Domingo, 25 de Março de 2018

Sessão Comemorativa dos 15 anos de actividade da Comissão de Utentes

foto 2.jpg

 

Intervenção

na Sessão Comemorativa

dos 15 anos de actividade da CUSMT

Em primeiro lugar agradecer a presença de um conjunto de entidades de alguma forma relacionadas e interessadas na prestação de cuidados de saúde, de trabalhadores e seus representantes e de utentes, com especial destaque para aqueles que, de acordo com as suas possibilidades, deram corpo à intervenção da Comissão de Utentes da Saúde do Médio Tejo.

 

Ainda, um agradecimento a todas as entidades que pela cedência de espaços e meios logísticos têm contribuído para as actividades e organização dos utentes. Um apreço muito especial para a União dos Sindicatos de Santarém que tem permitido a utilização da Casa Sindical de Torres Novas para as reuniões regulares e, também, um agradecimento especial ao Conselho de Administração do CHMT pela realização desta iniciativa no Hospital de Torres Novas.

 

Desde Março de 2003, data da sua constituição que a Comissão Utentes vem afirmando que a saúde é o bem mais importante do ser humano. E não nos cansamos de repetir que a humanidade produz riqueza e saber suficientes para que todos tenham acesso a cuidados de saúde e consequentemente seja reduzido o sofrimento de doentes e familiares. Mas apesar da criação e funcionamento do Serviço Nacional de Saúde, o mais importante e valioso serviço público da população portuguesa, há problemas que se repetem e agravam, com consequências negativas para utentes, trabalhadores e o próprio SNS.

 

Organização

 

No âmbito da prestação de cuidados de saúde todos os intervenientes estão organizados, seja no sector público seja no social ou no privado. Ele há organização dos trabalhadores, dos gestores, de fornecedores, fabricantes… também de doentes e utentes. Por certo, a organização dos utentes é a mais fraca e, na nossa opinião, a que deveria ser mais forte.

 

Pela nossa parte, na região (e também a nível nacional) há 15 anos que damos a nossa contribuição. Somos um movimento de opinião e reivindicativo. Sempre o dissemos e dizemos: intervimos social e politicamente.

 

Temos regras claras e abertas de funcionamento: Todo e qualquer cidadão da área geográfica do Médio Tejo pode aderir à CUSMT e participar nas suas actividades. Fazemos comunicação e informação claras, precisas e permanentes. Temos reuniões regulares, publicitadas e abertas à participação de todos os interessados. Mas estamos longe daquilo que idealizamos e queremos em termos de participação popular.

 

EM TODO O MÉDIO TEJO, através de abaixo assinados, reuniões, manifestações, encontros, sessões de esclarecimento e vigílias, contactos com as instituições, a Comissão de utentes tem exercido a sua acção reivindicativa e feito propostas.

foto 1.jpg

 

Relacionamento institucional

 

Não negamos comparecer a qualquer reunião e ou iniciativa para a qual somos convidados. Dizemos até que algumas das nossas solicitações não têm tido resposta. Mas, registamos como muito positiva a frequência de reuniões com CHMT, ACES, deputados do distrito na AR, com algumas autarquias e com entidades importantes como Bombeiros. Também, sempre que solicitámos reuniões no Ministério da Saúde, elas concretizaram-se.

 

A nossa presença no Conselho de Comunidade do ACES MÉDIO TEJO, só não tem sido mais incisiva e produtiva porque, têm sido muito poucas as reuniões e com pouca participação de algumas das entidades, como por exemplo, os representantes das Assembleia Municipais.

Já no Conselho Consultivo do CHMT, que tem reunido dentro dos prazos legais, continuamos a considerar muito útil a nossa presença atendendo à perspicácia e seriedade dos assuntos sobre os quais opinamos.

 

Importante, também referir, a nossa relação com a Comunicação Social. Toda a nossa actividade e documentação produzida é enviada para os Órgãos de Comunicação Social. Para mais uma consulta ao nosso blog (activo de 2006) também é uma excelente fonte de informação. É importante e fundamental o trabalho desenvolvido pelos Órgãos da Comunicação Social. Mas ao longo destes quinze anos há como que uma relação bipolar. Ou escrevem e divulgam tudo, ou nos esquecem por longos períodos. De uma forma ou outra, a nossa actividade continuará.

