Domingo, 28 de Março de 2021

No 45º. aniversário da CRP (Constituição da República Portuguesa)

21 aniv CRP.jpg

 

publicado por usmt às 12:22
link do post | favorito

OPINIÃO|CUIDADOS DE SAÚDE: Saúde privada: «Queres fiado? Toma!...»

POR JORGE SEABRA

Saúde privada: «Queres fiado? Toma!...»

Devemos considerar a recusa de tratamento da vítima de um acidente, acontecido no interior de um hospital privado, um acto desumano ou perverso dos agentes envolvidos?

 
CréditosInácio Rosa / Agência LUSA

Opresente artigo não pretende fazer uma observação «macro» da Saúde em Portugal, mas antes uma análise «micro» de reacções individuais ou de grupo, reais ou fáceis de adivinhar, a propósito de um episódio em que os diversos agentes se movem no «ecossistema privado» que determina as suas regras e valores.

«o poder político das últimas décadas estendeu também esse ambiente [o «ecossistema privado»] a hospitais e unidades de saúde públicos onde, a cultura e objectivos «empresariais», foram sendo inoculados, afastando a lógica ligada aos direitos constitucionais de uma assistência universal e de qualidade prestada pelo Serviço Nacional de Saúde (SNS)»

Sublinhe-se que, quando falamos em «ecossistema privado», não nos referimos exclusivamente aos grandes grupos financeiros que dominam o mercado da prestação de cuidados de saúde.

Eles são, naturalmente, onde esses valores melhor se exprimem. Mas o poder político das últimas décadas estendeu também esse ambiente a hospitais e unidades de saúde públicos onde, a cultura e objectivos «empresariais», foram sendo inoculados, afastando a lógica ligada aos direitos constitucionais de uma assistência universal e de qualidade prestada pelo Serviço Nacional de Saúde (SNS).

Os factos (segundo a imprensa e a TV)

Uma mulher de 46 anos, que acompanhava um familiar, sofreu uma queda nas escadas rolantes de um hospital de um grande grupo privado do Norte (Trofa Saúde).

Segundo a descrição, a mulher «caiu de cabeça» tendo sofrido traumatismo craniano, lacerações profundas no nariz e na testa, e fractura de um punho.

«Provavelmente, mesmo um frio gestor do Grupo Trofa que encontrasse, na rua da sua aldeia, uma mulher a sangrar, faria tudo para lhe prestar assistência. Mas, no cargo que ocupa, a bondade desse gesto colide com os sacralizados valores de mercantilização da Saúde que a empresa lhe transmite»

Levada ao Serviço de Urgências desse mesmo hospital, a sinistrada foi aí observada por dois médicos que consideraram necessária a sutura das feridas, um exame radiológico do antebraço e uma TAC para excluir a existência de lesão intracraniana.

A conta foi avaliada em 600 euros, e, uma vez que a sinistrada não tinha seguro, foi comunicado a um familiar que ou pagava essa verba ou não havia tratamento para ninguém.

Como o familiar não quis ou não pôde pagar, a mulher ficou com as feridas abertas e o braço fracturado sem tratamento, a aguardar a ambulância que a «despejou» no Hospital de São João, do Porto (SNS), onde foi devidamente assistida.

O triste episódio, trouxe à memória cenas chocantes do filme Sicko de Michael Moore1, que retrata o desastre humanitário do «sistema» privado norte-americano:

Doentes envelhecidos e confusos, cobertos apenas com batas brancas – expulsos de um hospital privado por falta de financiamento – pairam, como fantasmas, numa rua frente a uma instituição de caridade, esperando que alguém os socorra.

É a lei do mercado, dirão alguns, convertidos à ideologia neoliberal do «cada um trata de si».

«O Grupo Trofa podia ter um seguro para cobrir acidentes nas suas instalações…»; «A queda foi dentro do hospital, mas é igual a ter acontecido na rua ou num shopping...» – foram alguns dos comentários, num chat das redes sociais só para médicos, mostrando a sua adaptação a uma medicina americanizada”, transformada em nova realidade.

 

Os médicos e o guarda-chuva

LER MAIS

 

Felizmente, a mulher que se feriu no hospital do Grupo Trofa estava em Portugal e tinha o SNS. Se não, teria de cozer as feridas em casa, com linha de costura, como mostram as imagens de abertura do Sicko, retratando o que se passa com os mais pobres na economia mais rica do mundo.

