Sábado, 28 de Novembro de 2020

Pela nossa saúde (e a vossa carteira), nada de telemóvel na condução!!

https://pplware.sapo.pt/informacao/ultima-hora-multas-por-falar-ao-telemovel-a-conduzir-sobem-para-o-dobro/

Multas por falar ao telemóvel a conduzir sobem para o dobro

Esta sexta-feira foram aprovadas novas medidas em Conselho de Ministros no que diz respeito ao código da estrada. A medida que mais se destaca é o aumento das multas por falar ao telemóvel.

De acordo com o que foi revelado em conferência de imprensa, as coimas se for apanhado a falar ao telemóvel enquanto conduz sobem para o dobro.

Multas ao telemóvel passam de 120€ para 250€ e as de 600€ para 1.250€

A grande maioria das multas atualmente passadas pelas autoridades são referentes ao uso do telemóvel durante a condução. De acordo com um estudo, usar o telemóvel enquanto se conduz multiplica o risco de acidente por 23, e 31% dos portugueses admite enviar e ler SMS enquanto conduz.

O Conselho de Ministros desta sexta-feira aprovou o aumento significativo das multas, que podem agora chegar aos 1.250 euros. De acordo com a ministra da Presidência, Mariana Vieira da Silva, as multas de 120 euros passam para 250 e as de 600 euros para 1.250 euros. De acordo com a RR, o Governo também aprovou alterações ao Código da Estrada que clarificam os locais onde as autocaravanas podem pernoitar e aparcar, avança a secretária de Estado da Administração Interna.

Consequências do uso de telemóvel ao volante:

  • Diminuição da capacidade de vigilância e dispersão da atenção;
  • Durante os primeiros cinco minutos de conversação, a probabilidade de ter um acidente é seis vezes maior;
  • Aumento da dificuldade em descodificar e memorizar sinais, perdendo informação essencial para uma condução segura;
  • Descuido das regras de cedência de passagem nos cruzamentos e entroncamentos;
  • Perda da noção da distância de segurança em relação ao veículo da frente, sendo difícil de ajustá-la consoante o trânsito;
  • Abandono dos sinais de mudança de direção, o que pode ser perigoso tanto para o condutor como para os outros utentes da via;
  • Má avaliação da velocidade;
  • Redução do campo de visão;
  • Tendência para não parar nas passagens de peões;
  • Aumento do stress por atender ou telefonar;
publicado por usmt às 18:05
link do post | favorito
Terça-feira, 24 de Novembro de 2020

2 Dezenbro, reunião da Comissão de Utentes

0 reun cartaz.jpg

 

publicado por usmt às 18:06
link do post | favorito
Segunda-feira, 23 de Novembro de 2020

As portagens no Médio Tejo (A23 e A13) devem ser abolidas!

Diário Digital Castelo Branco - PCP recomenda ao Governo o fim das portagens  na A23

Carta aberta a todos os Deputados Municipais 

da Região do Médio Tejo

Facilitar a mobilidade dos cidadãos quer por motivos pessoais, familiares ou profissionais contribui decisivamente para a sua qualidade de vida.

As portagens no Médio Tejo (A23 e A13) devem ser abolidas!

 A existência de portagens no Médio Tejo (A23 e A13) é um problema para a mobilidade de pessoas e bens. É um entrave ao desenvolvimento social e económico. Não contribui para a coesão territorial. Potencia os problemas ambientais nas zonas urbanas e afetam a segurança rodoviária.

Estas vias são fundamentais no acesso a cuidados de saúde prestados nos três hospitais da Região do Médio Tejo, que constituem o CHMT e em muitas das cem unidades de cuidados primários dos ACES-Agrupamentos de Centros de Saúde, por serem as únicas vias rápidas, que resultaram do IP6 (nunca concluído para Oeste) rebatizado como A23, e do IC3, rebatizado como A13. Autoestradas, agora com portagens, que ocuparam as anteriores vias, sem deixarem alternativas rodoviárias viáveis e com a quase inexistência de transportes públicos.

O troço da A23 entre a A1 e Abrantes foi construído pela antiga JAE (depois EP, agora IP) com dinheiro de fundos comunitários, assim como o troço do IC3 entre a Atalaia e Tomar (Alviobeira/Ferreira).

