Sexta-feira, 23 de Agosto de 2013

As autárquicas e a organização dos cuidados de saúde

TOMAR - Saiba o que dizem os candidatos à Câmara sobre o processo relativo ao Hospital Nossa Senhora da Graça

A perda de valências no Hospital Nossa Senhora da Graça, de Tomar, foi uma das dores de cabeça para a população nabantina - e não só - durante os últimos tempos. E tanto assim foi que houve lugar a diversas manifestações, sendo que uma destas iniciativas resultou mesmo da subida de dezenas de populares ao salão nobre da Câmara Municipal, precisamente na ocasião em que o executivo analisava o problema.

A perda da urgência médico-cirúrgica e ainda da medicina interna causou um enorme descontentamento na população que, agora, em caso de urgência, tem de percorrer dezenas de quilómetros, principalmente até Abrantes. Este assunto irá, decerto, marcar a campanha eleitoral dos concorrentes à autarquia tomarense, que terão de avançar com soluções para que o acesso aos cuidados de saúde fique mais salvaguardado... isto se ainda houve volta a dar. O processo-hospital esteve em cima da mesa no recente debate promovido pela Hertz. Questionados, os sete candidatos, com mais ou menos argumentos a este propósito, disseram de sua justiça. Seguindo a ordem resultante nos boletins de voto, registo para as palavras de Carlos Carrão, do PSD, que admitiu prejuízos para os tomarenses mas sublinhou que há que ter a consciência dos tempos em que vivemos: «Independentemente daquilo que foram alguns prejuízos para o concelho, convém dizer que estava em causa a viabilidade financeira do próprio Centro Hospitalar do Médio Tejo. E a confirmar-se essa viabilidade, então as três unidades, entre as quais Tomar, poderiam continuar a funcionar. Temos a informação que o nosso hospital tem sido reforçado com algumas valências, que são questões de oportunidade, e esperemos que essa oferta ainda seja mais reforçada. O que está em cima da mesa é a qualidade dos serviços de saúde. Temos de estar atentos mas também temos de estar atentos perante a conjuntura que nos rodeia». Rui Coutinho, do Bloco de Esquerda, não teve dúvidas em apontar o dedo à Câmara Municipal, acusando-a de passiva por ter permitido a saída de valências do hospital: «Se há dez anos atrás, alguém afirmasse que Tomar iria deixar de ter as urgências, ninguém iria acreditar. Estamos a falar de algo essencial para a vida dos cidadãos. Temos constatado que todas as valências têm desaparecido e não há a capacidade da autarquia em lutar para que elas se mantenham. Deve haver maior empenho do executivo neste processo. Caso contrário, qualquer dia, Tomar nem tem um hospital». Por sua vez, Flávio Nunes, do Movimento Partido da Terra, preferiu remeter mais considerações depois de concretizar um desejo, que passa por uma reunião com o Ministro da Saúde: «Tenho que falar com o Ministério da Saúde e, dessa forma, avançar com propostas após as eleições. É o que tenho a dizer por agora sobre este assunto...». Bruno Graça, da CDU, considerou que o fundamental é olhar para a saúde como um todo e não só na vertente hospitalar. O candidato sublinhou que o desejo da população deve ser tido em consideração: «Para nós, o problema é este Que saúde é prestada à população do concelho de Tomar? E esta situação passa por diferentes etapas, desde os cuidados primários até aos hospitalares. Esta é uma responsabilidade do Governo. Mas a Câmara tem de apoiar todos os movimentos cívicos que se façam em Tomar. E não se pode deixar que Ourém vá para o Hospital de Leiria, porque isso irá enfraquecer a posição de Tomar neste diálogo com o Governo». Ivo Santos centrou-se em pormenores para justificar a perda de importância de Tomar, precisamente nas questões do Centro Hospitalar do Médio Tejo. O cabeça de lista do CDS deu um exemplo concreto: «Há cerca de um mês, abriu em Tomar um centro de hemodiálise. E sabem qual é o nome? Chama-se Centro de Hemodiálise Ourém/Tomar. Até aceitaria que fosse Tomar/Ourém, agora desta forma?! Estamos a falar de algo que está sedeado no concelho, na freguesia de São João Baptista. Importante, convém dizer, é que esta estrutura exista e que, finalmente, tenham sido criadas condições para se ter instalado na cidade. Mas são estes pormenores, estes pequenos nadas, que realçam a nossa falta de importância no contexto regional». Anabela Freitas, do PS, defendeu uma actuação conjunta, admitindo que, até agora, cada município tenha puxado a brasa à sua sardinha: «A resolução do Centro Hospitalar do Médio Tejo passa, precisamente, por uma actuação intermunicipal, precisamente entre os vários Municípios que são servidos por esta estrutura. E é aqui que Tomar tem de ter liderança. Se calhar, cada um puxa a brasa à sua sardinha, mas é preciso perceber que se todos convergirem numa solução, então todos ficaremos a ganhar, sob pena de alguma das Unidades ficar fora do Centro Hospitalar». Pedro Marques, dos Independentes por Tomar, recuou à altura em que a saída das valências começou a registar-se no Hospital e acusou o executivo PSD de não ter voz neste processo: «O problema do hospital começa quando fomos perdendo as valências e não houve reacção. E começa com a criação do Centro Hospitalar do Médio Tejo, que viabilizou o hospital de Abrantes. Enquanto a Unidade principal foi prejudicada. Há que ter voz! Não é por acaso que, de entre todos os que estão neste debate, o único que tem queixas-crime por falar do hospital sou eu. Mas não ofendi ninguém. Apenas me limitei a dizer a verdade. Tem que se envolver outros municípios, nomeadamente Ourém e Ferreira do Zêzere. E foram envolvidos? Não foram! Nós não dependemos na Administração Central. Para nós, em primeiro lugar, está sempre o concelho de Tomar. Não é ninguém lá de baixo (ndr: Lisboa) que nos dá ordens».

publicado por usmt às 23:15
link do post | favorito

.USMT:Quer nos Conhecer?