Ao contrário dos USA, onde a recusa de tratamento por falta de dinheiro é tão banal que não merece uma notícia, o episódio do hospital do Grupo Trofa deu origem a reacções de justificação e de crítica.

E são essas reacções que vale a pena analisar, já que definem uma visão preocupante das relações societárias que se querem estabelecer.

Insensibilidade individual ou uma questão de sistema?

Devemos considerar a recusa de tratamento da vítima de um acidente, acontecido no interior de um hospital privado, um acto desumano ou perverso dos agentes envolvidos?

Desumano, seguramente. Mas qual o grau de responsabilidade moral – individual ou colectiva – em causa?

Haverá uma incontornável degradação da alma, causada pelo desenvolvimento económico, tornando os profissionais de saúde menos sensíveis ao sofrimento humano, levando-os a afastarem-se da essência da sua profissão?

«Na medicina moderna, o médico passou a ser mais uma «peça» (qualificada) de uma engrenagem complexa e cara, onde, de forma directa ou indirecta – como nas formas de «uberização» do trabalho – funciona como um assalariado (mesmo que a recibo verde), que não controla as condições em que trata, quem trata e quanto cobra»

Os estudiosos do chamado «processo histórico», poderão dizer que, sobre o tema (conceitos, formas de produção e reflexos culturais), «está tudo dito» pelos que usaram o materialismo dialéctico na análise do desenvolvimento da sociedade humana em geral e a da produção (e moral) na sociedade capitalista, em particular.

Existe, de facto, um conhecimento adquirido da relação da infraestrutura produtiva e da maneira como esta condiciona a superestrutura cultural e as reacções individuais e colectivas num determinado momento histórico.

Talvez possamos, por isso, encontrar traços desses velhos ensinamentos na diminuição da empatia pelo «outro», fruto de um individualismo exacerbado pela forma de produção «empresarial» dos cuidados de Saúde.

É esse desvio comportamental, ligado aos valores morais desse sistema, que aflora no caso da mulher abandonada sem tratamento pelos diversos protagonistas do episódio do hospital do Grupo Trofa.

Voltemos, pois, a esse facto-pretexto: como e quem, nos diversos níveis da cadeia organizativa de um grande hospital privado, assumiu a recusa de tratamento à cidadã ferida nas suas instalações, por não ter pago, à cabeça, os 600 euros exigidos?

A primeira barreira poderia ter surgido na admissão à Urgência, vendo fechar-se, logo aí, o acesso ao tratamento, por falta de seguro ou de pagamento prévio, como garantia.

Mas poder-se-á condenar o funcionário do balcão, por desumanidade ou desprezo pela mulher ferida?

 

Quanto vale o negócio da Saúde?

LER MAIS

 

Na realidade, como empregado de um hospital privado, ele não se pode dar ao luxo de ser solidário com o seu semelhante sem pôr em risco o próprio emprego. As regras da empresa onde trabalha e as «leis do mercado» assim o obrigam.

É verdade que a frieza moral do «negócio é negócio» pode contaminar a consciência do modesto funcionário, interiorizando-o como se fosse um grande accionista.

Podemos encontrar quem use o pequeno poder do humilde lugar que ocupa, com a mesma arrogância de um mau patrão, agindo como um escravo que mimetiza as atitudes do seu senhor.

Esse paradoxo, tão típico dos dilemas da pequena burguesia, trespassa estratos e profissões, onde também se integram médicos, enfermeiros e administradores hospitalares, que vestem a camisola da «empresarialização» como se fossem os verdadeiros donos da empresa.

Certamente que, na consciência dos clínicos do hospital do Grupo Trofa, se debateu a vocação e obrigação, (com Juramento de Hipócrates e tudo…) de tratar a mulher ferida, e a impossibilidade de o fazer, por falta de poder e autonomia, devido às mesmas regras a que o funcionário do balcão está vinculado.

Também eles, provavelmente, não deixariam de assistir a ferida, se estivessem num pequeno consultório exercendo uma prática liberal cada vez mais esmagada pelas leis do «mercado» e pela evolução da medicina, que exige multidisciplinaridade e grandes investimentos.

Foi essa mudança da posse dos «meios de produção», ligada ao desenvolvimento (histórico e incontornável) da profissão, que determinou a marginalização do médico como profissional liberal – isolado, patrão de si próprio, dono dos instrumentos e das instalações, definindo as regras e a tabela remuneratória –, que ainda existe com uma expressão residual.

