pode abrir concurso para um total de 10 médicos, de 7 especialidades diferentes.

ver despacho em

http://dre.pt/pdf2sdip/2013/08/148000001/0000200007.pdf

........................... 

Ministério da Saúde anuncia abertura de 437 vagas para médicos nas zonas mais carenciadas

Mais médicos para zonas periférias do país

2 de agosto de 2013 - 17h21

O Ministério da Saúde anunciou hoje a abertura de 437 vagas para a  contratação de médicos para “colmatar as carências de profissionais nas  instituições do Serviço Nacional de Saúde (SNS) localizadas nas zonas  mais periféricas do país”. ...

 

 

publicado por usmt às 17:10
link do post | favorito
Sexta-feira, 2 de Agosto de 2013

Carrazede/Paialvo: e depois das férias, não vai suceder o que tem sucedido noutras unidades de saúde, em que já não abrem? Vamos estar atentos

TOMAR – Extensão de Saúde de Carrazede está fechada… ao que se supõe devido a férias

A Extensão de Saúde de Carrazede, na freguesia de Paialvo, está fechada ao atendimento. Por aquilo que se supõe, esta situação acontece porque se atravessa o habitual período de férias, ainda que o médico Daniel de Castro, que prestava serviço, tenha sido transferido para outra estrutura, precisamente neste primeiro dia de Agosto.

Apesar de haver lugar a algum receio por parte da população - perante outros exemplos idênticos que, depois, resultaram no fecho definitivo da Extensão - tudo aponta para o regresso da normalidade em Setembro. É esta a convicção da Junta de Freguesia de Paialvo que, perante estes dados, depressa se colocou no terreno no sentido de encontrar explicações. Luís Antunes, autarca local, disse à Hertz que tem garantias nesse sentido: «Estamos a entrar em Agosto, que é um mês sempre crítico em relação às extensões de saúde, a exemplo do que aconteceu no ano passado. Nessa altura, mesmo com médico, convém recordar que ele tem férias e não apareceu ninguém para o substituir. O doutor Daniel de Castro chamou-me ao seu gabinete, dentro das boas relações que sempre tivemos e que teremos com todos que possam servir a nossa população. Ele disse-me que iria ficar até final de Julho mas depois seria transferido, ou outro termo idêntico. Falei com a Administração Regional de Saúde, de Tomar, e disseram-me para estar descansado pois estavam a tratar do assunto mas não me enviaram um documento com esse teor. Pedi, depois, uma reunião ao doutor Urbano Figueiredo que, agora num documento assinado, me garantiu que a extensão de Saúde de Carrazede iria receber outro médico. A enfermeira também está de férias e só regressa no dia 20. Também se prevê que a partir dessa altura possa estar presente o doutor Feliciano. Interpreto estas mexidas como opções de gestão, sendo que em Setembro tudo irá voltar à normalidade. Acreditamos que será assim. Para defender a nossa freguesia, temos que estar inscritos nos nossos serviços, a exemplo de manter os nossos filhos nas nossas escolas e manter a inscrições no médico de família». Luís Antunes quis deixar claro que os utentes que necessitarem de cuidados médicos terão que se deslocar a Tomar: «Os utentes que necessitarem de cuidados médicos deverão dirigir-se ao Centro de Saúde que está na Nabância, na cidade de Tomar. É assim que acontece quando, por exemplo, o médico não pode comparecer em determinada semana. Tenho que dizer que o doutor Daniel até chegou a trabalhar aos sábados. Essa justiça tem que ser feita. Mas vamos estar atentos, com os ouvidos no ar para defender os nossos fregueses».

publicado por usmt às 18:40
link do post | favorito

SNS: actividade assistencial jan-maio 2013

publicado por usmt às 18:38
link do post | favorito

.USMT:Quer nos Conhecer?

  • O que somos
  • Oque fazemos
  • O que defendemos
  • .Vamos criar a Associação de Defesa dos Utentes da Saúde

  • Saber Mais
  • .Leia, Subscreva e Divulgue a Petição ao Senhor Ministro da Saúde Sobre as Novas Taxas Moderadoras Para Internamentos e Cirurgias

  • Petição Movimento de Utentes da Saúde
  • .USMT Mail:

    usaudemt@hotmail.com

    .Abaixo-Assinado

  • Queremos Médicos na Meia Via, Ribeira e Pedrógão
  • .pesquisar

     

    .Jornais Regionais On-Line

  • O Templário
  • Cidade de Tomar
  • O Mirante
  • O Ribatejo
  • Torrejano
  • Almonda
  • O Riachense
  • Entroncamento On-Line
  • Notícias de Fátima
  • .Organizações & Comições

  • MUSS
  • Movimento Utentes Saúde
  • OMS
  • .Posts Recentes

    . Defendemos a permanência ...