Estamos perante vias sem alternativa e com portagens com preços/quilómetro dos mais altos praticados em Portugal em rodovias semelhantes. (p.e. mais do dobro do que se paga na A1). E os repetidos anúncios e promessas de descontos (só depois de 8 viagens e com percentagem reduzida) de forma alguma resolve os problemas (agora agravados no contexto da pandemia COVID-19) das populações e do desenvolvimento económico e social.

A raiz do problema estará na renegociação das PPP (Parcerias Publico Privadas rodoviárias), nos constrangimentos financeiros externos e num planeamento estratégico que a curto e médio prazo prejudica as populações do interior e as suas atividades, aumentando os custos de contexto para o tecido empresarial, promovendo o isolamento das populações e impedindo a coesão territorial, por muito que se proclame o contrário.

E coloca, ainda, em causa a qualidade ambiental e a segurança das populações das zonas residenciais urbanas e rurais agora atravessadas por milhares de veículos ligeiros e pesados que, antes transitavam nos IP6 e IC3, que contribuem para a deterioração das vias utilizadas, com alguns troços já em péssimo estado, como é o caso da N3. De salientar a “precisão” da colocação dos pórticos, que foram todos instalados no enfiamento das zonas urbanas para provocar o pagamento da portagem ou em “alternativa” de fazer mais uns quilómetros por vias secundários e urbanas, com todas as implicações que isso tem.

Algumas das condições essenciais para garantir eficácia na prevenção da doença e no tratamento de situações críticas são a proximidade das unidades de saúde e o seu fácil e rápido acesso. Existem três unidades hospitalares, o Hospital de Abrantes, o Hospital de Tomar e o Hospital de Torres Novas, integradas no Centro Hospitalar do Médio Tejo, que têm como únicas vias para aceder aos diversos serviços com rapidez e segurança, as Autoestradas A23 e A13. Mas, as portagens oneram em muito os custos do CHMT, nomeadamente no transporte de doentes urgentes e não-urgentes, e a deslocação de profissionais de saúde, utentes e familiares. E não se conhecem razões económicas, ambientais, de segurança e de coesão territorial que justifiquem o pagamento de portagens naquelas Autoestradas.

As mais de 12 mil assinaturas recentemente recolhidas na Região do Médio Tejo pelas Comissões de Utentes, foram entregues no Ministério das Infraestruturas, do que foi dado conhecimento aos Grupos Parlamentares e aos autarcas da região.

É preciso fazer opções por medidas que contribuam para melhorar a vida das populações e potenciem o desenvolvimento social e económico da região. E a abolição das portagens na A23 e na A13, é uma dessas medidas, prioritária, correta e justa.

As Autarquias e, naturalmente, os Deputados Municipais têm especiais responsabilidades na defesa do bem-estar dos seus munícipes, pelo que isso representa no desenvolvimento social e económico da população e da Região. Apelamos, também por isso, a todos os deputados municipais para que nas próximas Assembleias Municipais promovam o debate e tomem posições claras sobre a abolição das portagens na A23 e na A13.

Com os melhores cumprimentos

 

Comissão de Utentes da Saúde do Médio Tejo

Comissões de Utentes de Serviços Públicos do Médio Tejo

 

23.11.2020

publicado por usmt às 20:50
link do post | favorito

CHMT abre candidaturas espontâneas para Assistentes Operacionais e Enfermeiro

CHMT ABRE CANDIDATURAS ESPONTÂNEAS PARA ASSISTENTES OPERACIONAIS E ENFERMEIRO

 

O Centro Hospitalar do Médio Tejo, EPE, abriu a possibilidade de candidaturas espontâneas para Enfermeiro(a)s e Assistentes Operacionais. Os interessados deverão enviar a sua candidatura através do endereço de mail: recrutamento@chmt.min-saude.pt.


Pretende-se com esta medida reforçar os recursos humanos para garantir o reforço de toda a sua atividade assistencial.
Os candidatos para a categoria profissional de Assistentes Operacionais deverão possuir habilitações ao nível do 9.º ano, à exceção dos candidatos cujo 12.º ano seja a escolaridade obrigatória (candidatos nascidos a partir de 01-01-1995).
As candidaturas para assistentes operacionais deverão ser formalizada mediante apresentação dos seguintes documentos: a) Curriculum Vitae; b) Diploma/Certificado de Habilitações Literárias ao nível do 9.º ano, à exceção dos candidatos cujo 12.º ano seja a escolaridade obrigatória (candidatos nascidos a partir de 01-01-1995).