Na medicina moderna, o médico passou a ser mais uma «peça» (qualificada) de uma engrenagem complexa e cara, onde, de forma directa ou indirecta – como nas formas de «uberização» do trabalho – funciona como um assalariado (mesmo que a recibo verde), que não controla as condições em que trata, quem trata e quanto cobra.

É a progressiva «proletarização», num ecossistema «de empresa», que o sujeita à mesma lógica que o capital sempre usou com os verdadeiros proletários: cada vez maior exploração com maximização do lucro e diminuição dos direitos.

E foi nesse enquadramento que, segundo as notícias, a infeliz sinistrada foi atendida por médicos que, sem autonomia para lhe suturarem as feridas ou obterem os exames necessários, acabaram, mesmo que contra vontade, por deixar sem tratamento a mulher ferida.

Imaginando que foi perguntado à administração se a poderiam assistir pro bono, calcula-se que esta terá reagido como está habituada (e treinada) a reagir: também no business da Saúde não há almoços grátis para ninguém.

Seria aconselhável colocar nos gabinetes das administrações dos grandes grupos privados, o Zé Povinho de Bordalo Pinheiro com o lusitano manguito e o «Se queres fiado, toma!».

Uma «nova» hierarquia virada para a gestão

«Se queres conhecer o vilão, dá-lhe um bastão!», diz também o povo, retratando a mesquinha afirmação de poder dos que, mais próximos da base do que do topo, invejam e copiam os hábitos dos que verdadeiramente mandam.

«os médicos [...] viram o seu poder (por vezes abusivo e autoritário) diminuir com a menorização dos objectivos clínicos, enquanto se multiplicavam administradores cheios de superioridade moral, formatados com uma ilusória noção de «produção» e de «lucro», tendo no bolso o cartão do partido no poder»

Nem todos os administradores hospitalares seguem esse esdrúxulo caminho. Individualmente, são numerosas e notáveis as excepções. Conheci muitas, na minha carreira profissional. Que este juízo crítico a alguns não seja interpretado como uma visão sectária ou corporativa, porque o fenómeno é tão transversal que também não poupa, naturalmente, os médicos. Mas estes viram o seu poder (por vezes abusivo e autoritário) diminuir com a menorização dos objectivos clínicos, enquanto se multiplicavam administradores cheios de superioridade moral, formatados com uma ilusória noção de «produção» e de «lucro», tendo no bolso o cartão do partido no poder.

Nessa «ascensão social», promovida pelos ideólogos do «mercado» e do «empreendorismo», os administradores hospitalares – principal alvo da crítica de médicos e outros profissonais que, erradamente, os confundem com o verdadeiro poder – são apenas «eles e a sua circunstância», como diria Ortega y Gasset.

 

SNS – O ataque continua

LER MAIS

 

Com os novos galões nos ombros, aceitaram, acriticamente, a agressão de políticas «austeritárias», como as dos governos do «arco do poder» e da troika, gerindo-as com zelo, sem reagirem aos ataques ao SNS, quando, pelo lugar que ocupam, tinham particulares responsabilidades de o fazer.

Claro que, quando se analisa a postura individual de cada profissional, há de tudo, como na farmácia.

As entorses comportamentais com maior expressão colectiva, são, por isso, problemas «ambientais» (como também se diz na ciência médica), sofrendo mutações por influência do caldo de cultura ideológica em que estão submersas.

Provavelmente, mesmo um frio gestor do Grupo Trofa que encontrasse, na rua da sua aldeia, uma mulher a sangrar, faria tudo para lhe prestar assistência. Mas, no cargo que ocupa, a bondade desse gesto colide com os sacralizados valores de mercantilização da Saúde que a empresa lhe transmite.

É essa a lógica natural do «sistema», que se repete em situações mais gravosas (pouco publicitadas), como a interrupção do tratamento de doentes cancerosos, quando o custo atinge o tecto assegurado.

Na realidade, só não existem os fantasmas do Sicko em Portugal, porque a Constituição e o SNS tomam conta de todos, mesmo que não tenham seguro nem dinheiro.

E é esse papel que a direita quer reservar para o serviço público. Tratar dos pobres. Os outros que se amanhem com dinheiro próprio ou (principalmente) com os fundos retirados ao SNS para sustentar os grupos financeiros que investem na Saúde atirando fora a gente que não lhes convém.

publicado por usmt às 12:19
link do post | favorito
Sexta-feira, 26 de Março de 2021

Na madrugada de domingo, MUDA A HORA

21 muda hora.jpg

 

publicado por usmt às 20:41
link do post | favorito
Sábado, 20 de Março de 2021

18 anos de actividade contínua...