 

Financiamento

 

Ainda bem que temos connosco os familiares e amigos mais velhos. Mas o envelhecimento populacional e as doenças crónicas são uma realidade a que não podemos fugir. Consequência: AUMENTA A PROCURA E A DESPESA COM CUIDADOS DE SAÚDE.

 

Todos temos conhecimento dos problemas resultantes do subfinanciamento crónico fruto dos constrangimentos financeiros nacionais e europeus, em que se gasta mais em juros do que com o SNS e por não ser dada a primazia ao sector da saúde no âmbito do financiamento das actividades do Estado.

 

Trabalhadores

 

Nós que defendemos a humanização dos cuidados de saúde não imaginamos unidades de saúde sem trabalhadores. A nossa homenagem e gratidão aos trabalhadores que “vestem a camisola” do Serviço Nacional de Saúde. Eles, com a sua disponibilidade, o seu saber e o seu espírito de sacrifício, contribuem para cuidados de saúde de proximidade e qualidade, reduzindo o sofrimento humano.

 

É necessária uma política de recursos humanos que responda aos problemas imediatos (para melhorar já a qualidade de alguns serviços) e que perspective o futuro. Há que exigir responsabilidade e bom senso a quem contrata e a quem é contrato. Tem de se olhar para o futuro com base em vencimentos justos, formação profissional e organização do trabalho eficiente e eficaz. De uma vez por todas tem de olhar para a colocação de profissionais nas zonas carenciadas, libertando, em alguns casos, os responsáveis de teias burocráticas.

 

Não há reunião entre esta Comissão de Utentes e responsáveis de unidades de saúde, instituições e poder política em que os recursos humanos não façam parte da ordem de trabalhos. Tal é a nossa preocupação.

 

Saúde Pública

 

Preocupados, não PREOCUPADÍSSIMOS, com as questões de saúde pública. No caso da sinistralidade rodoviária com consequências dramáticas e imediatas. Dependências e más práticas de vida que são uma autêntica bomba relógio para o SNS.

 

É necessária uma aposta séria na prevenção promovendo boas práticas alimentares, redução de comportamentos aditivos e de sinistralidade rodoviária,… E, porque estamos no Médio Tejo, atente-se aos problemas ambientais.

 

Cuidados Primários

 

Damos primazia aos Cuidados de Saúde Primários, nas suas diversas vertentes e na perspectiva de ir corrigindo o que está mal e multiplicar o que está bem.       

 

São precisos mais médicos, mais enfermeiros para humanizar os cuidados de saúde e reforçar a proximidade. Também faltam profissionais administrativos. Os horários dos centros de saúde têm de adequados aos tempos de trabalho da população activa. Coordenação entre Ministério e Autarquias com vista a dar comodidade e funcionalidade a utentes e profissionais nas Unidades de Saúde, nomeadamente em questões de temperatura ambiente. São precisas mais unidades de cuidados à comunidade.

 

Continuamos a não perceber porque não se resolvem os problemas de diferentes condições de acesso a cuidados de saúde tendo em conta as características das USF e UCSP.

 

Continuamos a insistir na necessidade de Unidades Móveis de Saúde e num sistema informático eficaz.

 

Numa óptica de medicina preventiva, para manutenção e preservação da saúde, as unidades de saúde devem ter uma atitude pró-activa, de acompanhamento de todos os utentes, independentemente da idade e de recorrerem ou não com frequência aos serviços clínicos, pois só assim as doenças podem ser detectadas atempadamente e tomadas as medidas adequadas para evitar a sua progressão ou mesmo fazer regredir os sintomas, diminuindo os custos ao SNS e aos utentes, diminuindo também o seu sofrimento e sua angústia, bem como às suas famílias.