Os candidatos para a categoria de Enfermeiro serão admitidos os que cumpram cumulativamente os seguintes critérios: – Licenciatura em Enfermagem; – Cédula Profissional emitida pela Ordem dos Enfermeiros ou documento comprovativo de inscrição na referida Ordem, onde conste o número de membro e data de validade.
A candidatura deverá ser formalizada mediante apresentação dos seguintes documentos: a) Curriculum Vitae; b) Diploma/Certificado de Licenciatura em Enfermagem, onde conste classificação final atribuída; a) Cédula Profissional.

Tendo em consideração o cenário de Pandemia por SarsCov-2\COVID-19 e enquanto se mantiverem as normas excecionais e restritivas relativas ao Plano de Contingência, os candidatos serão avaliados e selecionados unicamente através de avaliação curricular.

publicado por usmt às 20:48
link do post | favorito
Domingo, 22 de Novembro de 2020

É fundamental respeitar as indicações contra a Covid-19 (in Lusa)

://www.lusa.pt/article/rK1jAHuArrkm~3qhOuk7DzMSZM5iuSI1

Covid-19: Estudo revela que apenas 25% dos portugueses mantêm distância recomendada

Lisboa, 19 nov 2020 (Lusa) - Mais de um terço dos portugueses saíram de casa nas últimas duas semanas sem ser para ir trabalhar e apenas 25% mantiveram a distância recomendada de dois metros entre as pessoas, segundo um estudo da Escola Nacional de Saúde Pública.

O estudo Perceções Sociais sobre a Covid-19 foi apresentado hoje pela diretora da Escola Nacional de Saúde Pública (ENSP), Carla Nunes, na reunião do Infarmed que reuniu vários peritos para analisar a situação epidemiológica em Portugal no âmbito da pandemia de covid-19.

Sobre a frequência de saída de casa nas últimas duas semanas sem ser para ir trabalhar, especialmente na última quinzena de novembro, observa-se “uma diminuição de todos os dias ou quase todos os dias”, mas com valores “ainda muito elevados” de cerca de 35%, segundo os dados do estudo Barómetro Covid-19 Opinião Social, que inquiriu 182.581 pessoas desde março.

Relativamente à pergunta se o inquirido usou sempre máscara quando saiu de casa e esteve com outras pessoas, observou-se uma melhoria novamente em setembro e outubro, mas ainda há 20% a dizerem que nem sempre usaram.

Quando se questiona se o inquirido esteve sempre de máscara quando esteve em grupos com dez ou mais pessoas, 35% admitiram que não.

Ao analisar o acesso aos serviços de saúde, o estudo da ENSP verificou que há ainda cerca de 20% das pessoas a dizerem que necessitavam de ir a consultas, mas que não foram por receio ou porque foi desmarcada pelo serviço.

Cerca de 40% disseram evitar ou a adiar cuidados não urgentes por receio de contrair covid-19 nos serviços de saúde.

Em relação ao nível de confiança na capacidade de resposta dos serviços de saúde à covid-19 observa-se “desde maio, junho uma tendência muito clara com o pouco confiante e nada confiante a ganharem espaço e relevância e, neste momento, cerca de 40% das pessoas a manifestaram esses sentimentos.

Sobre a mesma questão, mas para outras doenças sem ser covid-19, este padrão mantém-se “com o pouco confiante ou nada confiante a ganharem cada vez mais peso”, com perto de 70% das pessoas a afirmarem-no.

A adequação das medidas implementadas pelo Governo no combate à covid-19 também mostra “um claro padrão”, com cerca de 50% a considerarem-nas muito adequadas e adequadas e os restantes pouco adequadas e nada adequadas.

Inquiridos sobre tem a intenção de tomar a vacina contra a covid-19 assim que estiver pronta, 25% afirmaram que estão disponíveis para a tomar, contra 10% que não pretendem ser vacinados.

Metade disse estar confiante ou muito confiante em relação à eficácia e segurança das vacinas, adianta o estudo.