  • O que somos
  • Oque fazemos
  • O que defendemos
  • .Vamos criar a Associação de Defesa dos Utentes da Saúde

  • Saber Mais
  • .Leia, Subscreva e Divulgue a Petição ao Senhor Ministro da Saúde Sobre as Novas Taxas Moderadoras Para Internamentos e Cirurgias

  • Petição Movimento de Utentes da Saúde
  • .USMT Mail:

    usaudemt@hotmail.com

    .Abaixo-Assinado

  • Queremos Médicos na Meia Via, Ribeira e Pedrógão
  • .pesquisar

     

    .Jornais Regionais On-Line

  • O Templário
  • Cidade de Tomar
  • O Mirante
  • O Ribatejo
  • Torrejano
  • Almonda
  • O Riachense
  • Entroncamento On-Line
  • Notícias de Fátima
  • .Organizações & Comições

  • MUSS
  • Movimento Utentes Saúde
  • OMS
  • .Posts Recentes

    . Preparar a reunião do Con...

    . Sobre a recondução do act...

    . Social e humanamente just...

    . Um caso de saúde pública ...

    . Reunião da Comissão de Ut...

    . Uma luta para não esquece...

    . Pela abolição das portage...

    . A tua opinião é important...

    . Para lembrar todos os dia...

    . Opinião: O bom, o mau e o...

    .Arquivos

    . Dezembro 2019

    . Novembro 2019

    . Outubro 2019

    . Setembro 2019

    . Agosto 2019

    . Julho 2019

    . Junho 2019

    . Maio 2019

    . Abril 2019

    . Março 2019

    . Fevereiro 2019

    . Janeiro 2019

    . Dezembro 2018

    . Novembro 2018

    . Outubro 2018

    . Setembro 2018

    . Agosto 2018

    . Julho 2018

    . Junho 2018

    . Maio 2018

    . Abril 2018

    . Março 2018

    . Fevereiro 2018

    . Janeiro 2018

    . Dezembro 2017

    . Novembro 2017

    . Outubro 2017

    . Setembro 2017

    . Agosto 2017

    . Julho 2017

    . Junho 2017

    . Maio 2017

    . Abril 2017

    . Março 2017

    . Fevereiro 2017

    . Janeiro 2017

    . Dezembro 2016

    . Novembro 2016

    . Outubro 2016

    . Setembro 2016

    . Agosto 2016

    . Julho 2016

    . Junho 2016

    . Maio 2016

    . Abril 2016

    . Março 2016

    . Fevereiro 2016

    . Janeiro 2016

    . Dezembro 2015

    . Novembro 2015

    . Outubro 2015

    . Setembro 2015

    . Agosto 2015

    . Julho 2015

    . Junho 2015

    . Maio 2015

    . Abril 2015

    . Março 2015

    . Fevereiro 2015

    . Janeiro 2015

    . Dezembro 2014

    . Novembro 2014

    . Outubro 2014

    . Setembro 2014

    . Agosto 2014

    . Julho 2014

    . Junho 2014

    . Maio 2014

    . Abril 2014

    . Março 2014

    . Fevereiro 2014

    . Janeiro 2014

    . Dezembro 2013

    . Novembro 2013

    . Outubro 2013

    . Setembro 2013

    . Agosto 2013

    . Julho 2013

    . Junho 2013

    . Maio 2013

    . Abril 2013

    . Março 2013

    . Fevereiro 2013

    . Janeiro 2013

    . Dezembro 2012

    . Novembro 2012

    . Outubro 2012

    . Setembro 2012

    . Agosto 2012

    . Julho 2012

    . Junho 2012

    . Maio 2012

    . Abril 2012

    . Março 2012

    . Fevereiro 2012

    . Janeiro 2012

    . Dezembro 2011

    . Novembro 2011

    . Outubro 2011

    . Setembro 2011

    . Agosto 2011

    . Julho 2011

    . Junho 2011

    . Maio 2011

    . Abril 2011

    . Março 2011

    . Fevereiro 2011

    . Janeiro 2011

    . Dezembro 2010

    . Novembro 2010

    . Outubro 2010

    . Setembro 2010

    . Agosto 2010

    . Julho 2010

    . Junho 2010

    . Maio 2010

    . Abril 2010

    . Março 2010

    . Fevereiro 2010

    . Janeiro 2010

    . Dezembro 2009

    . Novembro 2009

    . Outubro 2009

    . Setembro 2009

    . Agosto 2009

    . Julho 2009

    . Junho 2009

    . Abril 2009

    . Fevereiro 2009

    . Janeiro 2009

    . Dezembro 2008

    . Novembro 2008

    . Outubro 2008

    . Setembro 2008

    . Agosto 2008

    . Julho 2008

    . Junho 2008

    . Maio 2008

    . Abril 2008

    . Março 2008

    . Fevereiro 2008

    . Janeiro 2008

    . Dezembro 2007

    . Outubro 2007

    . Setembro 2007

    . Agosto 2007

    . Julho 2007

    . Maio 2007

    . Abril 2007

    . Março 2007

    . Fevereiro 2007

    . Janeiro 2007

    . Dezembro 2006

    . Novembro 2006

    . Outubro 2006

    blogs SAPO

    .subscrever feeds