Somos pela colaboração e empenho das autarquias no esforço de melhorar a prestação de cuidados de saúde de proximidade. Disse há bons exemplos no Médio Tejo (p.e. os transportes), mas temos muitas dúvidas quanto algumas das notícias sobre a descentralização dos serviços de saúde. Também não percebemos muitas das quezílias e problemas burocrático e/ou legais entre autarquias, administração central e unidades de saúde. Haja diálogo, bom senso e acção. As populações agradecem!

 

Cuidados Hospitalares

 

No CHMT (hospitais de Abrantes, Tomar e Torres Novas) há 5 (CINCO) serviços de URGÊNCIA que funcionam todos os dias do ano, 24 horas por dia. As urgências são o “fim da fila” onde chegam os principais dramas clínicos e sociais. Nas unidades hospitalares, muitos doentes idosos e com doenças crónicas chegam às urgências verificando-se um aumento de internamentos. Grande afluência às urgências hospitalares em determinados períodos. Períodos de espera por vezes longos. Possibilidade de propagação de doenças e aumento de infecções hospitalares. Pouco tempo e atenção no atendimento o que leva a frequente regresso à urgência. Profissionais que estão a atingir os seus limites físicos.

 

Há problemas? Claro e são muitos. Mas a denúncia pela denúncia nunca resolveu nenhum problema.

 

É preciso: reforço do número de profissionais; melhoria dos serviços de urgência; melhoria dos transportes inter-hospitalares;…

 

 

Não desistimos dos objectivos: Urgência Medico Cirúrgica, Cirurgia, Pediatria e Medicina Interna nas três unidades. Melhorar as especialidades existentes. (Alguns destes objectivos estão concretizados pela luta das populações, pelo empenho de trabalhadores e dirigentes).

 

Cuidados continuados

 

A carência de camas nos cuidados continuados no Médio Tejo e no Distrito, é reconhecida pelas entidades da saúde. O mesmo para os Cuidados Paliativos.

 

São precisas mais camas nos cuidados continuados e paliativos no sector público, e uma gestão que discrimine positivamente os utentes do Distrito.

FUNDAMENTAL a articulação entre os diversos níveis de prestação de cuidados de saúde!

 

Assistência Medicamentosa

 

A dispensa de medicamentos é um importante vector na prestação cuidados de saúde. Não percebemos qual foi a intenção governamental em aprovar legislação que levou (e leva) à concentração de farmácias nas zonas urbanas em detrimento das zonas rurais.

 

Também importantes para a prestação de cuidados de saúde são os bombeiros e as suas corporações.

 

……….

 

Como não nos cansamos de repetir, o que está errado deve ser corrigido, o que está bem deve ser multiplicado. O TEMPO É DE ESPERANÇA, MAS NÃO DE ILUSÕES. Continuaremos a trabalhar por cuidados de saúde de qualidade e proximidade! Com o contributo de todos, muito trabalho e bom senso é possível, um SNS público, universal, geral, eficiente, eficaz e tendencialmente gratuito. O mesmo que dizer: reduzir o sofrimento humano.

 

Médio Tejo, 23.3.2018

foto 3.jpg

foto 4.jpg

foto 6.jpg

foto 7.jpg

foto 8.jpg

foto 9.jpg

foto 10.jpg

foto 11.jpg

 

publicado por usmt às 10:12
link do post | favorito

.USMT:Quer nos Conhecer?

  • O que somos
  • Oque fazemos
  • O que defendemos
  • .Vamos criar a Associação de Defesa dos Utentes da Saúde

  • Saber Mais
  • .Leia, Subscreva e Divulgue a Petição ao Senhor Ministro da Saúde Sobre as Novas Taxas Moderadoras Para Internamentos e Cirurgias

  • Petição Movimento de Utentes da Saúde
  • .USMT Mail:

    usaudemt@hotmail.com

    .Abaixo-Assinado

  • Queremos Médicos na Meia Via, Ribeira e Pedrógão
  • .pesquisar

     

    .Jornais Regionais On-Line

  • O Templário
  • Cidade de Tomar
  • O Mirante
  • O Ribatejo
  • Torrejano
  • Almonda
  • O Riachense
  • Entroncamento On-Line
  • Notícias de Fátima
  • .Organizações & Comições

  • MUSS
  • Movimento Utentes Saúde
  • OMS
  • .Posts Recentes

    . Sobre a reunião de 5dez c...