A ENSP abordou também a perceção do estado de saúde nos últimos dois meses. “Em termos de saúde mental esteve melhor durante o verão, mas agora está semelhante também ao início da pandemia”, disse Carla Nunes.

Quem apresenta pior estado de saúde, seja global, seja mental, são as mulheres, os mais velhos e com menores níveis de escolaridade, salientou.

Sobre a frequência com que a pessoa se tem sentido agitada, ansiosa, em baixo ou triste devido às medidas de distanciamento físico, o estudo verificou algumas variações ao longo da pandemia, mas agora estão semelhantes nesta última quinzena ao início da pandemia, na segunda quinzena de março.

A pandemia de covid-19 já provocou mais de 1,3 milhões de mortos no mundo desde dezembro do ano passado, incluindo 3.701 em Portugal.

 

HN // HB

Lusa/fim

Isolamento social: o que é, para que serve, tipos - Mundo Educação

publicado por usmt às 16:29
link do post | favorito

Sobre as gripes na Europa (in SOL)

Europa quase sem gripe até novembro

 

É muito cedo para tirar conclusões mas, até à última semana de outubro, as deteções de gripe na Europa tiveram uma quebra de 97% face ao mesmo período do ano passado, revelou o ECDC. No hemisfério sul, a época gripal foi praticamente invisível. Vai ser mais comum usar máscara nos invernos ‘normais’?

Atividade gripal esporádica, sem qualquer caso de gripe detetado pela rede-sentinela de médicos que reportam dados ao Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge (INSA) e, até ao momento, nenhum caso grave a necessitar de internamento em cuidados intensivos: é este o último balanço do INSA, referente à semana de 9 a 15 de novembro. A época de gripe está apenas a começar e, como todos os anos, o balanço só pode ser feito no fim. Ainda assim, há um ano, nesta mesma 46.ª semana do ano, já tinham sido detetados 41 casos positivos para o vírus da gripe e já dois doentes tinham sido admitidos em UCI com doença grave. No ano anterior, quatro casos confirmados laboratorialmenesta mesma semana e um doente internado em cuidados intensivos.

Depois de o hemisfério sul ter vivido um dos invernos com menos gripe de que há registos, os olhos viram-se agora para o hemisfério norte e, tanto na América como na Europa, os sinais são de abrandamento. A explicação? Ainda não chegou a altura de maior transmissão, que tende a tornar-se mais intensa quando o tempo arrefece, mas o distanciamento, a diminuição de contactos sociais e as máscaras, que passaram a fazer parte do dia-a-dia com a covid-19, poderão estar a ter efeito.

 

Num relatório publicado há uma semana, o Centro Europeu de Prevenção e Controlo das Doenças (ECDC na sigla inglesa) divulgou a primeira caracterização do vírus influenza para esta estação. Os dados compilados a nível europeu ainda correspondem apenas ao balanço até à última semana de outubro, quando nunca é esperada muita gripe a circular, mas a quebra é significativa: «Este é o primeiro relatório para a temporada de influenza de 2020-2021. Na semana 44/2020, apenas foram reportadas 39 deteções de gripe em toda a região europeia da Organização Mundial da Saúde», assinalou o organismo europeu.

publicado por usmt às 16:26
link do post | favorito
Sábado, 21 de Novembro de 2020

As medidas COVID-19, concelho a concelho

https://covid19estamoson.gov.pt/

https://covid19estamoson.gov.pt/

 

publicado por usmt às 20:12
link do post | favorito

Em defesa do SNS!

00 sns reforço.jpg

 

publicado por usmt às 13:30
link do post | favorito

Vivem-se "momentos de excepção" no SNS

SUSPENSÃO TEMPORÁRIA DE FÉRIAS

 

O Conselho de Administração do Centro Hospitalar do Médio Tejo, EPE, no âmbito da situação atual de Estado de Emergência e em virtude dos condicionalismos hospitalares e de saúde pública emitiu uma Circular Normativa onde “considera absolutamente indispensável e essencial, no particular momento em que nos encontramos, proceder à adoção de uma medida de caráter excecional e temporária de suspensão do gozo de férias”.