21 18 anos.jpg

 

publicado por usmt às 19:03
link do post | favorito

DIA MUNDIAL DA ÁGUA

21 dia mundial água.jpg

 

publicado por usmt às 09:52
link do post | favorito

DIA MUNDIAL DA POESIA

21 dia mundial poesia.jpg

 

publicado por usmt às 09:51
link do post | favorito

27 março 2021 - Recolha de Sangue no Entroncamento

dadores.jpg

 

publicado por usmt às 09:03
link do post | favorito
Sexta-feira, 19 de Março de 2021

24 março: Reunião da Comissão de Utentes

21 cartaz reunião.jpg

 

publicado por usmt às 22:36
link do post | favorito
Domingo, 14 de Março de 2021

Sobre a instalação da Ressonância no CHMT

21 ressonância.jpg

 

publicado por usmt às 10:19
link do post | favorito

CHMT: RETOMA DE VISITAS A DOENTES NO CHMT

RETOMA DE VISITAS A DOENTES NO CHMT

 

Em consequência da redução de números de casos de infeção por por SARS-Cov2, o Conselho de Administração do Centro Hospitalar do Médio Tejo, EPE, decidiu retomar o horário para a realização de visitas a doentes, permitindo que se efetuem essas mesmas visitas em dois dias da semana: terças-feiras e domingos.


Este novo horário entra em vigor no dia 16 de março de 2021.
Para além da alteração dos dias de visita, mantêm-se ativas todas as regras estipuladas aquando do retorno das visitas aos doentes do CHMT.

Nos dois dias de visita (terças-feiras e domingos) é, apenas, permitida uma visita por doente internado, tendo cada visita a duração de 30 minutos. Os únicos doentes que permanecem sem visitas em enfermarias são os doentes Covid-19.

As visitas estão sujeitas a horário fixo, pré-definido consoante o quarto de internamento e o número da respetiva cama, nos seguintes horários:14h30, 15h30, 16h30 e 17h30.
Só são permitidas visitas de maiores de 18 anos e os visitantes têm que cumprir com todas as normas de segurança e higienização em vigor, nomeadamente cumprindo a higienização das mãos e a utilização de máscara cirúrgica.

Os visitantes devem, a todo o tempo, garantir o distanciamento necessário com o doente que visitam, de acordo com as instruções transmitidas pela equipa de saúde.
Relativamente aos utentes que se encontram internados em quartos individuais, a visita poderá ser realizada entre as 14h30 e as 18h00, mantendo-se a duração máxima de 30 minutos por visita.
Após o término de cada visita, o quarto será devidamente higienizado e arejado.

O Conselho de Administração reserva o direito para, em caso de incumprimento das normas supra estabelecidas ou alteração das circunstâncias da pandemia, suspender ou modificar imediatamente o programa de retoma de visitas aos doentes internados no Centro Hospitalar do Médio Tejo.

publicado por usmt às 09:40
link do post | favorito

.USMT:Quer nos Conhecer?

  • O que somos
  • Oque fazemos
  • O que defendemos
  • .Vamos criar a Associação de Defesa dos Utentes da Saúde

  • Saber Mais
  • .Leia, Subscreva e Divulgue a Petição ao Senhor Ministro da Saúde Sobre as Novas Taxas Moderadoras Para Internamentos e Cirurgias

  • Petição Movimento de Utentes da Saúde
  • .USMT Mail:

    usaudemt@hotmail.com

    .Abaixo-Assinado

  • Queremos Médicos na Meia Via, Ribeira e Pedrógão
  • .pesquisar

     

    .Jornais Regionais On-Line

  • O Templário
  • Cidade de Tomar
  • O Mirante
  • O Ribatejo
  • Torrejano
  • Almonda
  • O Riachense
  • Entroncamento On-Line
  • Notícias de Fátima
  • .Organizações & Comições

  • MUSS
  • Movimento Utentes Saúde
  • OMS
  • .Posts Recentes

    . Pela reabertura das Exten...

    . 31 maio - DIA MUNDIAL SEM...

    . 26 maio - DIA MUNDIAL ESC...

    . 18 maio - DIA MUNDIAL VAC...

    . Sobre os recursos humanos...

    . T NOVAS, 15 maio - Recolh...

    . A intervenção das populaç...

    . 22 maio - DIA MUNDIAL CON...