    . Comissão de Utentes estar...

    . "Encaixa que nem uma luva...

    . Contactos com as Unidades...

    . Notas sobre a reunião na ...

    . 12 de Dezembro: Reunião C...

    . Dia Mundial da Luta contr...

    . Conversar sobre...

    . Preparar a Reunião do Con...

    . 28 de Novembro, Reunião d...

    .Arquivos

    . Dezembro 2018

    . Novembro 2018

    . Outubro 2018

    . Setembro 2018

    . Agosto 2018

    . Julho 2018

    . Junho 2018

    . Maio 2018

    . Abril 2018

    . Março 2018

    . Fevereiro 2018

    . Janeiro 2018

    . Dezembro 2017

    . Novembro 2017

    . Outubro 2017

    . Setembro 2017

    . Agosto 2017

    . Julho 2017

    . Junho 2017

    . Maio 2017

    . Abril 2017

    . Março 2017

    . Fevereiro 2017

    . Janeiro 2017

    . Dezembro 2016

    . Novembro 2016

    . Outubro 2016

    . Setembro 2016

    . Agosto 2016

    . Julho 2016

    . Junho 2016

    . Maio 2016

    . Abril 2016

    . Março 2016

    . Fevereiro 2016

    . Janeiro 2016

    . Dezembro 2015

    . Novembro 2015

    . Outubro 2015

    . Setembro 2015

    . Agosto 2015

    . Julho 2015

    . Junho 2015

    . Maio 2015

    . Abril 2015

    . Março 2015

    . Fevereiro 2015

    . Janeiro 2015

    . Dezembro 2014

    . Novembro 2014

    . Outubro 2014

    . Setembro 2014

    . Agosto 2014

    . Julho 2014

    . Junho 2014

    . Maio 2014

    . Abril 2014

    . Março 2014

    . Fevereiro 2014

    . Janeiro 2014

    . Dezembro 2013

    . Novembro 2013

    . Outubro 2013

    . Setembro 2013

    . Agosto 2013

    . Julho 2013

    . Junho 2013

    . Maio 2013

    . Abril 2013

    . Março 2013

    . Fevereiro 2013

    . Janeiro 2013

    . Dezembro 2012

    . Novembro 2012

    . Outubro 2012

    . Setembro 2012

    . Agosto 2012

    . Julho 2012

    . Junho 2012

    . Maio 2012

    . Abril 2012

    . Março 2012

    . Fevereiro 2012

    . Janeiro 2012

    . Dezembro 2011

    . Novembro 2011

    . Outubro 2011

    . Setembro 2011

    . Agosto 2011

    . Julho 2011

    . Junho 2011

    . Maio 2011

    . Abril 2011

    . Março 2011

    . Fevereiro 2011

    . Janeiro 2011

    . Dezembro 2010

    . Novembro 2010

    . Outubro 2010

    . Setembro 2010

    . Agosto 2010

    . Julho 2010

    . Junho 2010

    . Maio 2010

    . Abril 2010

    . Março 2010

    . Fevereiro 2010

    . Janeiro 2010

    . Dezembro 2009

    . Novembro 2009

    . Outubro 2009

    . Setembro 2009

    . Agosto 2009

    . Julho 2009

    . Junho 2009

    . Abril 2009

    . Fevereiro 2009

    . Janeiro 2009

    . Dezembro 2008

    . Novembro 2008

    . Outubro 2008

    . Setembro 2008

    . Agosto 2008

    . Julho 2008

    . Junho 2008

    . Maio 2008

    . Abril 2008

    . Março 2008

    . Fevereiro 2008

    . Janeiro 2008

    . Dezembro 2007

    . Outubro 2007

    . Setembro 2007

    . Agosto 2007

    . Julho 2007

    . Maio 2007

    . Abril 2007

    . Março 2007

    . Fevereiro 2007

    . Janeiro 2007

    . Dezembro 2006

    . Novembro 2006

    . Outubro 2006

    blogs SAPO

    .subscrever feeds