    . Reunião da Comissão de Ut...

    . Iniciativa importante par...

    . Notas da Reunião com o CA...

    . Dia Mundial contra a Hepa...

    . 13 de Agosto, reunião da ...

    . CUSMT escreveu à Ministra...

    . Dia 25 de Julho 2019, reu...

    . 24 de Julho, Reunião da C...

    . Sobre a sinistralidade ro...

    .Arquivos

    . Agosto 2019

    . Julho 2019

    . Junho 2019

    . Maio 2019

    . Abril 2019

    . Março 2019

    . Fevereiro 2019

    . Janeiro 2019

    . Dezembro 2018

    . Novembro 2018

    . Outubro 2018

    . Setembro 2018

    . Agosto 2018

    . Julho 2018

    . Junho 2018

    . Maio 2018

    . Abril 2018

    . Março 2018

    . Fevereiro 2018

    . Janeiro 2018

    . Dezembro 2017

    . Novembro 2017

    . Outubro 2017

    . Setembro 2017

    . Agosto 2017

    . Julho 2017

    . Junho 2017

    . Maio 2017

    . Abril 2017

    . Março 2017

    . Fevereiro 2017

    . Janeiro 2017

    . Dezembro 2016

    . Novembro 2016

    . Outubro 2016

    . Setembro 2016

    . Agosto 2016

    . Julho 2016

    . Junho 2016

    . Maio 2016

    . Abril 2016

    . Março 2016

    . Fevereiro 2016

    . Janeiro 2016

    . Dezembro 2015

    . Novembro 2015

    . Outubro 2015

    . Setembro 2015

    . Agosto 2015

    . Julho 2015

    . Junho 2015

    . Maio 2015

    . Abril 2015

    . Março 2015

    . Fevereiro 2015

    . Janeiro 2015

    . Dezembro 2014

    . Novembro 2014

    . Outubro 2014

    . Setembro 2014

    . Agosto 2014

    . Julho 2014

    . Junho 2014

    . Maio 2014

    . Abril 2014

    . Março 2014

    . Fevereiro 2014

    . Janeiro 2014

    . Dezembro 2013

    . Novembro 2013

    . Outubro 2013

    . Setembro 2013

    . Agosto 2013

    . Julho 2013

    . Junho 2013

    . Maio 2013

    . Abril 2013

    . Março 2013

    . Fevereiro 2013

    . Janeiro 2013

    . Dezembro 2012

    . Novembro 2012

    . Outubro 2012

    . Setembro 2012

    . Agosto 2012

    . Julho 2012

    . Junho 2012

    . Maio 2012

    . Abril 2012

    . Março 2012

    . Fevereiro 2012

    . Janeiro 2012

    . Dezembro 2011

    . Novembro 2011

    . Outubro 2011

    . Setembro 2011

    . Agosto 2011

    . Julho 2011

    . Junho 2011

    . Maio 2011

    . Abril 2011

    . Março 2011

    . Fevereiro 2011

    . Janeiro 2011

    . Dezembro 2010

    . Novembro 2010

    . Outubro 2010

    . Setembro 2010

    . Agosto 2010

    . Julho 2010

    . Junho 2010

    . Maio 2010

    . Abril 2010

    . Março 2010

    . Fevereiro 2010

    . Janeiro 2010

    . Dezembro 2009

    . Novembro 2009

    . Outubro 2009

    . Setembro 2009

    . Agosto 2009

    . Julho 2009

    . Junho 2009

    . Abril 2009

    . Fevereiro 2009

    . Janeiro 2009

    . Dezembro 2008

    . Novembro 2008

    . Outubro 2008

    . Setembro 2008

    . Agosto 2008

    . Julho 2008

    . Junho 2008

    . Maio 2008

    . Abril 2008

    . Março 2008

    . Fevereiro 2008

    . Janeiro 2008

    . Dezembro 2007

    . Outubro 2007

    . Setembro 2007

    . Agosto 2007

    . Julho 2007

    . Maio 2007

    . Abril 2007

    . Março 2007

    . Fevereiro 2007

    . Janeiro 2007

    . Dezembro 2006

    . Novembro 2006

    . Outubro 2006

    blogs SAPO

    .subscrever feeds