 

Uma medida justificada, igualmente, “pelo Despacho n.º 10921/2020, de 3 de novembro da Senhora Ministra da Saúde e à prontidão integral de toda a capacidade e de todos os recursos existentes no Serviço Nacional de Saúde, na lógica em que este constitui uma única rede de prestação de cuidados à globalidade da população residente em território nacional”, pode ler-se na Circular Normativa.

Esta medida excecional surge, assim, “no sentido de adequar os meios humanos necessários, para fazer face às especificidades estruturais e assistenciais que se consideram fundamentais”, tendo em conta o aumento do número de infeções decorrentes do surto pandémico do vírus SARS-CoV-2/COVID-19 e atentando, ainda, ao número de óbitos.

A circular enviada hoje, dia 18 de novembro, considera que “esta medida comporta necessariamente uma garantia de prontidão e eficácia da resposta dos serviços do CHMT, E.P.E., na prestação de cuidados a doentes infetados por SARS-CoV-2/COVID-19 e maximizando, ainda, a capacidade de prestação de cuidados de saúde a todos os outros doentes não COVID-19, implicando um esforço coletivo de todos os profissionais.”

Com entrada imediata em vigor e até ao dia 31 de janeiro de 2021, a Circular Normativa especifica, igualmente, que “a presente determinação não prejudica a aplicação de quaisquer regras sobre a aquisição do direito a férias, designadamente relativas ao seu posterior gozo e duração”.

(Comunicado do CA do CHMT // Ilustração da CUSM)

camisola sns.jpg

 

publicado por usmt às 13:28
link do post | favorito

CHMT/TORRES NOVAS: mais equipamentos

Comunicado da CA do CHMT

CHMT CONTINUA INVESTIMENTO EM EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

 

Foi instalado na Unidade Hospitalar de Torres Novas um novo equipamento de produção de água gelada para sistemas de ar condicionado, vulgarmente chamados de “Shiller’s”.

 

Trata-se de um equipamento integrado no projeto de Eficiência Energética, POSEUR, no valor total de 329.300€, acrescido de IVA.

Este novo equipamento AVAC (aquecimento, ventilação e ar condicionado) complementa um projeto global que integra a instalação de painéis fotovoltaicos e substituição de toda a iluminação por lâmpadas LED, nas três Unidades Hospitalares que compõem o CHMT; EPE, e que representa um investimento global de mais de 4 Milhões de Euros.

A continuidade deste investimento demonstra que “o CHMT, EPE, apesar da pandemia, não ficou parado, não suspendeu o plano de investimento, tendo até acelerado alguns investimentos”, sublinha o presidente do Centro Hospitalar do Médio Tejo, EPE, Carlos Andrade Costa.

image_6483441 (1).JPG

 

publicado por usmt às 12:34
link do post | favorito

.USMT:Quer nos Conhecer?

  • O que somos
  • Oque fazemos
  • O que defendemos
  • .Vamos criar a Associação de Defesa dos Utentes da Saúde

  • Saber Mais
  • .Leia, Subscreva e Divulgue a Petição ao Senhor Ministro da Saúde Sobre as Novas Taxas Moderadoras Para Internamentos e Cirurgias

  • Petição Movimento de Utentes da Saúde
  • .USMT Mail:

    usaudemt@hotmail.com

    .Abaixo-Assinado

  • Queremos Médicos na Meia Via, Ribeira e Pedrógão
  • .pesquisar

     

    .Jornais Regionais On-Line

  • O Templário
  • Cidade de Tomar
  • O Mirante
  • O Ribatejo
  • Torrejano
  • Almonda
  • O Riachense
  • Entroncamento On-Line
  • Notícias de Fátima
  • .Organizações & Comições

  • MUSS
  • Movimento Utentes Saúde
  • OMS
  • .Posts Recentes

    . Preparar a reunião com o ...

    . Preparar a reunião de 6 d...

    . AUTARQUICAS 21 - Que prop...

    . 30 junho, Reunião da Comi...

    . Sobre a vacinação para ma...

    . 1ª reunião entre a CUSMT ...

    . MÉDIO TEJO - 17 junho, Re...

    . 23 junho - DIA DA ONU PA...

    . Sobre os Recursos Humanos...

    . Sobre a Reunião do Consel...