    . 19 maio - REUNIÃO DA COMI...

    . 17 maio - DIA MUNDIAL HIP...

    .Arquivos

    . Maio 2021

    . Abril 2021

    . Março 2021

    . Fevereiro 2021

    . Janeiro 2021

    . Dezembro 2020

    . Novembro 2020

    . Outubro 2020

    . Setembro 2020

    . Agosto 2020

    . Julho 2020

    . Junho 2020

    . Maio 2020

    . Abril 2020

    . Março 2020

    . Fevereiro 2020

    . Janeiro 2020

    . Dezembro 2019

    . Novembro 2019

    . Outubro 2019

    . Setembro 2019

    . Agosto 2019

    . Julho 2019

    . Junho 2019

    . Maio 2019

    . Abril 2019

    . Março 2019

    . Fevereiro 2019

    . Janeiro 2019

    . Dezembro 2018

    . Novembro 2018

    . Outubro 2018

    . Setembro 2018

    . Agosto 2018

    . Julho 2018

    . Junho 2018

    . Maio 2018

    . Abril 2018

    . Março 2018

    . Fevereiro 2018

    . Janeiro 2018

    . Dezembro 2017

    . Novembro 2017

    . Outubro 2017

    . Setembro 2017

    . Agosto 2017

    . Julho 2017

    . Junho 2017

    . Maio 2017

    . Abril 2017

    . Março 2017

    . Fevereiro 2017

    . Janeiro 2017

    . Dezembro 2016

    . Novembro 2016

    . Outubro 2016

    . Setembro 2016

    . Agosto 2016

    . Julho 2016

    . Junho 2016

    . Maio 2016

    . Abril 2016

    . Março 2016

    . Fevereiro 2016

    . Janeiro 2016

    . Dezembro 2015

    . Novembro 2015

    . Outubro 2015

    . Setembro 2015

    . Agosto 2015

    . Julho 2015

    . Junho 2015

    . Maio 2015

    . Abril 2015

    . Março 2015

    . Fevereiro 2015

    . Janeiro 2015

    . Dezembro 2014

    . Novembro 2014

    . Outubro 2014

    . Setembro 2014

    . Agosto 2014

    . Julho 2014

    . Junho 2014

    . Maio 2014

    . Abril 2014

    . Março 2014

    . Fevereiro 2014

    . Janeiro 2014

    . Dezembro 2013

    . Novembro 2013

    . Outubro 2013

    . Setembro 2013

    . Agosto 2013

    . Julho 2013

    . Junho 2013

    . Maio 2013

    . Abril 2013

    . Março 2013

    . Fevereiro 2013

    . Janeiro 2013

    . Dezembro 2012

    . Novembro 2012

    . Outubro 2012

    . Setembro 2012

    . Agosto 2012

    . Julho 2012

    . Junho 2012

    . Maio 2012

    . Abril 2012

    . Março 2012

    . Fevereiro 2012

    . Janeiro 2012

    . Dezembro 2011

    . Novembro 2011

    . Outubro 2011

    . Setembro 2011

    . Agosto 2011

    . Julho 2011

    . Junho 2011

    . Maio 2011

    . Abril 2011

    . Março 2011

    . Fevereiro 2011

    . Janeiro 2011

    . Dezembro 2010

    . Novembro 2010

    . Outubro 2010

    . Setembro 2010

    . Agosto 2010

    . Julho 2010

    . Junho 2010

    . Maio 2010

    . Abril 2010

    . Março 2010

    . Fevereiro 2010

    . Janeiro 2010

    . Dezembro 2009

    . Novembro 2009

    . Outubro 2009

    . Setembro 2009

    . Agosto 2009

    . Julho 2009

    . Junho 2009

    . Abril 2009

    . Fevereiro 2009

    . Janeiro 2009

    . Dezembro 2008

    . Novembro 2008

    . Outubro 2008

    . Setembro 2008

    . Agosto 2008

    . Julho 2008

    . Junho 2008

    . Maio 2008

    . Abril 2008

    . Março 2008

    . Fevereiro 2008

    . Janeiro 2008

    . Dezembro 2007

    . Outubro 2007

    . Setembro 2007

    . Agosto 2007

    . Julho 2007

    . Maio 2007

    . Abril 2007

    . Março 2007

    . Fevereiro 2007

    . Janeiro 2007

    . Dezembro 2006

    . Novembro 2006

    . Outubro 2006

    blogs SAPO

    .subscrever feeds