    .Arquivos

    . Junho 2021

    . Maio 2021

    . Abril 2021

    . Março 2021

    . Fevereiro 2021

    . Janeiro 2021

    . Dezembro 2020

    . Novembro 2020

    . Outubro 2020

    . Setembro 2020

    . Agosto 2020

    . Julho 2020

    . Junho 2020

    . Maio 2020

    . Abril 2020

    . Março 2020

    . Fevereiro 2020

    . Janeiro 2020

    . Dezembro 2019

    . Novembro 2019

    . Outubro 2019

    . Setembro 2019

    . Agosto 2019

    . Julho 2019

    . Junho 2019

    . Maio 2019

    . Abril 2019

    . Março 2019

    . Fevereiro 2019

    . Janeiro 2019

    . Dezembro 2018

    . Novembro 2018

    . Outubro 2018

    . Setembro 2018

    . Agosto 2018

    . Julho 2018

    . Junho 2018

    . Maio 2018

    . Abril 2018

    . Março 2018

    . Fevereiro 2018

    . Janeiro 2018

    . Dezembro 2017

    . Novembro 2017

    . Outubro 2017

    . Setembro 2017

    . Agosto 2017

    . Julho 2017

    . Junho 2017

    . Maio 2017

    . Abril 2017

    . Março 2017

    . Fevereiro 2017

    . Janeiro 2017

    . Dezembro 2016

    . Novembro 2016

    . Outubro 2016

    . Setembro 2016

    . Agosto 2016

    . Julho 2016

    . Junho 2016

    . Maio 2016

    . Abril 2016

    . Março 2016

    . Fevereiro 2016

    . Janeiro 2016

    . Dezembro 2015

    . Novembro 2015

    . Outubro 2015

    . Setembro 2015

    . Agosto 2015

    . Julho 2015

    . Junho 2015

    . Maio 2015

    . Abril 2015

    . Março 2015

    . Fevereiro 2015

    . Janeiro 2015

    . Dezembro 2014

    . Novembro 2014

    . Outubro 2014

    . Setembro 2014

    . Agosto 2014

    . Julho 2014

    . Junho 2014

    . Maio 2014

    . Abril 2014

    . Março 2014

    . Fevereiro 2014

    . Janeiro 2014

    . Dezembro 2013

    . Novembro 2013

    . Outubro 2013

    . Setembro 2013

    . Agosto 2013

    . Julho 2013

    . Junho 2013

    . Maio 2013

    . Abril 2013

    . Março 2013

    . Fevereiro 2013

    . Janeiro 2013

    . Dezembro 2012

    . Novembro 2012

    . Outubro 2012

    . Setembro 2012

    . Agosto 2012

    . Julho 2012

    . Junho 2012

    . Maio 2012

    . Abril 2012

    . Março 2012

    . Fevereiro 2012

    . Janeiro 2012

    . Dezembro 2011

    . Novembro 2011

    . Outubro 2011

    . Setembro 2011

    . Agosto 2011

    . Julho 2011

    . Junho 2011

    . Maio 2011

    . Abril 2011

    . Março 2011

    . Fevereiro 2011

    . Janeiro 2011

    . Dezembro 2010

    . Novembro 2010

    . Outubro 2010

    . Setembro 2010

    . Agosto 2010

    . Julho 2010

    . Junho 2010

    . Maio 2010

    . Abril 2010

    . Março 2010

    . Fevereiro 2010

    . Janeiro 2010

    . Dezembro 2009

    . Novembro 2009

    . Outubro 2009

    . Setembro 2009

    . Agosto 2009

    . Julho 2009

    . Junho 2009

    . Abril 2009

    . Fevereiro 2009

    . Janeiro 2009

    . Dezembro 2008

    . Novembro 2008

    . Outubro 2008

    . Setembro 2008

    . Agosto 2008

    . Julho 2008

    . Junho 2008

    . Maio 2008

    . Abril 2008

    . Março 2008

    . Fevereiro 2008

    . Janeiro 2008

    . Dezembro 2007

    . Outubro 2007

    . Setembro 2007

    . Agosto 2007

    . Julho 2007

    . Maio 2007

    . Abril 2007

    . Março 2007

    . Fevereiro 2007

    . Janeiro 2007

    . Dezembro 2006

    . Novembro 2006

    . Outubro 2006

    blogs SAPO

    .subscrever feeds